Quem é favorecido por uma notícia falsa?

As notícias falsas geralmente atendem dois objetivos básicos: prejudicar uma pessoa ou grupo e, por outro lado, favorecer uma pessoa ou grupo.

A distorção dos fatos, para disseminação principalmente nas redes sociais e whatsapp, ocorre para atender esses dois objetivos primários.

Não existem notícias falsas inocentes. As chamadas fake news estão em circulação para prejudicar pessoas e beneficiar pessoas.

Por isso, quando um conteúdo dessa natureza chega até você é preciso se perguntar: quem perde com essa informação? E ainda: quem ganha com essa notícia?

Na campanha eleitoral deste ano, as fake news transcendem o mero conteúdo informativo midiático. Elas estão presentes em áudios manipulados, capas de revistas falsas, cartilhas falsas, fotos falsas…

Ainda ontem recebi duas capas de revistas, uma da Veja e outra da Exame, com uma suposta denúncia envolvendo um partido político e tratando de fraude em urnas eletrônicas.

Apesar das imagens parecerem perfeitas, minha capacidade de pensar ainda não foi afetada pelas bobagens que circulam na rede. Entrei rapidamente no site das revistas, consultei as capas dos últimos anos e comprovei: Veja e Exame nunca publicaram nada a respeito do assunto. Muito menos fizeram capas de revista com um suposto personagem denunciando um partido por supostas fraudes em urnas.

As capas que estão circulando no whatsapp são fakes.

Em todos esses casos, uma pessoa ou candidato é alvo do conteúdo falso. E, quando isso acontece, outra pessoa ou candidato é, direta ou indiretamente favorecido.

Os dois candidatos que lideram a corrida presidencial têm sido constantemente alvo de fake news. Quase sempre, um é atacado por mentiras e o outro, obviamente, tenta ser favorecido.

Como muitos eleitores são ingênuos – ou agem de má fé -, contribuem para disseminação desses conteúdos em suas redes pessoais. Não há um dia sequer que a gente não esbarre com esse tipo de material. E o que é pior: as pessoas estão pautando suas escolhas eleitorais – e até mesmo sua rejeição a determinadas candidaturas – em virtude das fake news.

Anúncios

Quando devo dar um celular ao meu filho?

Sou bastante conservador neste aspecto. Mas até o momento, não fui convencido que estou errado… Entendo que é necessário retardar ao máximo. Quanto mais tarde, melhor. Não há justificativa racional para uma criança ter um celular. Penso que o aparelho só deve chegar às mãos de nossos filhos na adolescência. Ainda assim, sem nenhuma pressa.

Mas aqui estão algumas outras recomendações…

Dar um celular ao seu adolescente não significa deixá-lo à vontade com o dispositivo. Depois que possuem um celular, com frequência, os adolescentes leem menos, estudam menos, focam menos nas tarefas, interagem menos com as pessoas próximas e se envolvem em mais confusões.

Por isso, os pais precisam estabelecer um limite no tempo de uso. Também é fundamental monitorar o que os filhos fazem ao celular.

O tempo de uso deve ser negociado, com bom senso. Entendo que o aparelho não deve estar nas mãos da garotada na hora das refeições, nas horas de estudo e muito menos durante à noite. Com frequência, vejo adolescentes que dormem mal, porque ficam no whatsapp e outras redes sociais até muito tarde. Isso prejudica o desempenho escolar e até mesmo o desenvolvimento físico e emocional. Dormir bem é uma necessidade de qualquer adolescente.

Mas, além de controlar o tempo de uso, é dever dos pais monitorar o que os filhos fazem com o celular. Enquanto os filhos estão em casa, não há nada de invasivo em acompanhar o que a garotada faz com o aparelho. Não são raros os casos de meninos e meninas que acessam conteúdos indevidos sem que a família saiba o que está acontecendo. Pior que isso, praticam bullying na rede, enviam nudes e se envolvem em problemas.

Por isso, educar também é ter controle da vida digital de seu filho.

Como educar os filhos sobre o uso do celular?

O celular é hoje um dos dispositivos mais úteis ao nosso dia a dia. E talvez seja o aparelho mais pessoal. É o celular que levamos para todos os lugares. Todos mesmo!

Mas o dispositivo tem se tornado um problema – principalmente para as crianças.

E, por isso, muitos pais questionam: o que podemos fazer?

Devemos entender, primeiro, que nos primeiros anos de vida, os filhos se guiam pelas práticas dos pais.

Aquilo que fazem de maneira bastante interessada vai servir de referência para as crianças. Os filhos consideram interessante tudo aquilo que prende a atenção dos pais.

Se a mãe fica horas diante da tela da televisão, a criança vai achar que algo ali muito interessante acontece. Se o pai se envolve totalmente com a leitura de um livro, a criança vai querer saber o que tem naquelas páginas mágicas.

Ou seja, o que capta nossa atenção desperta o interesse dos filhos.

Portanto, se somos reféns do celular, nossos filhos também serão.

Mas existem outras práticas que formam os maus hábitos no uso do dispositivo.

Os pais não podem ter o aparelho como muleta, como estratégia para evitar que o filho chore, fique agitado ou coisa parecida. Eu sei que é bem mais cômodo dar o aparelho a uma criança de dois aninhos para que ela se comporte na igreja. Ou fique quieta enquanto você come no restaurante. Entretanto, quando os pais fazem isso, estão abdicando do verdadeiro papel que lhes cabe: educar.

As crianças precisam ser contidas e devem aprender a silenciar seus impulsos.

Por fim, não há nenhuma justificativa racional para dar um celular a uma criança de dois, cinco, oito ou até 10 anos. Elas não precisam do dispositivo.

Até o início da adolescência, quando começam a ter alguns compromissos que não requerem mais a presença dos pais, o celular é dispensável.

Por outro lado, nessa fase de desenvolvimento, as crianças carecem de tempo para brincar, devem se relacionar com outras crianças, frequentar parques, andar de bicicleta, fazer tarefas manuais, aprender música, artes…

Isso não transforma os pais em conservadores. Faz dos pais efetivos educadores, preocupados com o desenvolvimento cognitivo e social dos filhos.

Revolução digital vai fechar mais de 15 milhões de vagas de trabalho em 12 anos

Com certa frequência, falo sobre como as tecnologias podem fechar postos de trabalho. Embora o avanço da ciência seja um fato, e uma necessidade, é inegável que pouco a pouco as máquinas vão ocupando o lugar de trabalhadores.

Por sinal, o filósofo do comunismo, Karl Marx, ainda no século 19, vislumbrava que os operários deveriam se unir para resistir ao avanço das máquinas, pois isso lhes custaria o trabalho.

Cá com meus botões, entendo que não há razão para lutarmos contra as tecnologias. A realidade sempre se impõe. E o avanço das ciências significa também a automação industrial, a inteligência artificial.

Contudo, a sociedade precisa se preparar para isso. E num ano eleitoral é fundamental cobrar que este tema esteja presente no debate político.

Veja bem… Uma pesquisa realizada pela consultoria McKinsey sobre o futuro do mercado de trabalho mostrou que 14% dos empregos brasileiros podem desaparecer até 2030 – cerca de 15,7 milhões de vagas.

Gente, 2030 está logo ali. São apenas 12 anos. Se hoje já temos mais de 13 milhões de desempregados, se mais de 37 milhões de pessoas já estão em atividades com trabalho por conta própria e sem carteira assinada, este quadro deve se tornar ainda mais dramático se nada for feito.

A consultoria McKinsey também mostrou que o Brasil não está preparado para a extinção de várias profissões. Tampouco está preparado para as vagas que podem ser geradas pela economia cada vez mais digital.

O que deve ser feito? Não sei. Mas é necessário estudar alternativas, buscar soluções. Os centros de pesquisas, as universidades e as boas experiências internacionais estão aí para nos ajudar a encontrar formas de não vivermos o aprofundamento da desigualdade econômica e social – milhões e milhões de pessoas sem trabalho e algumas milhares ganhando muito dinheiro com suas empresas operadas por máquinas, softwares, aplicativos.

O exercício da inteligência nos impediria de acreditar em fake news

O que fazer quando até pessoas que a gente admira começam a compartilhar conteúdos que distorcem os fatos?

Nem tudo que circula na rede é totalmente mentira. Alguns conteúdos são exagerados, distorcidos. Mas partem de situações verdadeiras. E esta é uma das principais características das fake news. Elas são construídas a partir de algo concreto, algo que de fato existe ou aconteceu.

Ainda ontem vi um colega compartilhando um meme que trazia a jornalista Renata Vasconcellos esboçando desconforto diante de um dos presidenciáveis na série de entrevistas concedidas ao Jornal Nacional.

A entrevista de fato aconteceu, a expressão da jornalista durante a conversa também aconteceu. Entretanto, o meme, embora tenha surgido de uma situação concreta, distorceu a realidade da entrevista e das regras da entrevista, que impediam claramente a apresentação, por exemplo, de material impresso diante das câmeras.

A gente transita na internet entre fatos, distorções e mentiras.

E muitas pessoas encontram dificuldade para separar as coisas. Se algo diz respeito ao que gostariam de acreditar, compartilham, passam adiante.

O fenômeno das fake news sustenta-se na pouca disposição das pessoas para desconfiar de suas certezas. Quando estamos certos de uma coisa, perdemos o filtro – a habilidade de colocar em dúvida as informações que chegam até nós.

Isso funciona em tudo – inclusive nos relacionamentos. Se eu não gosto de alguém, me aproprio facilmente de qualquer informação negativa que apareça sobre aquela pessoa.

Esse princípio também vale na política.

Se eu gosto do candidato “x” ou “y”, não importam as regras de uma entrevista, não importa se os dados citados são imprecisos… Importa que quero acreditar naquilo.

Esse tipo de comportamento é bem pouco inteligente. Afinal, a inteligência é a capacidade humana – e só nós temos essa capacidade – de fazermos conexões, comparações e duvidarmos das informações para construirmos conhecimento a partir da maior quantidade possível de dados disponíveis.

Gente inteligente não se deixa levar facilmente por notícias falsas.

Não se tira dinheiro do ensino superior para atender a educação básica

Tem sido recorrente nas falas de alguns candidatos à presidência o argumento de que é preciso investir mais na educação infantil, no ensino fundamental e médio. Vários deles, inclusive o líder das pesquisas, alegam que existe uma inversão de prioridades: gasta-se mais no ensino superior e muito pouco na base.

Esse argumento tem um fundo de verdade. Porém, é só um pedaço da verdade.

Em primeiro lugar, o ensino superior custa mais caro. E em qualquer parte do mundo. O ensino superior não é apenas ensino; é ensino, pesquisa e extensão. E essas duas coisas – pesquisa e extensão – são fundamentais, mas têm custo elevado.

Há necessidade de gente organizando e cuidando de cursos e projetos de extensão… Há necessidade de gente fazendo pesquisa. E, para isso, são necessários investimentos em salários, bolsas de estudo etc.

É o tipo de trabalho silencioso, mas que assegura o avanço das ciências.

A gente não pode esquecer que as universidades não têm apenas o papel de formação para o trabalho; universidades fazem ciência, que é o que coloca uma nação na elite no mundo desenvolvido.

Não dá para fazer ensino superior de qualidade sem o tripé – ensino, pesquisa e extensão. E, lamentavelmente, quem movimenta efetivamente a pesquisa e a extensão são as universidades públicas. As particulares, com certa frequência, negligenciam esses aspectos. E quando investem em pesquisa, muitas vezes fazem isso com recursos dos programas do governo federal.

Portanto, se o governo tirar dinheiro das universidades para usar esses recursos no ensino básico, a formação superior, que já tem problemas, vai se tornar ainda mais restrita e elitista.

Infelizmente, esse tipo de argumento tem ganhado a simpatia de parcela da sociedade – que desconhece o funcionamento da estrutura educacional e de suas carências.

Essas pessoas não têm a menor ideia do quanto o Brasil pode retroceder se as universidades perderem orçamento.

E, para concluir, é necessário sim investir mais na educação básica. A educação infantil, o ensino fundamental e médio precisam de mais dinheiro. Mas a lógica não pode ser tirar de um para dar para os outros. O que a gente precisa é de mais dinheiro na base, sem que o topo perca investimentos.

Difícil fazer isso? Claro, mas tudo é uma questão de entender que a educação deve ser prioridade em qualquer sociedade que deseja se desenvolver.

Fake news: as pessoas acreditam no que querem acreditar

Nos últimos meses, várias agências de checagem de notícias foram criadas. Ainda hoje pela manhã, li sobre o lançamento de uma nova agência, ligada a um dos maiores grupos de comunicação do país. A proposta é investigar se são fatos ou fakes algumas notícias que circulam na rede.

Esse movimento me parece bastante relevante. A quantidade de notícias falsas é assustadora. Mas o que mais me preocupa é o comportamento das pessoas.

Ainda dias atrás, uma jovem que conheço, pessoa que considero, debateu comigo a respeito de uma informação que outra colega havia compartilhado. Eu argumentei, com base numa agência de checagem de informações, que a notícia era falsa. Ela rebateu questionando os interesses da agência. Em outras palavras, colocou em dúvida a agência e, de alguma forma, sustentou que a notícia, que eu entendo como falsa, era verdadeira.

Enfim… É justamente isso que me preocupa. Tenho a impressão que, quando algumas pessoas tomam um conteúdo como verdadeiro, nem mesmo a checagem de sua veracidade é suficiente para desmenti-lo. As pessoas acreditam no que querem acreditar. E aí usam como argumento qualquer coisa, inclusive ideias de conspiração.

Alguns candidatos e políticos fazem isso (Donald Trump é um “belo” exemplo). Movimentos como o MBL, idem. Quando são confrontados, quando a gente diz: “é mentira o que vocês estão dizendo”, preferem desqualificar as fontes de informação e até rebatem dizendo que a checagem é que é falsa.

Isso só reforça a certeza que o problema na qualidade da informação na rede, nos grupos de whatsapp, vai para além dos interesses envolvidos, da superficialidade ou mesmo da pressa em passar uma informação adiante; o problema está na qualidade da formação cultural das pessoas ou, em alguns casos, até mesmo na ausência de ética e caráter.

Facebook desativa páginas de fake news

O Facebook retirou do ar quase 200 páginas e 87 contas foram desativadas. Muitas delas estavam ligadas ao MBL, Movimento Brasil Livre.

Essas páginas saíram do ar porque, segundo o Facebook, tratava-se de uma rede coordenada que se ocultava com o uso de contas falsas no Facebook, e escondia das pessoas a natureza e a origem de seu conteúdo com o propósito de gerar divisão e espalhar desinformação. Ou seja, essas páginas espalhavam fake news.

Assim que li a notícia completa, comemorei. Comemorei porque as redes sociais têm servido de suporte para a divulgação de conteúdo duvidoso e muita gente tem formado opinião e até tomado decisões tendo como base mentiras espalhadas na internet.

Foi assim no Reino Unido, que culminou com a saída da União Europeia; foi assim com a eleição de Donald Trump, ele mesmo um especialista em mentiras no Twitter.

O MBL não gostou nenhum pouco da ação do Facebook. Alegou que se trata de censura. Vi várias pessoas comentando na rede e concordando com essa tese.

Não, gente, não se trata de censura.

Censura é um ato de repressão, de impedimento na divulgação de fatos concretos. Quando alguém tem uma informação e é proibida de divulgá-la, temos censura. Mentiras ou conteúdos duvidosos, se são impedidos de serem divulgados, o que temos efetivamente é prudência, cautela. Poderíamos até dizer que se trata de um ato ético, responsável.

Pense comigo: se você ouviu dizer algo ruim sobre uma pessoa, mas não tem certeza daquilo, qual é a atitude correta? Espalhar o que ouviu ou silenciar-se para não ser injusto?

Tirar do ar páginas que constantemente divulgavam notícias falsas é sim um ato de prudência, de respeito ao público, que nem sempre tem condições de checar a veracidade do conteúdo.

E, por fim, há um outro aspecto que o MBL e seus apoiadores parecem ignorar: o Facebook não é um órgão de comunicação, não é imprensa. O Facebook é um site que permite o relacionamento entre pessoas, e entre pessoas e empresas. O Facebook não produz conteúdo. O negócio do Facebook não é produção ou divulgação de notícias.

O Facebook não foi criado com o propósito de que as pessoas entrassem ali para consumir notícias. Isso a gente faz num site de notícias, ouvindo rádio, assistindo televisão… Então quando o relacionamento é prejudicado por conta do mau uso da rede, o Facebook tem todo direito de disciplinar o processo, de punir e até banir.

Ou seja, se pessoas ou alguns grupos usam esse espaço de forma questionável, inclusive por motivações políticas, a empresa pode e deve intervir a fim de assegurar que os usuários não sejam afetados negativamente e o negócio dela, da empresa, não seja prejudicado.