Hoje é um dia maravilhoso!

Ouça a versão em podcast!

Por quê? O que há de especial?

Hoje é um dia maravilhoso, porque hoje é hoje. Não é qualquer dia. É hoje. Um dia a menos de vida; um dia a mais de vida. Eu e você temos a oportunidade de vivê-lo. Nunca haverá outro dia como este. Eu e você nunca seremos amanhã o que somos/fomos hoje.

Consegue perceber a beleza desta ideia? Na verdade, não se trata apenas de uma ideia; é uma das grandes verdades. Cada dia é único. E por ser único deveríamos experimentar cada dia como uma oportunidade de viver o melhor de nós.

Nem sempre é isso que acontece. Não raras vezes, saímos da cama já com o pensamento: hoje é um dia horrível. E listamos em nossa mente as razões de o dia ser horrível.

Se lembrássemos que o dia de hoje não pode ser recuperado, que não é possível recuperá-lo lá na frente, talvez tivéssemos uma atitude diferente. Talvez olhássemos para nosso dia e, mesmo antevendo as inúmeras tarefas a desempenhar, quem sabe até compromissos pouco agradáveis, agiríamos com a consciência de que nenhum dia é descartável na existência.

Nossos dias são como bombons raros, exemplares únicos, reunidos numa só caixa. Não há na caixa da vida nenhum bombom igual ao outro. Cada dia que desejamos que acabe logo, cada dia que queremos pular, é como um bombom que jogamos fora e que nunca mais teremos a chance de saborear, porque não há na caixa nenhum outro igual.

Portanto, a cada amanhecer, seja o dia que for, olhe para seu dia como um presente da vida e procure abraçá-lo com gratidão, reconhecendo que é único, não repetível. E por isso hoje precisa ser o seu melhor dia.

Que dor você prefere suportar?

Quando vi esta pergunta pela primeira vez, meus pensamentos aceleraram. Eu falo de sofrimento com muita frequência aqui no blog. Jesus Cristo, há dois mil anos, também disse que no mundo teríamos aflições. Ou seja, sofreríamos. Mas poucas vezes tinha parado pra pensar que toda e qualquer escolha que fizermos será uma opção por viver algum tipo de dor.

Ninguém quer sofrer. E geralmente nossas escolhas são motivadas por expectativas de alegria, felicidade. A gente escolhe algo em função do que aquilo poderá nos proporcionar de bom. A gente nunca escolhe pensando nas dores que teremos que suportar. Acontece que nada que fizermos será sem dor.

Se você quiser casar, vai sofrer as dores de dividir a vida e sua rotina com alguém. Se quiser ficar solteiro, vai sofrer as dores de não ter com compromisso com outra pessoa.

Se quiser ter um filho, vai deixar de fazer passeios, vai ter menos dinheiro, vai doer quando ele estiver doente e ainda mais quando responder pra você. Mas, se não tiver, nunca saberá o que é sentir seu filho se aconchegando em seu colo.

Se escolher cursar uma faculdade, vai ter que aguentar as dores das noites sem dormir dedicadas aos estudos, nas aulas massantes, dos professores injustos… Se escolher não estudar, vai encarar as dores de ser visto como alguém acomodado, terá mais dificuldades no mercado profissional…

Para cada escolha, há inúmeras dores. E se quisermos evitá-las, nunca teremos uma vida plena; nunca concluiremos um único projeto. Nossa trajetória será marcada por desistências, fracassos e pela ausência de realizações que sejam motivos de orgulho.

Toda escolha poderá nos oferecer momentos de alegria e felicidade. Mas, para aproveitarmos as coisas boas das escolhas que fizermos, precisamos aprender a suportar as dores que farão parte do percurso de nossa caminhada.