Quais são as barreiras para a participação dos pais na escola?

Embora todos reconheçam que o maior envolvimento dos pais com a escola seja produtivo para o desenvolvimento dos alunos, ainda existem descompassos nessa relação.

Pesquisadores da Universidade Johns Hopkins, localizada em Baltimore (EUA), concluíram que as escolas geralmente não envolvem os pais por um problema relativamente simples: a percepção de que as famílias não querem se envolver. Ou seja, trata-se de uma pressuposição. Não há nada de concreto. Só uma imagem equivocada da realidade.

Karen Salinas, diretora de Comunicação do Centro de Escola, Família e Parcerias Comunitárias da universidade, afirma que os professores acreditam que as famílias não querem se envolver quando, na verdade, as famílias não sabem como fazer isso.

Os pais, às vezes, hesitam porque não têm tempo extra, sentem-se intimidados e acreditam que não são bem-vindos. Como os pais tiveram experiências bem diferentes no passado, quando eram alunos, não conseguem entender como, efetivamente, poderiam participar do cotidiano escolar.

Apesar dessas barreiras tanto as escolas quanto os pais querem que o relacionamento melhore. Afinal, os principais beneficiados são os alunos.

Então… o que fazer?

Por parte da escola, é estratégico mudar a comunicação com os pais. Deixar claro que são bem-vindos e, principalmente, explicar como podem se envolver. Os pais precisam compreender o que a escola define como envolvimento e o que significaria a presença deles na rotina escolar.

Da parte dos pais, se a escola não tomar a iniciativa, é recomendável procurar a coordenação e explicitar que desejam participar e querem saber como. Certamente, a atitude irá abrir o diálogo, e o desenvolvimento educacional das crianças será positivamente impactado.

Anúncios

Aproveite o presente, mas não ignore o amanhã

Viver de olho no futuro deixando de viver o presente é um grande erro que podemos cometer. Outro ainda maior é viver o hoje não se preparando para o amanhã.

Não é fácil encontrar o equilíbrio, claro. Mas é necessário. Afinal, investir todas as energias no futuro pode fazer com que você simplesmente deixe de viver o presente. E curtir apenas o hoje pode fazer com que você não tenha amanhã.

Como a gente faz isso? Ou seja, como encontramos o equilíbrio?

Eu diria que a gente encontra o equilíbrio descobrindo o que é prioridade para cada um de nós. E, ao fazer isso, usando bem o tempo.

Viver bem o hoje, aproveitando a vida agora, não significa desperdiçar tempo.

Por exemplo, precisamos nos divertir, nos distrair. Mas existe alguma justificativa para alguém passar uma ou duas horas diante da tela de um celular navegando pelas redes sociais?

Parece-me que isso está bem distante da ideia de se aproveitar bem a vida presente.

E o que dizer de quem assiste temporadas inteiras das séries preferidas num único fim de semana?

Repito, isso não tem nada a ver com aproveitar o hoje.

Isso é jogar tempo fora.

E jogar tempo fora é jogar aprendizado fora; é jogar dinheiro fora; é jogar o futuro fora. São horas desperdiçadas que poderiam ser investidas na preparação de algum projeto específico, no desenvolvimento de habilidades emocionais e profissionais, na aquisição de um novo conhecimento…

Sem contar o investimento que pode ser feito na saúde, com atividade física, o preparo de uma alimentação mais adequada… E até o cuidado com as pessoas que a gente ama e que, por vezes, são ignoradas ao longo de nossos dias.

Portanto, entenda uma coisa: quem vive bem de fato o presente é quem aproveita o melhor dos seus dias, administrando o tempo… Fazendo o que é obrigação, também divertindo, mas plantando sementes que permitirão uma boa colheita amanhã.

Aprender com os erros…

Precisamos aprender com os erros… Nossos e dos outros.

Eles nos ensinam.

Como fazem parte da caminhada, podemos viver lamentando nossas quedas ou criticando as falhas alheias… Ou podemos observar o que motivou os erros e desenvolver estratégias para que não aconteçam mais ou não sejam repetidos por nós.

Quase todos os dias, a gente encontra pessoas se lamentando pelas bobagens que fizeram. Sentir tristeza ou arrependimento, é normal. Mas ninguém corrige o passado.

Porém, quando erramos, a vida nos dá oportunidade de refletir sobre o aconteceu e, com isso, aperfeiçoarmos nossas práticas, tornarmos nossa vida melhor.

Eu vejo, por exemplo, muitos alunos que, ao final de um ano, ficam de exame, passam sufoco para conseguir a aprovação e, às vezes, até reprovam. No ano seguinte, tudo acontece de novo. E acontece porque as práticas que levaram ao fracasso seguem sendo as mesmas.

Mas existe um quadro ainda mais interessante. Você já deve ter conhecido alguém que apontou o erro alheio e, tempos depois, foi pego fazendo a mesma coisa. Lembrou de alguém?

Talvez você diria “eu mesmo já fiz isso”. Eu já fiz.

Por que isso ocorre com a gente? Porque nem sempre nos dispomos a aprender com o erro do outro. O erro cometido por outra pessoa também pode nos ensinar.

Temos a chance de observar o que motivou o problema, quais as consequências e até o que poderia ser feito para evitá-lo.

Uma vida com sabedoria é uma vida de aprendizagem constante. É isso que permite o nosso desenvolvimento e uma existência mais feliz.

Como desenvolver a criatividade?

A criatividade é um enorme diferencial na vida das pessoas. Quem é criativo parece ser capaz de ir mais longe, de fazer diferente, de fazer melhor.

Mas, diferente do que muita gente pensa, a criatividade não é atributo apenas de alguns privilegiados. Ou da área artística, por exemplo.

Todos nós nascemos com potencial para o desenvolvimento da criatividade.

O que faz toda diferença é a maneira como administramos a vida. E em especial, como educamos nossos filhos.

Por exemplo, fazer tudo sempre do mesmo jeito é um hábito nocivo para o desenvolvimento da criatividade.

E isso vale inclusive para coisas bobas, como, por exemplo, o trajeto que fazemos de casa à escola das crianças.

Se a gente altera a rotina de vez em quando, provoca na criança a surpresa, o questionamento: “por que viemos por aqui?”.

Isso parece bobo, mas, no cérebro da criança, esse pequeno incômodo, provoca a dúvida e a cabecinha dela se abre para uma nova percepção da realidade.

Na escola, funciona do mesmo jeito. Se a dinâmica de aula é sempre a mesma: o professor fala e a criança precisa o tempo todo absorver apenas o que é falado para, depois, na prova, devolver esse conteúdo do jeitinho que foi apresentado em sala, como vai desenvolver a criatividade?

Se, na escola, nossas perguntas só pedem uma resposta e só existe uma resposta correta, os alunos internalizam isso. Tudo mais deixa de ter valor, pois só há uma única maneira de fazer as coisas.

Por outro lado, se o ambiente é dialógico, rico em experiências, se são permitidas outras estratégias para se chegar a um resultado, a criança internaliza essa polifonia.

E o que acontece? O cérebro se abre. Assimila-se uma visão coletiva. As várias formas de entender o mundo tornam a minha visão mais rica. Ampliam-se os critérios e capacidades de dar respostas novas para problemas novos ou antigos.

Portanto, preste atenção nisso, não existem pessoas criativas e pessoas não criativas. Existem pessoas com níveis diferentes de desenvolvimento de criatividade.

Nosso desafio é proporcionar em casa e na escola um ambiente favorável para o desenvolvimento dos recursos internos que vão assegurar a capacidade de dar respostas criativas a própria vida e aos problemas enfrentados no cotidiano.

Alunos brasileiros não possuem habilidades socioemocionais

Os números do Brasil são pífios em avaliações internacionais a respeito da qualidade da educação. Passamos vergonha! Sempre.

No Pisa, que é uma avaliação que reúne 70 países, o Brasil ficou na 63ª colocação em ciências, na 59ª em leitura e na 65ª em matemática.

Esses resultados já são conhecidos há algum tempo. O que ainda não sabíamos é que, além de errar muito, parte expressiva dos alunos brasileiros sequer termina a prova. E mais, enquanto um aluno da Finlândia demora um minuto para ler e resolver uma questão, o aluno brasileiro demora três minutos.

Até nossos vizinhos na América do Sul são mais eficientes. Um aluno colombiano, por exemplo, leva dois minutos para resolver cada pergunta.

Um estudo realizado pelo Ph.D em Economia, Naercio Menezes, identificou que não apenas falta conhecimento e há falhas no aprendizado do conteúdo do aluno brasileiro.

Por aqui, a garotada também não possui as chamadas habilidades socioemocionais – por exemplo, perseverança, motivação e resiliência.

A moçadinha desiste fácil, não tem disposição para lutar, tentar, resistir diante das dificuldades.

E, neste aspecto, as famílias têm enorme responsabilidade. As escolas podem ajudar no desenvolvimento das habilidades socioemocionais. Porém, tudo começa em casa. Pais que não ensinam seus filhos a lidar com frustrações, a resolver os próprios problemas…

Pais que protegem demais, criam filhos frágeis.

O reflexo disso ocorre no processo de aprendizagem. Diante dos inúmeros desafios do ato de aprendizagem, a garotada desiste. Crianças, adolescentes e jovens querem o caminho mais fácil.

Acontece que essa moçadinha que não tem perseverança, motivação e resiliência vai ter problemas na vida adulta. Serão profissionais pequenos, mesquinhos e, por vezes, medíocres. Além disso, estarão mais sujeitos ao desemprego, a informalidade, a criminalidade e ao uso de drogas.

Podcast da Band News. 

Quem disse que estudar tem que ser legal?

estudar

A gente vive um momento muito peculiar. Tudo tem que ser legal. Divertido. Até fazer uma visita na casa de um parente, tem que ser um programa legal. Ninguém lembra que algumas coisas são feitas porque precisam ser feitas.

Estudar é uma delas.

Gente, não tem jeito do estudo ser legal. É um processo de agressão à mente. Sim, porque a gente está tentando colocar no cérebro informações novas. E esse processo é doloroso, cansativo. Não tem jeito de passar horas numa sala de aula ou lendo e relendo textos, livros, resolvendo exercícios… e fazer disso uma atividade divertida.

Quando somos pequenininhos, ainda nos primeiros anos, parte do aprendizado ocorre por meio das brincadeiras. Aí sim é leve, agradável…

Mas, depois, quando começam os conteúdos formais, mais densos – leitura, cálculos, história, geografia, ciências… Quando começam esses conteúdos, não tem como ser divertido. Nem se a gente usar joguinhos. Até porque não dá para ter joguinhos até o final do ensino médio ou durante a faculdade. O processo de aprendizagem é cansativo sim. E aborrece.

Pais e professores precisam mostrar isso para as crianças e adolescentes. A gente estuda, porque o aprendizado é necessário e porque nos torna pessoas dotadas de conhecimentos fundamentais para a vida em sociedade e para o progresso do mundo. O estudo é uma tarefa importante, como um trabalho que deve ser executado.

Se a gente não mostrar isso para nossos alunos, se eles não entenderem que o ato de estudar requer foco e esforço, muita dedicação, o sistema educacional vai continuar sem rumo e nós, brasileiros, seguiremos com os piores índices de educação no mundo.

Hierarquia de conhecimentos

Na sociedade da informação, muita gente acredita que possui saber, conhecimento sobre tudo. As redes sociais, ao possibilitarem que todos se manifestem, parecem ter criado a sensação de que todos possuem autoridade para falar/escrever sobre qualquer coisa.

Acho fantástica a democratização do processo de produção de conteúdo. Não existe mais um monopólio do ato de informar. Qualquer pessoa, em sua própria rede, tem a chance de dizer o que sente, o que pensa… Isso tem gerado uma verdadeira revolução nos sistemas de informação. Todos os canais tradicionais podem estar fechados para uma pessoa e ainda assim ela consegue se comunicar com gente conhecida e desconhecida, gente de perto e de longe.

Entretanto, a sociedade da informação parece ignorar algo fundamental: existe sim uma hierarquia de conhecimento. Muitas pessoas não aceitam isso. Ou sequer pensam sobre o assunto. Na prática, nossa sociedade tem a sensação de que informação é formação. E não é.

Ter todo conhecimento do mundo disponível a um clique não torna ninguém conhecedor. O conhecimento é resultado de um processo longo, demorado, exaustivo, que implica no esforço disciplinado de horas de estudo sobre um determinado tema ou assunto.

Por exemplo, sou jornalista de formação, professor da área há 12 anos e transito pela comunicação desde 1989. São esses anos todos de aprendizado prático, de leitura e ensino que asseguram minha formação na área. E certamente não sei muita coisa. Por vezes, reluto avaliar uma estratégia comunicacional ou mesmo a abordagem feita por uma reportagem, porque seria prepotente da minha parte dizer “isso está errado”. Afinal, o próprio fazer jornalístico está em constante mudança – sem contar que sofre influência de cada cultura.

Porém, curiosamente, vejo diariamente pessoas criticando jornalistas e empresas de comunicação dizendo: “isso não é jornalismo”. São pessoas que sentem-se autorizadas a classificar uma atividade profissional sem nunca terem vivido o dia a dia de uma empresa de comunicação, sem nunca terem lido um único manual de redação, sem sequer conhecerem um livro que trata sobre a prática jornalística.

Outro exemplo… Em meio a uma série de polêmicas envolvendo a arte, o que não faltam/faltaram são pessoas que batem/bateram na mesa e dizem/disseram “isso não é arte”. Ou, “pedofilia não é arte”. Fico pensando: será que sabem definir, juridicamente, o que é pedofilia? Que formação possuem para conceituar arte? O que essas pessoas sabem a respeito de/da arte?

No Brasil, a arte é de domínio de poucos. De uma minoria, na verdade. A maior parte das escolas públicas tem um ensino sofrível sobre arte. E isso se estende também a um percentual considerável das particulares. O país tem poucas bibliotecas, um percentual pequeno de leitores… A quantidade de museus, teatros é quase insignificante (pouca gente frequenta esses espaços; menos de um milhão de pessoas foram a um museu em 2016)… Nosso olhar para o cinema é quase todo mediado pelos interesses de mercado (gostamos mesmo é de filmes produzidos em Hollywood). Nosso entendimento a respeito de música pode ser notado claramente nos gêneros mais consumidos atualmente… Não conseguimos compreender por que pintores como Rembrant, Van Gogh, Renoir, Monet, entre outros, são considerados gênios… E o que dizer de “malucos” como Pollock?

Existe sim uma hierarquia de conhecimentos. Não sabemos sobre tudo (na verdade, mesmo quem estuda muito, ainda sabe muito pouco). E é justamente por não dominarmos todos os assuntos que deveríamos ser mais cautelosos ao falar, ao opinar. Talvez seja possível dizer “eu não gosto”, “isso me desagrada”, “me incomoda”. Afinal, o gosto – embora construído socialmente – manifesta-se individualmente. Porém, gostos individuais não podem ser regras sociais e tampouco são saberes que definem o que existe e se faz no mundo.

Os desafios nossos de cada dia

desafios

A vida traz bons e maus desafios. Os bons são aqueles que, mesmo sabendo que você vai encarar uma tremenda dificuldade pela frente, vai perder noites de sono, os resultados poderão ser satisfatórios. Os maus são conhecidos e não trazem nenhuma alegria. Mas não dá para fugir deles.

Os “maus desafios” são as grandes perdas da vida. Perder uma mãe, por exemplo, é dolorido demais e impõe desafios pela frente: entre eles o de se organizar para viver sem a pessoa que provavelmente mais te amou. Você sabe que vai ter que encarar a vida com esse enorme vazio. Ainda assim terá que lidar com isso.

Os “bons desafios” são aqueles que, embora não mostrem de imediato quais podem ser as recompensas, sinalizam que podem mudar sua vida.

Esta é uma das situações que estou vivendo. Meses atrás surgiu um convite inesperado para comandar um telejornal regional, na Band de Maringá. Embora me considere um jornalista razoavelmente experiente, nunca havia trabalhado efetivamente em televisão. Para ficar um pouco mais complicado, tratava-se de um projeto completamente novo e que eu deveria formatar do zero. Não vou negar: não foi fácil e ainda não está sendo fácil. Porém, depois de duas semanas no ar, sempre às 7h da manhã, os primeiros resultados começam a aparecer. Impossível não se sentir recompensado.

Nos meus pouco mais de 40 anos, aprendi a gostar dos desafios. Sejam eles quais forem. Quando algo se coloca diante de você, parecendo ser uma grande obstáculo, é necessário se mexer, aprender coisas novas… É simples? Nenhum pouco. É preciso assumir riscos, dedicar tempo, concentrar forças, energias. E, principalmente, se expor. Isso dá medo, é claro. E, não vou negar, muitas vezes, parece mais simples continuar fazendo o que se conhece melhor, principalmente se a novidade impõe riscos – inclusive de perder tudo que já foi construído.

Sabe, situações como essa mostram que a vida é feita de desafios diários. Ninguém tem controle de tudo. Não dá para planejar uma vida inteira. Justamente por isso precisamos lidar com os desafios – bons e ruins – com maturidade e não abrindo mão das oportunidades. O que é novo pra gente pode ensinar muita coisa e até nos proporcionar crescimento.

É claro que diante de algo novo, é preciso agir com sabedoria. É necessário controlar a ansiedade, não ter vergonha de pedir ajuda, de perguntar… Tropeços vão acontecer, haverá momentos em que o desânimo vai tomar conta e a mente será tomada pela vontade de desistir. Ao lado da gente, sempre vão existir pessoas desestimulando, criticando… Porém, nessas horas é fundamental lembrar que os vencedores são aqueles que ousam superar seus próprios limites e não desistem diante das primeiras dificuldades.