Para onde se voltam nossos olhos?

O que a gente olha é o que ocupa nossa mente. É fato que todos temos problemas. Chega ser clichê repetir isso, contudo a gente pode ver apenas as dificuldades ou pode observar além e celebrar as conquistas.

O salmista Davi numa de suas orações pediu a Deus para que não permitisse que se esquecesse de nenhuma das coisas boas que já tinha acontecido com ele.

Acho esse pensamento fantástico, pois mostra em qual direção devemos olhar. Podemos voltar nossos olhos para as feridas e nos lamentar a existência delas ou podemos olhar para elas e nos alegrar por superarmos os problemas que já nos fizeram sangrar.

Mas, mais do ter essa disposição de lembrar e nos alegrar pelas coisas positivas do passado, é fundamental focar no que importa no presente. Às vezes, nos entristecemos por uma crítica maldosa recebida e deixamos de reparar nas pessoas que gostam de nós, nos elogios recebidos, nos sorrisos conquistas. É como um atleta que, após ser aplaudido de pé por 30 mil torcedores no estádio, fica ofendido por meia dúzia que o chamou de idiota.

Entendo que frequentemente uma única coisa ruim que acontece no dia é capaz de estragar todas as outras boas coisas. Contudo, dia após dia precisamos aprender – sim, aprender, treinar a mente – a focar no que existe de positivo. Uma mente ocupada por bons pensamentos deixa-nos de bom humor, mais leves e prontos para novas conquistas, novas ideias e para fazer a diferença na vida de outras pessoas.

Anúncios

Persistência é diferente de teimosia

Tem gente que é persistente. Outras pessoas são teimosas. E por que é importante compreender isso? Porque algumas delas perdem anos e anos de suas vidas insistindo numa coisa que não dará certo. Pode ser um pequeno negócio… A pessoa se desgasta. Aposta alto, se endivida, mas não consegue prosperar. Talvez por falta de visão, de preparo ou mesmo vocação.

Pode ser o sonho de um curso universitário muito disputado… A pessoa quer muito, mas tem dificuldade para estudar, não gosta dos livros.

Costumo dizer que a realidade sempre se impõe. A realidade pode ser o limite do tempo, da capacidade para uma determinada tarefa. Pode também ser a falta de dinheiro.

Há situações em que até é possível fazer dar certo. Mas ainda assim é preciso avaliar: vale tanto esforço? É algo que quero a esse ponto?

Ter essa capacidade de questionar se a persistência não se tornou teimosia é fundamental. Sabe por quê? Porque, da vida, o que vale é nossa caminhada e não o destino. É a maneira como vivemos cada dia que determina nossos sorrisos, nossas alegrias… Ou mesmo determina nossas lágrimas e frustrações.

Atingir objetivos é importante. Todos nós precisamos ter metas, ter sonhos. Eu tenho dito que a diferença entre vitoriosos e fracassados está justamente na capacidade de pagar o preço pelos seus objetivos. Porém, a gente não pode deixar de se perguntar: qual é o preço? Estou realmente disposto? Não haveria outras formas de viver? Será que meus sonhos não estariam se tornando obsessões?

Em busca de um sonho, não podemos perder a alegria de viver. Em busca de um objetivo, não podemos abrir mão de pessoas que são queridas, que são especiais. O percurso em direção ao nosso alvo não pode se tornar um peso. E nem podemos permitir que anos e anos sejam consumidos por teimarmos em conquistar algo que talvez não seja pra ser nosso.

Sim, às vezes, pra viver, é necessário desistir. Claro, ninguém deve abrir mão de algo sem ter lutado. Mas, se não está funcionando, vale a pena buscar um conselho, ouvir pessoas experientes, experimentadas na vida. E, de forma madura, reorganizar seus projetos… Sem nunca deixar de sonhar.

Para quê viver 90 anos?

A expectativa de vida vai chegar a 90 anos para mulheres de alguns países. Acredita-se que isso vai acontecer até 2030. Países como Coreia do Sul, França e Espanha vão estar nessa situação.

Essa parece ser uma excelente notícia. Afinal, as pessoas estão vivendo mais. Incrível, né? Eu sonho viver 120 anos, então acho o máximo a informação desse estudo.

Mas, sejamos sinceros, viver tanto pra quê? Vejam só como temos vivido. Vivemos dias vazios. Vivemos para o trabalho e reféns de uma lógica que rouba o melhor de nós. Quase todo o nosso tempo é dedicado a correr atrás do dinheiro. E o dinheiro corre de nós. Quando olhamos para a vida que levamos, notamos o quanto tem sido vazia, chata, sem graça, sem sentido.

Então para quê viver 80, 90 ou 120 anos?

A vida que vale a pena é a vida que é plenamente vivida. Vida que experimentamos em sua essência. Vida com amor, com graça, leveza e pelo menos um pouco de liberdade. Vida que serve aos outros. Vida que faz rir, que faz chorar… Mas vida que se sente. Vida em que felicidade não é apenas uma expectativa de um por vir que parece nunca chegar.

O que há para comemorar no fim do ano?

natal_triste

Fim de ano… Muita gente comemorando… Muitas festas… Tudo lindo! Mas não consigo ser contagiado. Até gostaria.

Este é um dos períodos mais dolorosos do ano. As contradições ficam ainda mais evidentes. As injustiças ficam diante de nossos olhos. E eu não consigo deixar de ver, de um lado, mesas fartas, e de outro, tanta gente sem ter nada pra comer.

E a questão não é só garantir um natal farto pra todo mundo. Não muda muita coisa ter um prato de comida agora e estar com fome no dia 2 de janeiro.

Essa sociedade desigual me entristece. Vejo gente viajando para a Europa, para os Estados, viagens de milhares de dólares… Mas, antes de entrarem num avião, essas mesmas pessoas demitiram funcionários, que vão começar o ano sem saber o que fazer.

Vejo gente entrando e saindo das lojas, comprando presentes e mais presentes, e outras tantas pessoas que sequer tem um chinelo pra calçar.

Isso tudo rouba o brilho do Natal. Torna o ano novo apenas mais um ano. Sim, porque viveremos mais do mesmo.

Sinceramente, eu não consigo ir numa loja e comprar um presente pra mim.

E aí você me diz: “Ah Ronaldo, mas sempre foi assim!! Eu concordo. E digo mais: não vai mudar. As desigualdades e injustiças vão continuar.

Mas meu recado hoje é simples: as coisas vão continuar sendo injustas. Mas você e eu podemos fazer alguma coisa pelas pessoas que dependem de nós ou que estão próximas de nós. A gente pode amar mais, dividir mais. Olhar mais pra o outro. Sermos menos egoístas. Isso não muda o mundo. Mas pode mudar o mundo de quem está próximo de nós. 

O maior desafio da vida é viver

O maior desafio da vida não é outro senão viver. Vejo isso por mim mesmo e por outras pessoas próximas. E quando falo em viver, falo em algo que seja significativo de fato.

Viver cada dia atolado em preocupações não é viver. E não estou aqui dizendo que as preocupações não existem. Digo de quando deita-se e acorda-se sobrecarregado e sem ter tempo para sorrir.

Duas coisas que adoro são as reflexões sobre a arte e a filosofia. E em ambas encontro argumentos convergentes: vive-se quando voltamos o olhar para nossa alma (eu diria, para nossos corações); vive-se quando investimos tempo em apreciar o que há de belo no mundo.

E sabe de uma coisa? Isso não dá pra fazer “agendando”duas horinhas por semana. Que vida é essa que se precisa agendar um tempo para gastar consigo mesmo? 

Anos atrás escrevi sobre contemplar as estrelas. Eu estava num hotel fazenda, na época. Fazia tanto tempo que não via as estrelas que me surpreendi com o que vi no céu.

Acontece que esse tempo para apreciar as coisas boas da vida parece não existir mais. A gente até sonha estar com amigos, com a família, fazer coisas agradáveis… Mas isso tudo tem que estar na agenda. A situação é tão complicada que, não raras vezes, a ligação de um amigo querido parece nos atrapalhar.

Não vou mentir… Não foram poucas vezes que vi o celular tocar e pensei: “poxa, minha mãe tinha que ligar justo agora?”.

Olha a loucura que é isso!!! É minha mãe… Não vou tê-la pra vida toda. E ainda assim o preenchimento de um relatório é mais importante que falar com ela?

É por isso que, cada um ao seu modo, deve encontrar o seu jeito de viver. Viver de fato. Não apenas como engrenagem de uma máquina que apenas suga nossas energias e o melhor de nós. A vida é curta demais para perdermos a oportunidade de ter o melhor dela.

 

 

Às vezes, tudo que se quer é sentir-se amado

casais felizes

Acho que todo mundo se sente solitário às vezes. Na verdade, a gente vive rodeado de pessoas quase o tempo todo. Mas ter gente por perto não significa muita coisa se essa proximidade física, espacial não se traduz em interesse, envolvimento, intimidade. 

Somos seres relacionais. Porém, mais que se relacionar, queremos sentir que esses relacionamentos são afetivos. Queremos que a outra pessoa nos acolha, nos queira bem, nos ame.

Nos relacionamentos amorosos, noto que muita gente sofre porque não sente o amor do outro. Eu tenho dito que amor bom é amor prático. E esse amor prático se traduz em gestos que demonstram que o outro se importa, que está interessado em seu bem-estar.

Vejo pessoas solitárias em seus relacionamentos, porque o ato de estar junto se tornou mera formalidade, quase uma obrigação. Não há nada que empolgue, que dê prazer. A companhia do outro é apenas uma presença física, fria, quase descartável.

É triste viver assim. Viver a dois sem sentir o amor do parceiro, da parceira é vida que se arrasta, é amor que se apaga. 

A existência já nos castiga demais… O sofrimento não é apenas nosso vizinho. Vez ou outra vem morar em nossa casa. É também por isso insisto que as pessoas devem lutar por ter relacionamentos saudáveis, felizes. Ainda que existam problemas na convivência, não pode faltar amor…  Não é concebível viver a dois reclamando por migalhas de afeto.

No casamento e na vida, não pode faltar amor prático, traduzido em gestos, em palavras, em rotinas que expressem que se ama e que se é amado.

Insatisfeitos com a vida

tristeza

Viver não é fácil. A gente até sonha que possa ser simples… Mas não é. Viver é uma experiência dolorosa. Por mais que a gente não queira admitir.

Eu não sei se a gente sonha demais, se a gente leu muitos contos de fadas, romances ou se assistiu muitos filmes de Hollywood. Sei, porém, que a vida parece estar quase sempre em descompasso com aquilo que idealizamos.

O problema é que a vida não se resume a uma ou duas coisas. Trabalhamos, estudamos, nos relacionamos – com amigos, família, filhos, mulher, marido, namorado, namorada etc etc. Há um universo de coisas acontecendo o tempo todo. E basta uma coisinha não funcionar para começar a incomodar e minar as forças para tudo mais.

Isso faz com que seja difícil estarmos bem de verdade. É quase impossível tudo funcionar plenamente. Talvez até aconteça por semanas ou meses. Mas aí você bate o carro e já começa a desestabilizar.

Curiosamente, quando algo não está funcionando, outros aspectos parecem também entrar em colapso. Às vezes, nem existe um problema de fato, mas aí você fica mais sensível e começa a reparar situações que te incomodam. Pode ser a negligência do marido em elogiar as coisas que você faz, pode ser o fato da parceira não avisar quando vai sair para jantar com as amigas… Pode ser o filho que está sempre esperando que você resolva tudo pra ele… Esses pequenos detalhes ganham dimensão nunca antes imaginada e é quase impossível não olhar pra você e dizer: “mas que m* de vida!”.

Desiludido com tudo, você se olha no espelho e pensa: “o que estou fazendo aqui?”. As lágrimas não rolam no rosto, apenas correm por dentro do peito e machucam a alma. Quem entenderia seu choro? Ou seria capaz de estender a mão, te abraçar e te acalmar?

Quando essa insatisfação com a vida parece transbordar, a comida perde o gosto, o sorriso falta no rosto e o desejo é afundar no mar do esquecimento, nenhuma palavra é realmente suficiente para renovar os ânimos. Eu diria apenas que a vida é mesmo assim… Mas ainda assim vale a pena aguentar firme. Os poucos momentos em que tudo funciona, em que você ama e é amado, justificam a experiência do existir.

Atitudes que podem tirar o prazer de viver

infeliz

Embora não faltem motivos externos para atrapalhar a vida da gente, com freqüência nossas atitudes colocam tudo a perder. Ou, pelo menos, transformam-se num problema. É como se sabotássemos a nós mesmos.

Não temos controle de tudo. É impossível. Algumas coisas acontecem, alteram nossas rotinas e até nosso futuro. Pode ser uma demissão num momento delicado da vida ou até a morte de uma pessoa querida. São situações que não dependem de nossas escolhas.

Porém, mesmo não sendo possível fazer a vida seguir num cronograma perfeito, algumas atitudes podem ajudar a evitar desacertos e, principalmente, garantir o prazer de viver.

Adiar as mudanças. Ter um pouco de medo, sentir-se inseguro diante do desconhecido é natural. Porém, não dá para deixar que o medo do desconhecido nos impeça de mudar. É fundamental investirmos no autoconhecimento, descobrirmos nossas habilidades e, com base nisso, acreditar em nosso potencial e ousar mudar aquilo que precisa ser mudado.

Conformar-se com um emprego que não gosta. É fato que às vezes é necessário tolerar… Porém, existe uma diferença entre permanecer um tempo num trabalho que não te dá prazer por um tempo… E ficar anos e anos exercendo uma atividade que te consome, te entristece. Quem se obriga a trabalhar no que não gosta, produz menos do que poderia produzir e vive infeliz.

Construir falsas expectativas. Sonhar faz bem, mas tem gente que perde a noção do real. Idealiza demais e deixa de viver a vida. A pessoa passa a vida achando que Harvard é a universidade da vida dela, mas tudo que pode fazer é um curso técnico do Senac. Precisamos aprender a lidar com nossas realidades e construir a vida a partir delas.

Tentar agradar a todos. Pois é… não dá. Quem vive a vida para agradar os outros, não vive. Nem faz o outros felizes e nem é feliz. Não estou sugerindo que atropele os sentimentos das pessoas, mas é necessário entender que nunca seremos capazes de agradar todo mundo.

Viver lamentando o que não fez. O princípio é básico, simples: o que passou, passou. Coisas boas e coisas ruins. Oportunidades aproveitadas e oportunidades desperdiçadas. E quem vive lamentando o que deixou de fazer, vive apegado às perdas, abre mão do presente e deixa de construir o futuro.

Permanecer com alguém que não te valoriza. Acho que não tem nada que judie mais do coração que um relacionamento infeliz. Amar é bonito, mas quando se é correspondido. Do contrário, não vale a pena entregar o coração a quem não merece. Nesses casos, o melhor é tratar do romance e, se não tiver solução, romper e seguir adiante. Não se trata de ser egoísta, mas de ter com quem contar, com quem lutar, com quem sonhar. Se a pessoa que está contigo só serve para te arruinar, vale a pena tentar recomeçar.