Gratidão é mais que dizer “obrigado”

Vivemos numa época em que existe a crença que todo o sucesso ou fracasso é responsabilidade de cada pessoa. Se você nunca entrou numa faculdade, a culpa é sua. Se nunca foi promovido, é porque não fez por merecer. Isso faz parte do que chamamos de meritocracia. E, numa sociedade meritocrática, quase sempre acreditamos que tudo que temos, tudo que somos é resultado de nosso esforço. Por conta disso, um sentimento nobre e fundamental é esquecido: a gratidão.

Esquecemos de agradecer as palavras de incentivo, as portas abertas por amigos, parentes e até pessoas com as quais temos pouco envolvimento. Gente, porém, que em várias ocasiões tornou nossa vida mais fácil. Quem nunca recebeu apoio para conseguir um emprego? E quantas vezes foi desse emprego que começamos uma trajetória de sucesso? Quem foi que nos deu a primeira oportunidade? E aquela dica, que parecia boba, mas que mudou a forma de administrarmos a carreira, nosso relacionamento ou organizarmos nosso estudo?

Pois é… A vida não é resultado único de nosso esforço; muitas pessoas nos auxiliam diariamente na construção de nossas conquistas. Lembrar sempre de agradecer quem nos ajuda (ou ajudou) é fundamental. Que a gratidão seja sempre um sentimento alimentado em nosso coração e palavras de gratidão estejam sempre em nossos lábios.

Na segunda, uma música

Ele tem mais de 30 anos de carreira. Sua banda comemora três décadas neste ano.  No dia 20 de setembro, será uma das atrações do Palco Mundo do Rock in Rio.  Estou falando de Jon Bon Jovi. Com mais de 130 milhões de álbuns vendidos em todo mundo, Bon Jovi foi eleito recentemente a segunda banda mais cara do planeta, ficando atrás apenas dos irlandeses do U2.

Mais que uma carreira respeitável, o cantor e músico tem músicas que fizeram história. E não apenas rock. Na verdade, essa é uma das características de Bon Jovi – a diversidade de gêneros, inclusive dentro do próprio rock.

Para esta segunda-feira, a música escolhida fala de amor, um dos temas recorrentes neste blog. “Thank You For Loving Me” é uma canção para agradecer o amor. Agradecer por ser amado por alguém.

Obrigado por me amar
Por ser meus olhos
Quando eu não podia ver
Por abrir meus lábios
Quando eu não podia respirar

Sabe, uma das coisas mais belas num relacionamento é a capacidade de ser grato, em especial por fazer parte da vida de alguém. Pelo outro dedicar sentimentos tão puros e transformadores.

Eu nunca soube que tinha um sonho
Até o sonho ser você
Quando olho dentro de seus olhos
O céu fica num azul diferente
Eu juro
Eu não visto disfarces
Se eu tentasse, você faria de conta

Amor bom é amor prático. É amor de graça, sem interesses. Como não ser grato? Como deixar de dizer: obrigado? A pessoa está ali ao seu lado, te ama com seus defeitos, suas virtudes… Te admira, te quer bem. Como não dizer “obrigado por me amar”?

Você me ergue quando eu caio
Você marca presença antes de eu ser posto de lado
Se eu estivesse me afogando você abriria o mar
E arriscaria sua própria vida para me resgatar

Lindo, não? E mais que a beleza da letra, é a realidade do que ela representa. Ter essa certeza, no romance, traz tranquilidade, paz, segurança, felicidade. Então… vamos ouvir?

Um coração agradecido

Tem uma palavrinha que gosto muito, mas que a gente usa pouco, “gratidão”. O dicionário diz que gratidão é a qualidade de quem é grato. Também aponta que gratidão é ser agradecido, é reconhecer as coisas boas.

Acho que todo mundo sabe bem o que é gratidão. Pelo menos, quando faz um favor e o outro sequer é capaz de dizer obrigado. Rapidinho a gente lembra do que é ser grato e fica pensando:

– Putz, esse sujeito sequer foi capaz de reconhecer o que fiz pra ele.

Afinal, quem faz um favor pode até fazê-lo de graça. Porém, espera pelo menos ouvir o outro lhe dizer algumas palavras de agradecimento.

Entretanto, mais que um comportamento em relação ao outro, gratidão é uma atitude diante da vida. E é dessa gratidão que quero falar. Porque, se dizer “obrigado” de forma sincera anda em desuso, agradecer as coisas boas que a vida oferece é algo ainda mais raro.

Você já notou que ninguém é grato por nada ultimamente? E, sabe, este aqui não é um papo de religião não. Não é pra ficar dizendo:

– Ah… já agradeceu a Deus hoje?

Não é nada disso.

Estou falando da nossa atitude diante da vida. A gente se dá ao trabalho de listar, recordar as coisas ruins e silencia o que acontece de bom.

Quando a gente se reúne com amigos, qual é a pauta da conversa? Quase sempre falar do trabalho, falar da família, falar dos outros… E, invariavelmente, reclamamos de colegas da empresa, dos parceiros de estudo da faculdade, comentamos a respeito de doenças, lembramos do casinho do chefe com a secretária… Não nos faltam fofocas ou assuntos deprimentes.

E quando é pra falar de coisas boas, o tom não é de gratidão; quase sempre é pra dizer:

– Eu sou o máximo. Me notem, me aplaudam.

E você já notou o que ocorre quando a gente lembra ou fala de fatos negativos, principalmente daqueles que nos magoaram? A gente recorda, revive… fere-se de novo. Sofre de novo.

Será que isso faz bem?

Claro que não. A própria Ciência prova que não. E a mesma Ciência aponta que ter um coração agradecido gera coisas boas. A gratidão gera sentimentos positivos, produz sensação de bem-estar. A gratidão alivia os nossos fardos emocionais, reduz o estresse.

Sei que não é fácil. É mais simples reclamar que agradecer. É mais fácil ver o que há de negativo do que a existência de aspectos positivos. Num acidente, por exemplo, é comum se chatear por que o carro ficou completamente destruído que comemorar o fato de sua mulher, que estava dirigindo, ter escapado ilesa. Quando o vaso cai no chão, é mais fácil lamentar o prejuízo que agradecer porque ninguém se cortou.

Penso que deveríamos gastar mais tempo pensando nas coisas boas que acontecem. A gente superdimensiona o que há de negativo e minimiza o positivo. A gente faz isso como se a vida tivesse de nos oferecer apenas coisas boas.

Embora não tenha a intenção de propor aqui um papo de auto-ajuda, entendo que vez ou outra deveríamos fazer uma listinha. Sim, listar o que de bom tem acontecido com a gente – inclusive, naquelas situações que parecem ser muito ruins pra nós (o sofrimento sempre produz crescimento, lembra?). Creio que tentar ver a vida sob uma outra perspectiva nos faria bem demais e encontraríamos mais prazer em viver. Seríamos mais felizes – além de ganharmos, de presente, mais saúde.