O que escondemos?

Vi algumas imagens curiosas do Palácio Jaburu. A residência de Michel Temer ganhou uma espécie de corredor verde para esconder os visitantes. O corredor encobriu boa parte da visão de fotógrafos e cinegrafistas que fazem plantão em frente à residência oficial. Ao que parece, a presidência não quer que as pessoas saibam quem circula pelo palácio e resolveu apostar numa forma, digamos, elegante de impedir que olhos curiosos espiem o que está acontecendo por ali.

Tem um ditado antigo que parece bastante verdadeiro: “quem não deve, não teme”. Por que a presidência precisa criar uma estratégia para que seus visitantes não sejam vistos? Talvez alguma coisa ali não pode ser vista, né?

Mas… E nós? O que queremos esconder? Ou, o que escondemos?

Eu não quero falar aqui de política. Quero falar de nós. Eu sei que muita gente costuma dizer: “ah… todo mundo esconde alguma coisa”. Essa afirmação não está completamente errada. Muitas vezes, fazemos coisas que não queremos que outras pessoas saibam. Temos comportamentos que não nos orgulham. E também construímos nossos “corredores verdes” para impedir que as pessoas vejam o que realmente somos ou fazemos.

Às vezes, nossa fachada bonita encanta, chama a atenção. A fachada é linda, perfeita. Porém, do outro lado, acontecem coisas que pouca gente pode saber.

Viver com transparência, revelando-se por inteiro é uma virtude de poucos. Queremos ocultar nossas falhas. E não deixa de ser normal que isso aconteça, pois desejamos ser aceitos, admirados, respeitados.

O problema é que quem se esconde atrás de uma fachada não vive por inteiro e nem consegue se esconder o tempo todo. A mentira que vivemos nos trai. Quando isso acontece, somos envergonhados e a reconstrução é muito mais difícil. É dolorosa, às vezes, demorada.

Por isso, ainda que pareça mais simples construir “corredores verdes” para esconder nossos atos, a escolha mais sábia é viver de forma verdadeira, transparente. Viver não tendo do que se envergonhar. Viver assim pode até não ter todo glamour que se deseja, mas certamente assegura a paz que tanto precisamos.

Em quem você confia?

O ser humano nunca foi plenamente confiável

Este talvez seja um dos nossos grandes dilemas. Em quem confiar? Pai? Mãe? Esposa? Amigo? O chefe?

Quem é digno de nossa confiança? Quem é capaz de guardar um segredo? Entre as pessoas próximas, existe alguém que não fala mal de você quando você não está por perto?

O ser humano nunca foi plenamente confiável. Tem natureza má. Dos animais, provavelmente seja o mais perigoso. É capaz de sorrir, apertar sua mão, abraçar – dividir a mesma casa com você – e ainda assim, quando vira as costas, diz inverdades, cria factóides, faz comentários maliciosos. Prefere dizer ao outro a confrontar diretamente, recomendar, orientar… quem sabe, corrigir.

Por inocência, imprudência ou sei lá o quê, por vezes, as pessoas deixam suas vidas nas mãos de outros. Confessam segredos, dividem fofocas e, no dia seguinte, frustram-se ao descobrir que o melhor amigo traiu sua confiança.

As relações humanas são mesmo confusas; complexas, diria. E, como tenho dito, não somos ilhas; precisamos do outro. No trabalho, dividimos tarefas. O sucesso se garante por um trabalho de equipe. Na faculdade, não é diferente. Na família, também. Carecemos de afeto e os amigos são fundamentais.

Porém, falar dos outros, contar as falhas alheias nos dá prazer. Por isso, é cada vez mais raro encontrar alguém digno de confiança. Entre os nossos são poucos os que ainda são capazes de silenciar, evitar falar de pessoas e apenas discutir ideias.

Não deveria ser assim. No entanto, entre os humanos são raros os que se apóiam, se protegem, que amam de verdade. De alguma maneira, mesmo vítimas do falatório alheio, não aprendemos e optamos por seguir a multidão – mesmo quando justificamos que “não fofocamos, apenas retratamos a verdade”.

A pergunta que não consigo responder diante desse nosso hábito é muito objetiva: a quem interessa?

Enquanto não encontramos explicações, seguimos vivendo… e sem segurança, pois onde está aquele em quem se pode confiar?

Kristen e Robert: nosso prazer com o pecado alheio

Não sei se faz uma semana, menos ou um pouco mais (desculpe-me, me recuso a pesquisar sobre isso), mas há alguns dias esbarro em notícias envolvendo a atriz Kristen Stewart, um diretor de cinema e o agora ex-namorado dela, Robert Pattinson. Sinceramente, não acompanho a carreira da moça, não conheço o diretor e só vi a careta do tal Robert em chamadas dos filmes da saga Crepúsculo.

O motivo de tantas notícias é a traição da atriz com o diretor de cinema, que era casado. Claro, soma-se a isso o fato de serem famosos e, o casalzinho, adorado pelos fãs – que não admitem que Kristen tenha corneado o vampiro mais lindinho do cinema (socorro, né?).

Perdoem-me os fãs, porém não vou falar da mocinha maldosa e nem do coitadinho do Robert. Vou discutir aqui sobre a gente. Claro, sobre o público, sua reação e essa estúpida curiosidade a respeito da vida alheia.

Tudo bem, traição não é legal. Em situação alguma. Não faz bem. Magoa. No entanto, é algo da esfera privada. É vida privada. Quem está de fora, não tem que meter o bicão. É assunto pro casal; e, de vez em quando, pra família – se for convidada a tratar do problema.

As pessoas dizem:

– Ah, mas se não gostava mais, por que não separou?

Seria lindo se tudo fosse assim, simples. Respondam-me então:

– Por que pesquisas revelam que mais de 60% dos homens casados, entre 35 e 49 anos, admitem que já traíram em algum momento da vida?

Detalhe, quase 80% deles acreditam em casamento.

Outra pergunta:

– Por que estudos mostram que 47% das mulheres reconhecem que já tiveram casos extraconjugais?

Bom, esses são alguns dados. Existem outros. E números são sempre passíveis de questionamento. Entretanto, as estatísticas apontam numa mesma direção: a sociedade é hipócrita. Critica o que, silenciosamente, também faz.

A traição não é desejada. E, em qualquer relacionamento, deve ser evitada. Um casal deve esforçar-se para ter uma relação madura a ponto de resistir às tentações. Caso note que o romance se esgotou, necessita ter disposição para deixar o parceiro antes de ir pra cama com outra pessoa. No entanto, por coisas que parece não se ter controle, nem sempre isso é possível.

Isso sugere que cuidar da nossa vidinha deveria ser nosso foco. Eu, sinceramente, acho pequeno demais esse nosso jeito de ser: nos deliciamos com os deslizes alheios. Há um prazer mórbido em ver a desgraça dos outros, o erro dos outros. Nunca vejo ganho nisso, mas existe satisfação. Sente-se uma espécie de alegria em ver que os outros pecam. É estranho… Contraditório. Mas talvez seja uma forma de minimizar nossos próprios pecados.

Quem é o outro pra mim?

O que eu espero dele?
O que busco nele?
Que função tem na minha vida?
Afinal, pra quê serve?

Talvez essa discussão seja um pouco negativa. Quem sabe, pessimista pelos questionamentos dos valores humanos. Entretanto, egoístas que somos, o outro quase sempre é objeto de nosso desejo se ocupa algum papel. Papel que nós projetamos e que o outro desempenha.

No post anterior, propus refletirmos sobre por que o outro é quem precisa mudar. Nunca reconhecemos que também carecemos de mudanças. E isto acontece porque nem sempre somos capazes de reconhecer que o mundo não gira em torno de nós.

O outro existe. O outro tem sentimentos. O outro é como nós. É um de nós.

Portanto, por que vejo no outro alguém que deva servir aos meus interesses?

É verdade que num planeta que superou os 7 bilhões de habitantes, posso me sentir no direito de me relacionar com pessoas com as quais simpatizo, com as quais tenho afinidades e os mesmos ideais.

Porém, não é assim que funciona. Quase sempre, nossas escolhas não se dão apenas por conta de simpatia, afinidades ou projetos. Escolhemos nos relacionar com aqueles que se prestam a atender as nossas necessidades.

Ao longo dos anos, aprendi no convívio com uma dessas pessoas raras, únicas, que as relações não devem se basear na utilidade. Não devo tratar bem apenas porque a pessoa me é útil.

Lembro de diálogos do tipo:
– Por que ele você trata bem? Não seria por que precisa ou vai precisar de um favor?

Ou ainda:
– Você notou que só dá atenção para as pessoas quando elas são importantes?

A gente faz isso. E com muita frequência. Usamos nossas habilidades para nos fazer queridos pelos que podem nos ajudar hoje ou amanhã. Ou quando queremos conquistar alguém. Depois da conquista, revelamos todas nossas contradições, mal humor, desapego… nosso egoísmo.

Sabe, tenho uma certa birra do tal de networking. A rede de contatos profissionais, por vezes, é baseada em relações falsas, hipócritas. O sujeito busca tornar-se próximo de pessoas tão somente pelas possibilidades profissionais que podem ser abertas a partir desses contatos. É algo necessário? Sim, mas, convenhamos, é a institucionalização da falsidade. Muita gente faz caras e bocas pra pessoas com as quais sequer trocaria uma única palavra não fossem as posições que ocupam. Trata-se de um jogo de interesses em que não há inocentes. Porém, não deixa de ser um “toma-lá-dá-cá”.

Não creio que deixaremos de ser assim. Faz parte da natureza da sociedade contemporânea. As relações são baseadas em interesses. No profissional e no afetivo. Porém, é uma pena que sejamos tão mesquinhos. Afinal, a grandeza do homem está justamente na capacidade de reconhecer no outro qualidades, virtudes e contradições também presentes em si mesmo.