O que valorizar na formação do jornalista?

Embora possa parecer um assunto mais restrito, creio ser fundamental pensar a formação do jornalista. A gente vive um momento em que se deseja muito o saber técnico – o como fazer. Valoriza-se pouco o chamado conhecimento teórico.

Quem vai fazer jornalista quer aparecer diante da câmera, saber como falar… Quer aprender relatar os fatos. Porém, esquece que isso qualquer pessoa hoje pode fazer.

É sobre isso que falo neste meu novo vídeo. Afinal, pra que serve jornalista que só narra os fatos?

Jornalista pode torcer para a Seleção Brasileira?

A pergunta não é minha. É do jornalista Renan Justi. O texto dele está no Comunique-se.

Trago a discussão para meu blog não com o objetivo de falar da posição do jornalista brasileiro diante da seleção. Quero pensar além da seleção; além do futebol.

Jornalista é uma pessoa como outra qualquer. Não adianta imaginá-lo distante dos fatos. Ele se envolve. Sente.

Por isso, pedir que um jornalista não seja um torcedor é ignorar que todos temos emoções. Vale o mesmo diante de um acontecimento político, por exemplo. Ou uma catástrofe natural.

O que diferencia – ou pelo menos deveria diferenciar – um profissional da comunicação do público em geral é sua capacidade de manter um olhar distanciado a ponto de ver acertos e erros. Mais que isso, um jornalista precisa perceber qual o seu envolvimento com o fato e até que ponto suas emoções podem ou não impedi-lo de fazer uma abordagem responsável.

No caso da seleção, o profissional pode ser torcedor, mas não deve permitir que os acertos da equipe em campo o impeçam de ver a sujeira dos bastidores do futebol; na política, pode ser eleitor do José Serra, mas não deve deixar de notar os avanços obtidos com o governo Dilma/Lula. O inverso também é verdadeiro.

Entretanto, o jornalista só dá conta disso quando reconhece sua importância social. Não é seu papel aplaudir. Ele é o mediador entre o fato e o público. Se permitir que suas emoções interferirem na sua capacidade de apresentar a notícia ao público, necessita repensar se está no lugar certo, fazendo a coisa certa.

Jornalista é espancada…

A bela aí do lado foi espancada quase até a morte. Trata-se da jornalista americana Anne Pressly, 26 anos. Ela é âncora de um telejornal da KATV, na cidade de Little Rock, Arkansas.

A polícia não sabe se o espancamento está relacionado ao trabalho dela ou se teria sido resultado de uma violência após um assalto, já que a bolsa da jornalista foi levada pelos criminosos.

PS- Anne está internada e corre risco de morte.

Atualizado (segunda-feira, 27/10): A jornalista morreu nesse fim de semana em virtude do espancamento sofrido.

Foto: Associated Press