Você sabe como falar com Deus?

Sabe como começar uma conversa com Deus? Eu confesso a você que muitas das minhas orações são meras repetições. E isso acontece porque, algumas vezes, estou com a cabeça noutro lugar. Estou desconectado de Deus naquele momento. Mas tem momentos que estou muito irritado, muito aborrecido… E também nessas ocasiões, fico um tanto perdido diante de Deus. 

Mas tenho aprendido algo precioso! Com o livro dos Salmos, tenho descoberto a ser honesto, completamente honesto em minha oração. Não significa ser desrespeitoso com Deus. Afinal, estamos falando com o Rei do Universo. Significa não ser hipócrita.

Por exemplo, você tá muito chateado, muito chateada com seu dia. Aí você vai falar com Deus e diz: “Senhor, obrigado pela alegria deste dia, por todas as bênçãos que me deste”. Tudo bem… Talvez você esteja realmente agradecido. Porém, eu admito que muitas vezes não estou nenhum pouco agradecido. E, nessas ocasiões, tenho tido a ousadia de dizer como me sinto. Inclusive tenho tido a ousadia de reclamar com Deus. 

E por que tenho tido esse tipo de atrevimento? Porque Davi tem me ensinado a ser sincero com Deus. Veja o Salmo 7, verso 6: “Levanta-te, Senhor, na tua ira; ergue-te contra o furor dos meus adversários. Desperta-te, meu Deus! Ordena a justiça!”

Eu não sei se você notou, mas Davi diz: “Desperta-te, meu Deus”. Gente, quem precisa despertar? Quem está dormindo, né? 

Noutras palavras, Davi está dizendo: Deus, acorda aí! A coisa tá feia pro meu lado e o Senhor ainda não fez nada por mim. 

Querido amigo, querida amiga, que possamos temer a Deus, mas tê-lo como um amigo. Ele conhece o nosso coração. Portanto, ao falarmos com Ele, sejamos totalmente sinceros!Um grande abraço!

Você ora pela manhã?

No Salmo 5:3, lemos: “De manhã ouves, Senhor, o meu clamor; de manhã te apresento a minha oração e aguardo com esperança”. 

Gente, eu não acredito que Deus tem um horário preferido para nos ouvir. Eu acredito que Deus nos ouve sempre e em todo o tempo. Mas também acredito que, quando Davi fala que apresenta a oração dele pela manhã, penso que aqui está uma sugestão preciosa: a gente deve começar o dia com Deus. Nossas primeiras palavras devem ser ao Senhor.

Quando a gente acorda e já apresenta tudo ao Senhor, de alguma maneira, estamos reafirmando nossa dependência dEle. Deus não é colocado num cantinho de nossa vida. Deus não fica como alguém que está esperando pelo nosso tempo. Deus é prioridade. Prioridade na agenda, prioridade de pensamento, prioridade de comunhão. 

Portanto, fica aqui o convite para nós: comecemos o dia com Deus. Apresentemos a Deus a nossa oração logo pela manhã. E, ao fazermos isso, façamos também como Davi: seguimos adiante, seguimos para a luta diária, mas esperançosos que em algum momento Deus irá nos responder. 

Pra quem você conta os seus problemas?

Pra quem você conta os seus problemas? Com quem você compartilha os seus dramas?

É importante saber com quem a gente fala, pra quem contamos as dores de nossa alma. Em primeiro lugar, porque são poucas as pessoas que, de fato, são nossas amigas. A gente pode até conviver com muita gente, se divertir com muita gente, sair com pessoas diferentes…

Gente amiga de verdade, dá para contar numa única mão.

Mesmo os nossos amigos, mesmo eles podem não ter as palavras certas e tampouco a escuta necessária para nos ouvir falar sobre as nossas dores. Além disso, tem coisas que estão nos machucando e, talvez, ao contarmos pra um amigo, esse amigo também tem amigos e o que era só nosso pode ser dividido com outras pessoas. E nem sempre queremos que isso aconteça. 

Então qual a palavra que os salmos trazem ao nosso coração hoje? Veja só o que Davi diz em Salmos 5:1-2: “Escuta, Senhor, as minhas palavras, considera o meu gemer. Atenta para o meu grito de socorro, meu Rei e meu Deus, pois é a ti que imploro”.

As palavras de dor, os acontecimentos que estão machucando nosso coração, os nossos gemidos… O nosso pedido de socorro… Tudo que nos atormenta ou incomoda, tudo devemos levar a Deus.

Davi diz: o Senhor é meu Rei, é meu Deus. É a ti que imploro.

Por que Davi faz isso? Primeiro, porque Davi reconhece que, se existe alguma saída, quem pode socorrer e oferecer a saída é Deus.

Davi também sabe que não adianta ficar falando dos problemas com as pessoas. Quando você fica levando seus gemidos para os outros, você se torna só um coitadinho, é visto como um derrotado. A pessoa pode até questionar a sua fé… Te levar a duvidar de Deus.

Quando sofremos, estamos frágeis. E apenas o olhar do outro, aquele olhar de dó, acaba fazendo a gente se sentir pior. Já Deus não nos olha dessa forma: podemos chorar, lamentar, gemer… E, mesmo quando Deus está em silêncio, Ele nos olha como vencedores. 

Guarde essa palavra! E tenha Deus como seu melhor amigo. 

Na segunda, uma música

Exercitar a fé faz bem. Alguns entendem como fuga, uma válvula de escape – hábito dos fracos. Seja como for, a busca pelo divino acalma, traz esperança. E a maneira mais singela de se buscar o transcendente é por meio de uma prece – reza ou oração.

A música que escolhi para o blog nesta segunda-feira, pelo menos para mim, é uma das mais belas preces cantadas. “The prayer” pede por luz, pede por paz, pede por uma vida melhor.

Sonhamos com um mundo sem tanta violência
Um mundo de justiça e esperança
Um dia cada um dando a mão ao seu próximo
Símbolo de paz e fraternidade

A confiança no divino é total. A entrega é completa, sem reservas.

Você será nossos olhos
E nos observará onde nós formos
E nos ajudará a ser sábios

A prece reclama um mundo em que cada pessoa encontre o amor. E que, quando nossos dias estiverem negros, difíceis, sejamos protegidos, salvos.

Quando sombras encherem nosso dia
Conduza-nos para o lugar
Guie-nos com sua graça
Nos de fé e então seremos salvos

A versão de “The prayer” que você vai ouvir é interpretada por Charice e The Canadian Tenors. Charice é um jovem talento da música americana. Consegue ir do agudo ao grave com facilidade incrível. E consegue emocionar com suas interpretações. Já o quarteto de tenores, que nasceu trio, mistura clássicos e pop.

Então, vale a pena ouvir, curtir e meditar.

A Banda Mais Bonita da Cidade e a lógica perversa do sucesso

Semanas atrás, uma banda até então desconhecida bombou na web. A Banda Mais Bonita da Cidade, sem nenhuma pretensão, emplacou um sucesso no Youtube. “Oração” já foi vista por quase 5 milhões de pessoas. E isso em três semanas. É muita coisa.

Leio agora que a banda está em São Paulo. Fez nessa terça-feira, 7, seu primeiro show. O objetivo é tentar evitar o rótulo de artista/grupo de uma música só. O momento é oportuno. As redes sociais colocaram a banda em evidência. Se tiverem talento, poderão transcender os 15 minutos de fama. É o que todo mundo quer.

Outros tantos artistas já rodaram (e rodam) o país por conta de uma única música. Vemos isso com frequência. Gente com boa voz, espaço na mídia, mas que não conseguiu emplacar um segundo sucesso e acabou sepultado pelo ritmo frenético da chamada indústria cultural que impõe a novidade como regra e o repetível como parâmetro de acensão e queda para todos aqueles que não conseguem se renovar. É ingrato, mas é assim que funciona.

Houve um tempo em que nos apegávamos aos artistas. Hoje eles são idolatrados. Talvez mais que antes. Porém, ninguém tolera por muito tempo quem não consegue surpreender sempre. Amamos os poderosos; desprezamos os fracassados. Uma tentativa desastrada após um grande sucesso pode ser suficiente para cair no ostracismo. Até porque uma nova carinha estará aparecendo nas telas da tv catapultada pela música que toca nas rádios. E isto é o suficiente para surgir um “novo amor”.

Uma oração ousada…

Não tenho o hábito de reproduzir orações e mensagens que circulam pela internet. Tem muita coisa mentirosa, textos atribuídos a determinados autores, mas que, na verdade, não foram escritos por essas pessoas… Enfim, na tentativa de evitar que o blog colabore para a divulgação de assuntos de origem e qualidade questionáveis, faço a opção por não publicar muita coisa.

Entretanto, hoje recebi de um amigo um bom texto. Independente de ter ou não ocorrido, a oração reflete uma verdade que tentamos ocultar. Então, certamente vale a reflexão.


Quando pediram para o ministro Joe Wright abrir a nova sessão da Câmara dos Representantes de Kansas (Senado), todos estavam esperando o tradicional discurso de bajulação, mas isso foi o que eles ouviram:

“Pai celeste, nós estamos diante de Ti hoje para pedir Seu perdão e para buscar Sua direção e orientação.

– Temos ridicularizado a absoluta verdade de Sua Palavra, chamando isso de pluralismo moral.

– Temos adorado a outros deuses chamando isso de multiculturalismo.

– Temos apoiado a perversão chamando isso de “vida alternativa”!

– Nós sabemos que Sua palavra diz, “Cuidado com aqueles que chamam o mal de bem,” mas isto é exatamente o que temos feito.

– Nós perdemos nosso equilíbrio espiritual, pois revertemos nossos valores.

– Nós exploramos os pobres e chamamos isso de loteria.

– Temos negligenciado aos necessitados e chamamos isso de auto-preservação.

– Nós recompensamos preguiça e chamamos isso de bem-estar.

– Nós cometemos aborto e chamamos isso de escolha própria.

– Nós matamos os que são a favor do aborto e chamamos de justificável.

– Nós negligenciamos a disciplina de nossos filhos e chamamos isso de busca de autoestima.

– Nós abusamos do poder e chamamos isso de política.

– Nós cobiçamos as coisas de nossos vizinhos e chamamos isso de aspiração.

– Nós poluímos o ar com coisas irreverente, profanas e com pornografia e chamamos isso de liberdade de expressão.

– Nós ridicularizamos os valores dos nossos antepassados e chamamos isso de iluminismo.

– Sonda-nos, oh, Deus, e conhece os nossos corações hoje; nos limpa de todo pecado e nos liberte.

– Senhor, Guie e abençoe a estes homens e mulheres que foram escolhidos pelo povo de Kansas, para nos governar.

Direcione seus corações para que estejam no centro de Sua vontade; abra suas mentes para que Seu Filho, Jesus Cristo, entre; para que eles tenham a vida eterna do Salvador, Jesus Cristo. Amém!”

A resposta foi imediata. Um número de legisladores saiu durante a oração em forma de protesto.

Em seis semanas, a igreja onde o religioso atua, recebeu mais que 6.500 telefonemas e somente 47 foram de críticas. A igreja agora está recebendo pedidos internacionais de cópias desta oração.

Por causa da polemica, pois os senadores ficaram irritados, com aquilo que chamaram de intolerância religiosa (Esta palavra está na moda), o Rev. Wright disse alguns dias depois: “Não foi minha intenção ofender a ninguém, mas não posso pedir desculpas para a verdade”.

Se você não lutar por algo, você será enganado em tudo.