Toque o coração de alguém com um gesto gentil

Eu quero te fazer um desafio: toque o coração de alguém com um gesto gentil.

Estamos vivendo tempos difíceis. Para a nossa geração, talvez nunca houve um período tão sombrio.

As perdas se acumulam. Perdemos a rotina, perdemos renda, trabalho… Perdemos muitos de nossos planos. Se houve um tempo em que não é possível ter nenhum vislumbre sobre como será o amanhã, o tempo é este.

Também perdemos pessoas. Pessoas que amamos, pessoas que deixaram um grande vazio.

Perdemos sorrisos, perdemos a saúde emocional.

Entretanto, há três coisas que não podemos perder: a gentileza, a compaixão e a esperança.

Por isso, num gesto de gentileza, independente de como está seu coração hoje, você tem a chance de demonstrar compaixão e regar a sementinha da esperança no coração de alguém.

Escolha uma pessoa próxima e faça um carinho nesta pessoa. Como você pode fazer isso? Eu te dou uma sugestão: faça um bolo gostoso e dê para esta pessoa. Pode ser outra coisa, Ronaldo? Pode. Mas faça algo que dê um pouco de sabor e permita que a pessoa experimente um momento diferente, agradável – sozinha ou com a família dela – neste fim de semana.

Neste tempo de pandemia, estamos machucados, feridos e gestos gentis têm um efeito imenso sobre nossos corações. São como bálsamo para alma. tenho certeza que você colocará um sorriso no rosto de alguém e poderá renovar os ânimos de uma alma aflita.

Não esqueça, amor bom é amor prático.

As vitórias e também os fracassos começam em nossa mente

O que isso significa?

Simples, os nossos pensamentos condicionam nossas atitudes diante da vida. Se damos um passo achando que vamos cair, é bem provável que terminemos com a cara no chão.

Se damos um passo crendo na vitória, o fracasso até pode acontecer, mas nossa atitude será de vencedores e, certamente, a queda será momentânea, porque logo estaremos novamente de pé.

Eu tenho dito que ninguém está bem o tempo todo. Nossas emoções nos traem e, por vezes, nos sentimos péssimos.

Porém, tenho aprendido que necessitamos ser objetivos: quando começamos a afundar, devemos agir para não afundarmos emocionalmente.

Se deixarmos as emoções tomarem conta, nossa crença será de que não somos bons o suficiente e que a vida nunca dá certo para nós.

Por isso, é preciso dizer para dentro de si e fazer como o salmista: conversar com sua alma – ou, conversar consigo mesmo, dizendo: ei, você é um vencedor pela graça de Deus. Expulse seus pensamentos derrotistas, peça ajuda do Senhor e confie.

Manter uma atitude positiva não é garantia de vitória, mas pode ter certeza que atitudes pessimistas são garantia de derrota.

Portanto, cuide dos seus pensamentos. Podemos não vencer todas as batalhas, mas as vitórias começam com uma atitude confiante, de fé!

Faz bem importar-se com os sentimentos do outro

Sentir que o outro se importa com nossos sentimentos faz toda a diferença num relacionamento. Isso vale para o relacionamento amoroso, mas também para o relacionamento entre pais e filhos, amigos e para os relacionamentos profissionais.

A gente quer perceber que o outro se importa conosco. Mas essa é uma via de mão dupla. Eu quero que o outro me enxergue, mas também devo enxergá-lo. Eu cuido do outro, mas o outro também cuida de mim.

Esse importar-se se traduz em diferentes atitudes.

Por exemplo, no relacionamento profissional, chefes geralmente desejam que seus colaboradores se importem com a empresa e sejam gratos pelo emprego.

Por outro lado, faz bem quando o chefe percebe que um colaborador fez algo que não estava previsto. Dias atrás, uma pessoa que conheço acordou mais cedo, resolveu levar tapete e pano de chão da casa dela para a empresa. Mobilizou uma colega e fizeram uma faxina na agência em que trabalham. O tapete foi colocado no banheiro e tudo ficou arrumadinho. Elas tomaram a iniciativa, porque a empresa está sem zeladora ou diarista.

Acontece que os chefes chegaram para trabalhar, passaram por elas e sequer disseram obrigado. Um deles, horas depois, ainda reclamou que elas tinham acabado com o detergente.

Acho que não preciso dizer que a atitude deles foi um balde de água fria sobre elas.

No relacionamento amoroso, importar-se pode se traduzir pela capacidade de perceber que a parceira ou parceiro está aborrecido, não está num bom momento. E, ao notar que algo não vai bem com a pessoa, ser acolhedor ou simplesmente não cobrar alguma coisa que talvez tenha deixado de ser feita.

Ter a capacidade de reparar no que o outro faz ou perceber como a outra pessoa está, suaviza as relações. Costumo dizer que relacionamento é troca. Às vezes, estamos tão focados em nossas expectativas e desejos, que não enxergamos as atitudes do outro e tampouco seu estado emocional.

Portanto, faça sua avaliação, nas suas relações, você tem se importado com as pessoas com as quais convive? Ou tem sentido que alguém não tem se importado com seus sentimentos? Se isso tem acontecido, procure dialogar e expor como você se sente.

Lembre-se, a ausência de um olhar mais atento às pessoas com as quais nos relacionamos revela nosso descompromisso com a relação. E este é um dos primeiros passos em direção ao afastamento e ruptura com o outro.

P

Ouça a versão em podcast! Dê o play!

Como Deus nos enxerga?

Eu, às vezes, me pego pensando: como Deus me olha? Será que Ele se dispõe a olhar pra mim e ainda sente alegria em me contemplar?

Confesso que tenho dificuldade em acreditar que existe algo em mim que agrade o Senhor. Gente, já se tornou clichê no meio cristão repetir a frase “nós somos pecadores”. A frase é tão repetida que perdeu boa parte do seu significado.

O fato é que nós somos maus.

Ei, Ronaldo, eu não sou uma pessoa má! – talvez você esteja retrucando aí.

Tenho certeza que você está longe de ser uma pessoa que comete os crimes que geralmente são cometidos por gente que consideramos maldosa, malvada. Certamente você não é uma pessoa perigosa. E eu também não sou.

Entretanto, quando olho para minhas práticas e contemplo a vida de Jesus Cristo, eu me sinto péssimo. Eu não conseguiria fazer nada, nada do que ele fazia pelas pessoas. E se o amor é o resumo da lei, minha vida de desamor revela o quanto sou falho diante de Deus.

Talvez por isso o salmista disse nos versos 2 e 3, do Salmo 14.

“O Senhor olha dos céus para os filhos dos homens para ver se há alguém que tenha entendimento, alguém que tenha entendimento, alguém que busque a Deus. Todos se desviaram, igualmente se corromperam; não há ninguém que faça o bem, não há nem um sequer”, Salmos 14:2-3

A ausência de entendimento, ressaltada por Davi, trata da ausência de compreensão do que Deus é, do caráter do Senhor. E é por não entendermos quem Deus é, que achamos que somos bons e que nossas ações são virtuosas.

Não, meu amigo, não são! Nossas práticas são injustas, perversas, mesquinhas, egoístas. Não amamos, de fato, nossos irmãos. E, com o passar do tempo, tornamo-nos ainda mais cruéis. Nos corrompemos, como afirma o salmo.

É por isso que só a misericórdia de Deus, revelada pelo sacrífico de Cristo, pode nos reaproximar do Pai. Do contrário, por nossos méritos, nenhum de nós seríamos salvos.

Guarde essa palavra no coração!
Um abraço!

É possível ser grato mesmo em meio ao sofrimento?

Dias atrás, ao falar sobre a oração, eu comentei que a gente precisa falar com Deus, precisa conversar com Deus com toda a nossa sinceridade, sem meias palavras, sem fingimento. O Salmo 13 confirma isso. O salmo começa assim… Até quando, Senhor ? Para sempre te esquecerás de mim? 

Consegue perceber a intensidade das palavras de Davi? Ele continua… Até quando esconderás de mim o teu rosto?  Até quando terei inquietações e tristeza no coração dia após dia? Até quando o meu inimigo triunfará sobre mim?  Olha para mim e responde, Senhor , meu Deus. Ilumina os meus olhos, ou do contrário dormirei o sono da morte.

Notou a aflição? Notou o quanto ele sofre? E ele se sente abandonado por Deus. Ele reclama que Deus escondeu o rosto dele. Que as inquietações e tristezas no coração o estão consumindo, estão machucando. 

Mas não sei se você notou outra coisa: apesar de estar incomodado com o silêncio de Deus, Davi segue batendo à porta dos Céus. Davi não desistiu. Davi não deixa de ter fé. Davi não sai murmurando e nem dizendo… “ah… Deus não existe”. Davi confia! É a Deus que o salmista busca. 

E veja que coisa linda é o final do Salmo 13. Versos 5 e 6: Eu, porém, confio em teu amor; o meu coração exulta em tua salvação.  Quero cantar ao Senhor pelo bem que me tem feito.

Uau!!!!

Davi está sofrendo. Davi está triste. Davi acha que Deus escondeu o rosto dele e não está vendo o sofrimento pelo qual está passando. Mas ainda assim Davi confia inteiramente no amor do Senhor. Não há dúvida no coração dele.

Davi sabe que, mesmo que a resposta não venha, mesmo que Deus continue em silêncio, ainda assim, se dispõe a louvar o nome do Senhor. Davi diz que vai cantar, que vai louvar, por tudo que já recebeu de Deus. Vai louvar a bondade do Senhor!!

Amém?

Você é capaz de passar pelas dificuldades com um louvor nos lábios? Confiando no amor de Deus? Louvando o Senhor por tudo que Ele já fez de bom pra você?

Eu peço a Deus que Ele me dê essa fé!

A corrupção é exaltada entre os homens

O que você sente quando olha para os homens que estão no poder? Os homens que comandam prefeituras, câmaras de vereadores, governos estaduais, o congresso nacional, o governo federal… ministros do Supremo… O que você sente? 

Preciso confessar que me sinto incomodado. Parece que nada atinge essa gente. Eles continuam desfilando poderosos, mesmo com denúncias que se acumulam ou até provas que são reveladas diante das câmeras. É currículo mentiroso, mas mesmo assim a pessoa ganha uma vaga de ministro; é dinheiro na cueca, mas mesmo assim o sujeito não perde o mandato… E, claro, estou aqui citando apenas alguns fatos recentes, midiáticos, que todo mundo lembra. Porém, o histórico de muitos desses homens que está no poder é sujo ou, no mínimo, questionável. Mas essas pessoas seguem tranquilas. Até sofrem denúncias, às vezes, mas nada acontece com elas. 

No Salmo 12, verso 8, nós lemos: “Os ímpios andam altivos por toda parte, quando a corrupção é exaltada entre os homens”. 

Sabe qual é o grande problema da impunidade em relação aos homens que estão no poder? É que toda a sociedade passa a ter a sensação de que a corrupção vale a pena, de que fazer o errado é a melhor estratégia. Ficamos com a impressão que não vale a pena ser honesto. Isso faz, como diz o salmista, os ímpios andarem altivos por toda a parte. Os homens ímpios sentem-se garantidos, seguros, intocáveis… E olham para as pessoas honestas como se os honestos não passassem de bobos, de tolos. 

Mas a Bíblia traz uma palavra de esperança: os olhos do Senhor observam tudo e Ele fará justiça! Hoje, eu e você, talvez nos sintamos mal com tudo que vemos. E, por isso, sentimos vontade de gritar, despejar nossa raiva nas redes sociais. Mas me parece que a melhor estratégia ainda é a ensinada por Davi nos Salmos: quando vemos os ímpios altivos, quando notamos a corrupção sendo exaltada pelos homens, devemos falar com Deus. É com Ele que desabafamos.

Lembre-se, nossos gritos para o mundo devem ser para apontar que a salvação vem apenas do Senhor. 

Isso não significa passividade. Devemos nos manter alertas e, principalmente, também sustentarmos uma conduta ética, honesta em nossas práticas cotidianas – inclusive escolhendo como nossos representantes políticos aquelas pessoas que possuem as credenciais necessárias para nos representar de maneira digna no Legislativo e no Executivo.

Deus protege os justos; reivindique esta promessa!

Existem pessoas más? Sim! E já falamos sobre isso aqui. Existem pessoas que, intencionalmente, trabalham para nos prejudicar? Infelizmente, sim. Não faltam pessoas no mundo destilando maldade e destruindo tudo que está ao entorno delas. Mas, sabe de uma coisa? Quando estamos em comunhão com Deus, e exercemos a prudência, que o próprio Cristo recomenda… Quando nos mantemos conectados ao Senhor, podemos pedir que Deus nos livre dessas pessoas. No Salmo 12, verso 7, lemos: “Senhor, tu nos guardarás seguros, e dessa gente nos protegerás para sempre”

Quem é “essa gente” mencionada pelo salmista? São as pessoas más, são as pessoas destrutivas, são os perseguidores, são as pessoas que estão prontas para causar estragos. 

Porém, veja só: nós temos aqui, neste salmo, uma promessa: a promessa de que o Senhor nos guardará seguros. O Senhor nos protegerá das pessoas más. 

Deixa eu te falar uma coisa…

Tempos atrás eu ouvi um sermão que chamou muito a minha atenção. A Bíblia diz claramente que muitas das nossas orações não são atendidas por não sabermos orar. E isso é fato! A gente, às vezes, pede aquilo que não é promessa de Deus para nossa vida. Então o que lembrou o pastor durante o sermão? Ele nos lembrou que, em nossas orações, devemos reivindicar de Deus aquilo que é promessa dEle, que é promessa do Senhor para nossa vida. 

E aqui, meu amigo, minha amiga… Aqui no Salmo 12, verso 7, temos uma promessa: “Senhor, tu nos guardarás seguros, e dessa gente nos protegerás para sempre”. Portanto, reivindique de Deus o cumprimento dessa promessa em sua vida!

Que Deus te abençoe sempre! E sustente sua fé!

Quando Deus fará justiça?

O verso 5, do Salmo 12, traz uma mensagem importante para nossos dias. O texto diz o seguinte: “Por causa da opressão do necessitado e do gemido do pobre, agora me levantarei, diz o Senhor. Eu lhes darei a segurança que tanto anseiam.”

Dias atrás, eu disse aqui: o Deus da Bíblia é o Deus dos pobres. A lógica meritocrática, competitiva, baseada na luta constante por ocupar o lugar mais alto do pódio, custe o que custar… Essa lógica não é bíblica. Fomos nós, os homens caídos, que criamos esse mundo excludente, injusto, desigual. Fomos nós, que, em nome de uma pseudo felicidade, que seria proporcionada pelo dinheiro, pelos bens materiais, pela fama, que produzimos a fome de tantos e a abundância de alguns poucos. 

Deus não sonhou isso pra nós! Esse nunca foi o plano divino para o ser humano.

O salmo de hoje traz a voz de Deus dizendo que, por causa da opressão do necessitado, por causa do gemido do pobre, Ele, Deus, se levantará para dar a segurança que os necessitados, que os pobres precisam. 

Quando isso vai acontecer? Não sei! Não sei quando Deus irá interferir na história para fazer justiça e aliviar as dores dos necessitados, dos pobres do mundo. 

Mas eu sei que, hoje, você e eu, que somos cristãos, temos um papel a cumprir. Nós somos as mãos de Deus no mundo atual. Por nossas atitudes, por nossas escolhas, nós podemos tentar aliviar um pouco a opressão do necessitado, a fome do pobre… E fazemos isso não apenas dando uma cesta básica, mas também em nossa prática cidadã – inclusive por meio do voto.

Pense nisso!
Um grande abraço.