Transporte que dá medo

metro1
Eu vivo dividido entre a defesa do transporte público e a crítica aos serviços prestados no Brasil. Ainda no post anterior falei um pouco sobre a mentalidade provinciana da nossa gente e a necessidade de se romper com a cultura dos carros. Entretanto, que argumentos favoráveis usar quando lemos nos jornais os casos de violência contra mulher em ônibus ou no metrô?

O transporte público em nosso país é ruim em todos os sentidos. É caro, demorado, antiquado, desconfortável e, pior, perigoso. Quem mulher pode se sentir segura ao entrar no metrô em São Paulo? Na última segunda-feira, 17, vimos a notícia a respeito de um universitário que foi preso por estupro. Ele foi acusado de molestar uma mulher de 30 anos dentro do trem.

No Facebook, páginas como “Encoxadores”, com mais de 12 mil seguidores, atraem muita gente. E ali são encontrados simpatizantes de ataques a mulheres no transporte coletivo. Isso é assustador!

metro2

Defender um sistema de transporte que rompa com a lógica dos veículos particulares é fundamental para mudar o trânsito das grandes e médias cidades. Porém, não dá para implantar medidas restritivas aos carros enquanto o usuário do transporte público não tiver um serviço de qualidade. E seguro (Talvez meu discurso possa parecer conservador – ou até machista -, mas, tendo um pouquinho de condição econômica, eu não permitiria que minha filha usasse o ônibus ou o trem. Não dá para ficar em paz).

Por isso, semelhante ao que eu sempre digo a respeito da educação, só vou aceitar discurso de político incentivando o uso do transporte coletivo, quando nossos representantes fizerem a lição de casa. Promoverem o enfrentamento real dos problemas experimentados pelos cidadãos comuns (quem sabe usando rotineiramente ônibus ou trem para ir de casa ao trabalho, do trabalho para casa. Quem sabe até no lazer). Talvez nesse momento eles conheçam a realidade enfrentada pelos cidadãos e saibam por que todo mundo quer andar de carro próprio.

Anúncios

A saga de Rogério Ceni

O assunto da imprensa esportiva desde ontem é o centésimo gol de Rogério Ceni. Tanto destaque é merecido. Não só pelo fato inédito. E aqui não importa se disserem que só foi o 98o ou o 100o, nas contas do goleiro artilheiro. Ceni é único. Um goleiro como poucos, um batedor de faltas quase perfeito, além de atleta respeitado.

Vi o gol do jogador do São Paulo. E não foi nos telejornais. Foi com a bola rolando. Pra mim, fato pouco comum, já que nunca assisto futebol. Mas, ontem, era inevitável. Enquanto trabalhava, a TV estava ligada. Afinal, meu filho é corinthiano. Daqueles torcedores doentes. Mas até ele – que não gosta do tricolor e tira sarro da irmã, que prefere o time do Morumbi – respeita Rogério Ceni.

De fato, o goleiro faz mesmo parte daquele grupo de atletas que não há o que questionar. É impecável como profissional e exemplo fora das quatro linhas. Apaixonado pelo clube que defende, é uma referência num meio em que a gente já não sabe o que motiva o beijo da maioria dos jogadores no símbolo do clube que representam.

Rogério, hoje aos 38 anos, ainda faz a diferença no gol e batendo faltas ou pênaltis. Mas não deve mais se demorar na profissão. É provável que logo se aposente – provavelmente para ocupar um cargo no próprio São Paulo (quem sabe até mesmo como técnico). Entretanto, quando deixar a função que o consagrou, poderá também deixar de ser o último jogador que construiu uma carreira praticamente num único clube e pelo qual se aposentou.

Notas do esporte

GÁVEA
O Flamengo demite Silas e espera resposta de Vanderley Luxemburgo. O rubro-negro acredita que hoje pode confirmar a chegada do treinador.

MORUMBI
Paulo César Carpegiane já se apresentou ao São Paulo. O treinador chegou e sabe que só as vitórias vão dar tranqüilidade ao trabalho dele. O recado foi mandado pela diretoria do clube.

FLURICY
E amanhã sete jogos abrem a 28ª rodada do Brasileirão. Destaque para o confronto entre o líder Fluminense e o atual campeão Paulista e da Copa do Brasil, o Santos.

TIMÃO
Também nessa quarta-feira o Corinthians vai até Minas enfrentar o Atlético, que luta para escapar da zona de rebaixamento.

Deu São Paulo; quem diria…

Terminei de ver os últimos minutos de São Paulo e Cruzeiro. Só mesmo os mais otimistas torcedores poderiam apostar numa classificação tranquila do tricolor diante da raposa. Pelo momento que vive, a lógica sugeria que a equipe mineira estaria na semifinal. Não foi o que aconteceu. O São Paulo venceu de novo o Cruzeiro e pelo mesmo placar da semana passada – 2 a 0. Coisas do futebol.

São Paulo pode estender rodízio de veículos

São Paulo pode estender o rodízio de veículos para dois dias por semana. A discussão está sendo feita em audiência pública. Teoricamente, a medida tiraria 40% da frota das ruas.

Mas, como disse, teoricamente. Afinal, tenho a impressão que proibir a circulação de veículo – pelo final da placa – motiva o proprietário a adquirir outro. É uma forma de driblar a lei.

Claro, nem todo mundo pode comprar um segundo carro. Mas essa tem sido a regra em São Paulo desde quando se implantou o rodízio.