Sorrir para viver melhor

sorrir
Sempre me surpreendo com a facilidade que meu filho tem para gargalhar. Ele ri de qualquer coisa. Das coisas mais toscas, inclusive. Embora também reclame da vida, é comum vê-lo rindo à toa. Sorte dele, né? Pois rir faz bem.

Eu não costumo rir fácil. Minha filha às vezes implica comigo porque diz que nunca me vê rindo. Ela exagera um pouco, mas reconheço que deveria sorrir mais.

O nosso dia a dia não é dos mais fáceis, é verdade. E, muitas vezes, o cenário parece não favorecer. Faltam boas notícias. Além disso, somos cobrados pelos chefes, professores… E até pelos parceiros. Isso, porém, não justifica nossa indisposição para relaxar um pouco e aproveitar a companhia das pessoas que amamos. Afinal, são com as boas companhias que os risos brotam naturalmente.

Em virtude da dinâmica de nossos dias – pelo menos cinco dias de trabalho e dois de folga -, reservamos a distração para os fins de semana. Isso quando sobra tempo. Por uma questão de estatística: dois dias para sorrir em comparação com cinco dias de muita seriedade (enquanto se trabalha e estuda) não é muito tempo perdido?

Eu sei que o trabalho significa algo sério. De fato, a própria origem da palavra “trabalho” provém de um instrumento de tortura. Mas será que não vale repensar a maneira como olhamos para nossas atividades diárias?

Albert Einsten disse certa vez:

Não tenho trabalhado nenhum dia em toda minha vida. Tudo foi diversão.

A afirmação está numa carta enviada ao filho. Nela, Einsten recomenda que, independente do que fosse fazer, seu filho deveria apaixonar-se pelo que estivesse fazendo. Esta havia sido a chave do grande cientista. E o que Einsten recomendou, a ciência comprova.

Segundo estudos da Universidade de Harvard, quando estamos de bom humor, somos mais produtivos. De fato, realizamos progressos em 76% dos dias em que estamos contentes.

A este respeito, outro estudo, desta vez da Universidade de Ohio, concluiu, após três semanas de observação de agentes comerciais, que um bom estado de ânimo representou 10% a mais de vendas em comparação com os profissionais mal humorados.

Numa pesquisa conjunta, as universidades de Amsterdam e Nebraska, analisaram 54 reuniões de empregados de duas empresas alemãs. Naquelas nos quais os trabalhadores riam, faziam brincadeiras leves, apareceram propostas e ideias muito mais construtivas.

Diferentes estudos comprovam: empresas que se preocupam em oferecer espaços onde as pessoas se sentem bem, geram emoções positivas.

Sabe, nem sempre é fácil estar de bom humor. E algumas pessoas possuem personalidade mais introvertida. As próprias condições de vida podem não ser favoráveis para que o sorriso esteja sempre no rosto. Também não podemos confundir sarcasmo, ironia com bom humor. Entretanto, um melhor humor começa com a gente mesmo. Tem muito a ver com a maneira como encaramos nosso dia a dia. Em especial, como administramos – e aceitamos – os problemas.

Gente bem resolvida acredita, tem fé… E segue em frente, mesmo quando as coisas não vão bem. E essa disposição para sorrir gera benefícios: melhora a saúde, a capacidade respiratória, os resultados profissionais, melhora a comunicação… E o melhor, nos aproxima das pessoas, pois nos torna pessoas mais atraentes.

Estresse no romance encurta a vida

casal

Uma das razões pelas quais escrevo sobre relacionamentos é porque entendo que a vida acontece na dinâmica da convivência com o outro. Embora entenda que é possível ser feliz sozinho, a gente quer mesmo ter alguém por perto pra tocar, sentir, amar. E quando essa dinâmica não funciona, a gente não funciona. Tudo parece se complicar quando o romance não vai bem.

Entretanto, uma pesquisa desenvolvida pela Universidade de Copenhague, Dinamarca, revelou que não apenas as emoções ficam abaladas quando o relacionamento tem problemas. Casais que brigam demais abrem mão de viver em paz, abrem mão de viver mais. Após observar 9.870 pessoas entre 30 e 60 anos, num período de 11 anos, os estudiosos descobriram que relacionamentos estressantes triplicam o risco de morte. Ou seja, um relacionamento ruim destrói as emoções e encurta a vida.

Pior, a morte quase sempre acontece porque o cenário ruim do relacionamento mexe com as emoções e, ao fazer isso, provoca doenças – como o câncer. Na verdade, o que acontece é justamente a reprodução de uma lógica que já ocorre noutras situações: quando as emoções vão mal, o corpo sofre, doenças surgem. Pode começar com irritação, dores de cabeça mais freqüentes tonturas, gastrite… E os quadros se desenvolvem para depressão, câncer, doenças hepáticas, doenças do coração. Um relacionamento ruim aumenta, inclusive, as chances da pessoa se suicidar.

Outras pesquisas já demonstraram que vive mais quem tem um casamento calmo, maduro, de parceria, de segurança… Curiosamente, até quando ficam doentes, os casados têm mais chance de descobrirem o problema precocemente, tratarem-se e se curarem. E nós homens somos os principais beneficiados – justo nós que temos menor expectativa de vida. Portanto, investir num relacionamento que administra os conflitos, que se desenvolve em harmonia, também é investir em qualidade de vida e numa velhice mais longa e muito melhor.

Alguns pensamentos parecem maiores que nós

Dia desses esbarrei num texto da jornalista Rosana Hermann. Em outras palavras, ela sustentava a importância de afastarmos os maus pensamentos. A tese básica era mesmo esta: negar-se a alimentar qualquer coisa negativa.

Eu gosto da sugestão. Ainda hoje ouvia algo parecido de uma psicóloga. Ao falar sobre Transtorno Obsessivo Compulsivo, a profissional pontuava a necessidade de treinar nosso cérebro para barrar os pensamentos obsessivos que resultam em comportamentos compulsivos.

Acho mesmo que é necessário algum tipo de treinamento. Embora queira acreditar que podemos, sozinhos, dar conta de afastar o negativismo, entendo que não somos capazes de fazer isso sempre, em todas as situações.

Há lembranças que nos consomem. Noutras vezes é só nossa mente criativa, criadora trabalhando sem parar. Mas trazendo uma série de imagens e sugestões que roubam nossa paz.

E nessas horas não dá para simplesmente dizer: “não vou pensar nisso”. Quando o sono se vai, você não consegue escolher dormir.

É o cérebro em movimento… Dono de si mesmo. Maior que nossas forças, vontades.

Entretanto, ainda assim, acredito que render-se a sentimentos negativos é tudo que não podemos. Ainda que eles insistam e sejam mais fortes que nós, a busca pela paz – através de pensamentos positivos, boas lembranças etc – deve ser nosso objetivo sempre. E se não dermos conta disso sozinhos, pedir ajuda é a melhor saída. Só não devemos deixar de viver e ser feliz.

As revistas da semana

VEJA: – A edição desta semana traz um especial sobre as eleições 2010 e aponta o que é o Brasil e o mundo na cabeça de Dilma Rousseff e José Serra. Também traz: Hugo Chávez perde hegemonia no Parlamento; Encontrado um planeta semelhante à Terra; e o avanço na detecção do câncer de pele.

ÉPOCA: – Depois de Lula. O legado do presidente e sua sombra sobre o futuro governo. Os rumos do Brasil, a partir de 2 de janeiro de 2011, vão depender de como o próximo presidente vai lidar com a sombra do lulismo – e de como Lula vai se comportar quando estiver fora do poder. O mundo real do Coronel Nascimento. As histórias verdadeiras de como as milícias dominaram os morros do Rio de Janeiro e as estratégias para combatê-las são o tema central do aguardado “Tropa de elite 2”. Menos carne no prato. Preocupados com o planeta, com a saúde dos clientes – e a moda, claro –, chefs famosos adotam a dieta “semivegetariana”.

ISTO É: – As armas para o segundo turno. Campanhas de Dilma e Serra fazem autocrítica, planejam mudanças e já se mobilizam para buscar mais eleitores. Quem vai conquistar Marina. O apoio da candidata do PV, com um arsenal de quase 20 milhões de votos, é decisivo para definir a eleição. A vitória da continuidade. Ao reeleger dez governadores já no primeiro turno e levar outros seis para o segundo, eleitor prova que o sentimento de bem-estar é mais forte que a ideologia na hora de decidir em quem votar.

CARTA CAPITAL: – Novo presidente, só no fim de outubro. Dilma Rousseff ficou abaixo da votação apontada nas pesquisas e obteve cerca de 46% dos válidos; José Serra vai para o segundo turno. Alemanha celebra 20 anos da reunificação. Em uma mensagem de vídeo, Angela Merkel, que cresceu na então Alemanha Oriental, afirma que, assim como a maioria dos compatriotas, foi surpreendida pela rapidez da reunificação do país menos de um ano depois da queda do Muro de Berlim.

As manchetes dos jornais de Maringá

O DIÁRIO: – Internamentos por catapora mais que dobram
No ano passado, Vigilância Epidemiológica de Maringá registrou 151 internações. Este ano, já são 351, concentradas, nos últimos 20 dias. Atendimentos ambulatoriais não contam.

HOJE NOTÍCIAS: – RF leiloa veículos de luxo avaliados em R$ 1 milhão
Carros foram apreendidos no Porto Seco de Maringá por apresentarem irregularidades na documentação durante a importação. Serão ofertados 20 veículos. Nove motocicletas também estão no lote a ser leiloado.

JORNAL DO POVO: – Greve bancária pode começar hoje
Os bancários de Maringá e região realizaram ontem, à noite, na Biblioteca Municipal, uma assembleia referente à adesão da categoria à greve por tempo indeterminado a partir de hoje. O indicativo de greve é nacional.