Uma “limpeza” no Twitter

Já nem sei há quanto tempo estou no Twitter. Abri a conta antes que essa mídia social virasse “onda”. Ainda lembro que, quando falava do Twitter em sala de aula, muitos alunos sequer sabiam do que se tratava. Tinha que explicar o funcionamento, dizer que estava todo em inglês, mas que era legal etc etc. Hoje, tornou-se comum – principalmente entre os jovens e universitários. Sem contar que toda empresa de comunicação usa hoje essa ferramenta para interagir com o público, divulgar conteúdo…

Bem, mas por que estou lembrando disto? Porque ainda tem gente que tem fixação pelo número de seguidores. Para isso, e por isso, essas pessoas fazem de tudo. Além de usarem esses programas que estão na internet e que prometem “bombar” a quantidade de followers, também vão dando “follow” em todo mundo. Aí, quando a pessoa devolve a gentileza – ou não -, o cidadão resolve deixar de seguir. É uma coisa de louco. Vai entender?

Felizmente, dá para descobrir essas pessoinhas através de serviços disponíveis na rede. O que mais gosto é o Friend or Follow. Como sigo quem me segue, vez ou outra, dou uma geral no Twitter a fim de identificar essas figuras simpáticas. Sempre se encontra motivos para fazer uma limpeza na lista de “following”.

Anúncios

As revistas da semana

VEJA: – “Cala boca Galvão”. O fenômeno planetário que engolfou o locutor da Globo na Copa mostra a fúria do Twitter. Trancada, isolada e muda, a seleção do Brasil parece uma tropa que foi à guerra e esquece que a nação toda quer saber o que ela faz e está pensando. A Jabulani desvendada. Pesquisador japonês submete a bola do Mundial a testes de aerodinâmica e explica por que ela surpreende os jogadores. Em duas décadas, o corpo da mulher brasileira aumentou em todas as direções: na média, ela tem mais busto, mais quadril, mais cintura, mais altura e, sim, mais peso.

ÉPOCA: Como vai a nossa saúde. Uma pesquisa exclusiva mostra que o brasileiro está comendo pior, bebendo mais e fazendo menos exercícios. Como você pode fugir desse padrão e evitar doenças no futuro. Galvão Bueno: Campeão do Twitter. Como a brincadeira com o locutor se tornou recordista de acessos no mundo. O game eleitoral de José Serra. Num momento de turbulência por causa do crescimento de Dilma, o tucano sofre com o assédio dos palpiteiros que querem influenciar na campanha. Geisy agora é grife. A moça que ficou famosa por causa do vestido lança sua linha de roupas e ganha biografia.

ISTO É: Serra por Serra. O candidato José Serra diz, em entrevista exclusiva à ISTOÉ, que o presidente do Banco Central será subordinado ao ministro da Fazenda. Ele também afirma: “No meu governo não terá um ministro que pensa de uma maneira e outro que pensa o contrário”. Craque fora do campo. Com jogadas ensaiadas para roubar a cena até de seus comandados na seleção argentina, Maradona se transforma na maior estrela do Mundial. Os tempos de Dilma no Sion. Como foi a adolescência da candidata do PT antes de se envolver em movimentos de resistência à ditadura. Naquela época, teve uma vida de garota pacata em um dos colégios mineiros mais tradicionais – o sion de bh, exclusivo para meninas.

CARTA CAPITAL: – O Irã por dentro. Uma visita à terra dos aiatolás revela a vida sob o véu da repressão. Leia também: os interesses por trás da estranha exclusão do Morumbi da Copa de 2014. E se crescêssemos a taxas chinesas? O Brasil pode, mas o problema não está nas carências da infraestrutura, e sim na superestrutura.

Encontro de twitteiros

Não coloquei o papo com a Ana Paula Passarelli nos resumos abaixo. Afinal, a entrevista com ela na CBN Maringá foi mais informal – uma troca de impressões, ideias, um diálogo aberto.

O encontro de twitteiros de Maringá será amanhã. A @passarelli é uma das organizadoras. Na entrevista, ela contou que o objetivo é aproximar essas pessoas que estão acostumadas a dialogar em 140 caracteres.

A entrevista foi bastante agradável. Primeiro, porque a Ana Paula é uma pessoa muitíssimo agradável e inteligente. Segundo, porque a rede nos desafia e empolga. Por conta disso, falamos sobre o que tem representado o twitter pra muitos de nós e a formação de uma espécie de comunidade virtual de maringaenses na rede.

Bem, não estarei presente, mas o encontro será às 15h, nesse sábado, no Espaço Café do Shopping Maringá Park.

Twitter: muitos registros, poucos usuários

O Twitter tem 75 milhões de contas registradas. Entretanto, poucos são de fato usuários do microblog. Dados da RJMetrics indicam que 40% possuem contas inativas. E cerca de 80% tuitaram menos de 10 vezes desde a abertura do perfil.

Esses números são curiosos. Revelam que, embora esteja na moda, o Twitter ainda é um serviço que está longe da meta de seus idealizadores: 1 bilhão de usuários.

Twitter perde força e estaciona

Pesquisa divulgada nessa quinta-feira revela que, pela primeira vez, diminuiu o tempo médio gasto pelo brasileiro no Twiiter. Caiu de 57 para 53 minutos/mês. O número de usuários também estacionou. São cerca de 58 milhões em todo mundo. O levantamento revelou outro dado curioso: o Facebook alcançou a impressionante marca de 350 milhões de contas. Um resumo simplório apontaria que 5% da população global faz parte da rede.

E falando em redes sociais, o Orkut está estudando uma nova mudança. Embora tenha passado por uma reestruturação recente, a proposta do Google é assegurar uma nova função: a distribuição de conteúdos – como ocorre com o Facebook e Twitter. Hoje, o Orkut é mais focado no relacionamento e pouco valoriza a produção e distribuição de conteúdo.

O twitter dos famosos

A mídia cada vez mais se ocupa em debater a exposição da privacidade pelas redes sociais. Na edição desta semana, a Veja traz uma reportagem sobre o Twitter dos famosos. Revela, por exemplo, que muita gente preocupada em ficar longe dos paparazzis, revela-se no microblog.

A revista traz, inclusive, a opinião de especialistas para tratar sobre o grau de exposição – até onde não há risco de prejudicar a imagem. Mas essa resposta parece difícil de se obter. Afinal, quem pode se dizer especialista em algo tão novo e surpreendente? Quem é capaz de garantir a melhor estratégia para a internet?

Rádio tem contribuição maciça de ouvintes e twitteiros durante o apagão

Izabela Vasconcelos, de São Paulo

O rádio contou com um novo aliado na cobertura do blecaute que atingiu o Brasil na noite de terça-feira (10/11): o Twitter, além dos já tradicionais celulares e telefones fixos. Em poucos minutos, os usuários do microblog confirmaram que o apagão era bem maior do que se imaginava.

“O Twitter foi um diferencial porque tivemos uma dimensão do apagão muito mais rápido. Cada vez mais temos colaboração dos ouvintes pela internet”, afirmou Zallo Comucci, gerente executivo da CBN.

O mesmo aconteceu na rádio Bandeirantes. “Os repórteres entraram e os ouvintes perceberam que tinham o apoio da rádio. Foi uma grande cadeia de solidariedade. A medida em que o tempo passa e a tecnologia avança, essa colaboração fica maior”, destacou José Carlos Carboni, diretor de jornalismo da rádio Bandeirantes.

O microblog virou ferramenta até mesmo da área de comunicação da usina Itaipu, maior geradora de energia do mundo, que poucas horas depois do incidente criou uma conta para esclarecer o que havia acontecido.

As rádios também contaram que mesmo os jornalistas que estavam fora do horário de expediente se envolveram totalmente na cobertura, de qualquer lugar onde estivessem. “Naquele horário nós tínhamos três repórteres de plantão, mas 15 repórteres entraram no ar, os que estavam em casa ou na rua. Eles se autoconvocaram”, contou Carboni.

Na CBN os profissionais de várias partes do Brasil também procuraram a rádio para informar. “Tinha pouca gente na redação naquele horário, mas os próprios profissionais que estavam fora da redação ligavam para nós. Os âncoras também se envolveram, em vários estados do Brasil”, explicou Comucci. (Fonte: Comunique-se)