Termine o que começou

Ouça a versão em podcast!

Costumo repetir para meus alunos: termine o que começou. Alguns alegam: está muito complicado, tem muita coisa para fazer. Minha resposta é sempre a mesma: simplesmente faça; não fique olhando o volume, a quantidade, os prazos… Faça!

É incrível como essa ideia é poderosa. Eu apliquei isso em vários momentos da minha vida acadêmica. Escrever artigos científicos, dissertação, tese é desgastante. Principalmente porque a vida não para pra gente estudar, pesquisar.

Aí a gente olha tudo que tem pra fazer, os prazos acabando e bate o desespero. A sensação é justamente esta: não vou dar conta!

É preciso ter forças para agir.

E o sucesso está justamente na disposição de fazer/executar sem ficar olhando para a quantidade de tarefas, para os prazos e para todas as outras dificuldades.

Na prática, a coisa funciona assim: você senta diante do computador, abre um arquivo e escreve. Cada linha escrita te coloca mais perto do final.

Foi assim que, mesmo casado, com filhos, com trabalho e uma série de outras atividades, cursei a faculdade, especialização, mestrado e doutorado.

Pensei em desistir em alguns momentos. Tive que tomar uns remedinhos para aliviar a pressão emocional. Mas persisti e dei conta.

Quando começamos um projeto, precisamos entender que em alguns momentos teremos tantas demandas que desistir sempre será a opção mais simples.

Entretanto, é fundamental ter em mente algumas coisas. Primeira, se você desistir, terá optado por um estilo de vida que nunca permitirá que conclua um projeto do qual poderá sentir orgulho.

Segunda coisa que precisa sempre recordar: a vida nunca é fácil. Nada acontece sem muito esforço ou luta. Para escrever a sua história, haverá lágrimas.

Terceira, o sucesso de ontem não garante o sucesso de hoje. Isso quer dizer que cada novo projeto requer novas estratégias, novas lutas.

E a quarta e última coisa, só os resilientes são vitoriosos. É preciso ser flexível, se adaptar as circunstâncias, ter disposição para mudar a rota algumas vezes, refazer os planos… A rigidez incapacita, engessa.

No final, sempre valerá a máxima “o melhor não é trabalho perfeito, é o trabalho feito”.

Você não tem o controle de tudo

Ouça a versão em podcast!

Um discurso recorrente entre muitos coachs e profissionais que atuam como mentores de carreiras é de que você está no controle de sua vida, é você que escreve seu destino. Noutras palavras, você é o responsável por seu sucesso ou fracasso.

Aqui do meu cantinho costumo repetir: tem coisas que a gente não controla.

O discurso de que estamos no controle tem sim sua importância. Afinal, muita gente se acomoda e parece esperar um milagre do Céu para tornar realidade os seus sonhos.

A pessoa segue o mantra do “deixa a vida me levar” ou fica o tempo todo se lamentando da má sorte.

Gente assim tem pouca chance de conquistar alguma coisa, de fazer a diferença na vida.

É necessário assumir as responsabilidades e trabalhar pelos seus sonhos.

Porém, isso não quer dizer que você tem o controle de tudo. Na verdade, o tempo todo estamos sujeitos a ventos e tempestades.

Eu estou aqui, fazendo o melhor que posso. Teoricamente, estou no controle. Entretanto, posso sair daqui a pouco do trabalho e sofrer um acidente. Isso pode me tirar da rota que desenhei por algumas horas, dias ou até mesmo mudar completamente minha vida.

Talvez você esteja aí tentando viver a ideia de que está no controle de sua vida. Porém, também não controla acidentes, uma mãe doente, a perda de um filho… Não controla o humor do seu chefe, o sucesso financeiro da empresa para a qual trabalha, nem mesmo é capaz de dizer se sua atividade profissional será relevante daqui a 10 anos. Você pode e deve escolher seus amigos, mas não tem garantia da fidelidade deles.

A ideia de que estamos no controle tem limites. A realidade se impõe e muita coisa não depende de nós.

Não há colheita sem o plantio

Ouça a versão em podcast!

Observar o mundo da vida traz importantes aprendizados. A natureza, por exemplo, nos ensina lições preciosas. Uma delas vem da dinâmica da agricultura. A colheita nunca precede ao plantio. O plantio nunca vem antes do preparo da terra.

O homem do campo conhece muito bem esse processo: sabe que, para ter uma colheita farta, é necessário muito investimento – e não apenas de recursos. É preciso escolher bem a terra, limpá-la das pragas, prepará-la… Escolher boas sementes, usar os equipamentos certos e técnicas adequadas para semear… E tudo isso deve ser feito no tempo certo. Se plantar no inverno aquilo que deveria ter sido semeado no verão, o fracasso será total.

Todo esse cuidado ainda é pouco. Porque há o tempo de espera pela colheita. E enquanto espera, é necessário cuidar do desenvolvimento das plantas. Mas tem algo bem mais difícil. Apesar de fazer tudo certo, tudo na época certa e com a estratégia certa, não há garantia de colheita farta, porque o agricultor depende de coisas que ele não controla: as condições do tempo. A chuva, a seca, os ventos podem colocar tudo a perder.

Pois é, meu caro leitor… Com a vida da gente não é diferente! O sucesso de uma carreira, um relacionamento feliz, a conquista de um título universitário, a concretização de um projeto de vida nunca acontecerão antes de todo o trabalho de preparação. Há um tempo para plantar. E enquanto se planta, não há o que colher.

Depois de plantar, há um tempo de espera. E enquanto se espera, é preciso administrar a ansiedade, as incertezas, pois nem tudo está sob o nosso controle.

Porém, duas coisas são certas: sem todo o longo processo de preparação, plantio e espera, não há colheita alguma. E a outra certeza é: embora quem plante possa fracassar, se o agricultor tiver feito tudo certo, na terra certa, com a semente certa, no tempo certo… Tiver cuidado de sua plantação, investido tempo, dedicação… Ele tem uma enorme chance de ter uma colheita farta, maravilhosa.

Também é assim em todas as áreas da vida. Podemos não ter garantias de sucesso. Mas só há uma chance de conquistá-lo: dedicando-se ao sonho, investindo nele… Enquanto se planta, não haverá nada para colher, mas a expectativa futura é de experimentar a alegria de ser recompensado pelo esforço empenhado.

Você torce pelo fracasso de alguém?

Você já se pegou torcendo contra? Torcendo pelo fracasso alheio? Torcendo para que a outra pessoa se dê mal?

Por diferentes motivos, vez ou outra, esse sentimento mesquinho se apossa de nós: queremos que tudo dê errado para o outro.

Isso acontece na empresa, na escola, no círculo de amigos e até na família. Por não aceitarmos determinada situação e até na esperança de que a outra pessoa aprenda uma lição, desejamos resultados ruins.

É curioso que, por vezes, nem nos importamos se vamos afundar juntos. Cegos, acreditamos que o fracasso pode trazer as mudanças que sonhamos. Ou que se faça justiça com a queda da outra pessoa.

Frequentemente, quando não temos o poder de alterar a ordem das coisas, e discordamos de algo, torcemos contra. Queremos que dê errado. Esta é nossa chance. Vislumbramos no fracasso a possibilidade do novo, ou de uma espécie de punição.

Outras vezes, silenciosamente, elegemos algumas pessoas como inimigas e queremos vê-las envergonhadas, rejeitadas. Podem não ter feito nada contra nós, mas ansiamos pela derrota. É nosso prêmio; uma espécie de vingança que alimentamos em nosso interior e que, quando se concretiza, saboreamos com muito prazer.

Não tem nada de altruísta. Pelo contrário, é mesquinho. Faz parte da maldade que nos é intrínseca. É característica nossa. Mostra quanto somos contraditórios. Revela nossa hipocrisia: a fachada de bons sujeitos, mas que esconde um coração perverso.

Não espere as oportunidades…

O filósofo francês Denis Diderot escreveu “não esperes que as oportunidades venham sozinhas; você tem que fazer isso acontecer”.

Embora seja uma frase curta, a afirmação do filósofo resume uma ideia preciosa: precisamos construir nossas oportunidades.

É fato que algumas acontecem naturalmente.

Talvez você encontre um amigo na rua, um cara que gosta bastante de você… Há meses não se falavam. Vocês se encontram, conversam dez minutos e ele diga: fulano, a minha empresa abriu uma vaga para um profissional que tem o seu perfil. Te encontrar aqui foi uma coincidência maravilhosa. Você tem interesse na vaga?

Sim, essas coisas podem acontecer. São oportunidades que surgem quando não esperamos.

Entretanto, a regra não é essa. As oportunidades geralmente não batem a nossa porta. Precisamos construir o cenário para que aconteçam.

Você não se tornará diretor de uma empresa sem, primeiro, buscar a formação e o preparo necessários para a função. Depois, é fundamental entregar seu currículo, tentar estabelecer vínculos com pessoas que trabalham no local, manter contato, estar disponível para outras funções, ter presença ativa no LinkedIn e não deixar de demonstrar, sempre que possível, que é uma pessoa que reúne as habilidades desejadas para o bom exercício profissional.

Isso vale para todas as outras áreas da vida. Tem gente que vive amores platônicos… Ama, mas nunca se relaciona com a pessoa amada. Parece esperar que a outra pessoa venha bater na sua porta pra dizer: ei, eu também amo você!

Desculpa aí, mas isso dificilmente vai acontecer.

As oportunidades que sonhamos estarão ao nosso alcance se agirmos. Somos nós que fazemos as oportunidades acontecerem.

Ouça o texto em podcast!

Podemos escolher que tipo de gente queremos ser

Não temos controle de tudo, mas podemos escolher que tipo de gente queremos ser.

Não gosto do discurso de que somos os responsáveis por nossas conquistas e fracassos. Acho que essa ideia falha quando confrontada com a realidade. O mundo que a gente vive e as condições de vida de cada pessoa condicionam as conquistas individuais.

Um exemplo… Imagine um garoto que acabou de chegar à universidade. Ele acorda às cinco e meia da manhã, entra num ônibus às 6 e 15 e chega ao trabalho às 8h. No almoço, come qualquer coisa, pois tem apenas uma hora de intervalo. Ele sai às 5 e meia da tarde e já vai direto para a faculdade. Chega às 7h e já entra em sala de aula para estudar até às onze da noite. Depois, pega outro ônibus e só vai estar em casa perto da meia noite. Esse garoto dorme durante a semana apenas cinco horas por noite, nunca tem uma refeição balanceada. Estuda apenas alguns minutos no ônibus, quando consegue um lugar para sentar.

Por outro lado, imagine um rapaz da mesma idade, mas que pode dormir bem todas as noites, entre oito e nove horas por noite, ajuda a família na empresa apenas meio período, faz suas refeições em casa e tem todo o suporte da família para priorizar os estudos.

Qual dos dois garotos terá mais chance de obter sucesso na faculdade?

Por mais que o primeiro se dedique, dormir poucas horas todas as noites, comer mal e estar sempre cansado afetam profundamente o desempenho dele. E isso esse garoto não controla. Talvez ele não dê conta de persistir; talvez seja engolido pelas circunstâncias e abra mão da faculdade. Ou seja, as condições de vida dele condicionam o desempenho e poderão limitar suas conquistas futuras.

Entretanto, deixa eu voltar a frase inicial… Não temos controle de tudo, mas podemos escolher que tipo de gente queremos ser.

O garoto de nossa história não tem controle de tudo, mas ele pode escolher ser dedicado, responsável, ético, justo… Ele pode escolher estar sempre aberto ao aprendizado, a fazer bem tudo que lhe chegar às mãos… Pode escolher viver reclamando da vida que tem ou seguir lutando para conquistar uma vida melhor.

Todos nós podemos escolher que tipo de gente queremos ser. Podemos escolher ser pessoas respeitosas, tolerantes, amáveis, caridosas… Essas são escolhas que podemos fazer.

Para jovens, sucesso é fazer o que gosta

​A geração Z, formada por jovens entre 18 e 24 anos, quer mais do que salários altos; prefere trabalhar no que gosta. Para isso, está disposta a ganhar menos.

Os dados divulgados pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas, SPC Brasil e Sebrae mostram que 42% dos jovens nessa faixa etária entendem que trabalhar em algo que gostam é o principal fator de sucesso.

Este dado é extremamente relevante. Aponta para uma significativa mudança de mentalidade. Afinal, é fundamental não se deixar nortear apenas pelos ganhos. A vida é curta demais para desperdiçarmos nosso tempo apenas na busca por dinheiro.

​​O fato de 42% dos jovens compreenderem o “fazer o que gosta” como valor de sucesso também tem a ver com a ilusão da felicidade. A busca por ter prazer em tudo é um dos principais objetivos das novas gerações.

Ter prazer é muito bom. Ser feliz é maravilhoso.

Entretanto, há um perigo nessa mentalidade dos jovens: ignorar que toda ​e qualquer atividade reúne uma série de elementos que nos causam desprazer.

Deixa eu explicar melhor… Eu amo dar aulas. Esqueço de todo e qualquer problema extra-classe quando estou em sala de aula. Esqueço até o cansaço físico. Porém, odeio corrigir provas. Trocaria um domingo de correção de provas por qualquer tipo de trabalho doméstico – limpar a casa, lavar banheiros…

Adoro propor projetos novos para meus alunos e vê-los envolvidos na execução. Sou o campeão de projetos na minha faculdade. Mas admito que a​dio ao máximo a entrega dos relatórios. Tenho pavor de escrevê-los. Quando chega o final do semestre, chego a cogitar encerrar os projetos só para não ter mais a obrigação dos relatórios.

Eu não sei se você está me entendendo… O que eu quero dizer é que escolher fazer o que gosta não impede ninguém d​a obrigação de ter que​ fazer o que não gosta. Não há nenhuma atividade que seja 100% prazerosa. Nenhuma​!​

Quando 42% dos jovens dizem que o maior valor de sucesso é fazer o que gosta, eu me alegro. Por outro lado, por saber que a ideia de felicidade e prazer é o que referencia essa nova mentalidade, eu me preocupo. Basta notar que nossos jovens são pouco resistentes às frustrações, aos fracassos e pouco tolerantes ​às atividades que lhes causam desconforto.

Como não há trabalho algum que seja apenas alegrador, será que nossos jovens encontrarão profissões que concretizem para eles o tão sonhado “fazer o que gosta”?

Faça o que precisa fazer

Você já se pegou travado, sem inspiração, sem vontade de se mexer? Confesso a você que me sinto assim muitas vezes. Bem mais do que poderia. Simplesmente, não dá vontade de sair do sofá.

No meu caso, que faço um trabalho que depende muito mais da capacidade de pensar do que das ações físicas – é um trabalho criativo, digamos assim -, sentir-se desanimado é um enorme problema. Afinal, dependo das ideias para escrever, para organizar uma aula, para elaborar um projeto.

Outras tantas vezes, o trabalho tem uma demanda específica – alguém pediu que eu fizesse uma determinada coisa. E aquilo que aceitei fazer é chato demais.

O que acontece com a gente todas as vezes que temos algo desagradável para fazer? Ficamos achando formas de fugir… Maneiras de procrastinar.

Pois é… Mas a ausência de ação nos torna improdutivos e motiva nossos fracassos.

Consciente disso, há muitos anos, venho tentando colocar em prática uma espécie de lema: “simplesmente, comece; faça alguma coisa”. Também tenho repetido essa ideia para pessoas próximas. “Comece e não pare!”

Pode parecer bobagem, mas não é. Quando estamos desanimados, sem vontade de fazer qualquer coisa, não adianta sentarmos ou ficarmos na cama, esperando a vontade chegar. Ou um problema passar.

É preciso se mexer e começar.

“Ah… Mas eu não sei nem começar”, talvez você alegue.

Comece assim mesmo. Fale com alguém, pergunte… Faça uma pesquisa na internet… Mas tente começar. Quando a gente se mexe, parece que o universo conspira a nosso favor e as coisas começam a dar certo.

Quando começamos, de certo modo, mandamos um recado para o cérebro: “se mexa; vamos trabalhar!”. As coisas começam a dar certo… E o que é mais impressionante: quando começamos a produzir, nosso corpo reage e nos sentimos mais animados.

Isso é garantia de que amanhã você estará bem disposto? Claro que não. É bem provável que esteja sem vontade como todos os outros dias. Mas você vai fazer de novo o que precisa ser feito. E talvez, em algum momento, você perceba que o início de um projeto pode ser bastante dolorido, mas a satisfação de vê-lo realizado se torna a maior recompensa.