Tenha tempo para descansar

​A defesa de uma vida ativa esconde um grave problema: a ausência do descanso. Sem tempo para descansar, não temos tempo para contemplar, tampouco para criar.

Vivemos um tempo em que é imperativo manter-se ativo. Já não se tratam de oito ou nove horas de trabalho por dia. É necessário ocupar-se o tempo todo. O ócio parece ser um pecado.

Mesmo quando paramos por alguns minutos, o smartphone está sempre nas mãos. Ocupamos nossos olhos e nossas mentes respondendo mensagens, vendo as publicações dos amigos, fazendo comentários, interagindo em grupos de whatsapp.

O problema é que um cérebro ocupado não descansa. Um cérebro que não descansa impede que o corpo descanse. A saúde mental é comprometida. A saúde física é fragilizada.

E o que é pior: deixamos de ver o mundo.

O tempo para não fazer nada, para sentar-se e simplesmente se deixar levar pelos pensamentos, é precioso.

São nesses momentos que reparamos nas coisas que estão em nossa volta. São nessas ocasiões que a nossa mente organiza determinadas ideias e até encontramos solução para certos problemas.

Portanto, minha dica de hoje: ainda que todo mundo defenda a ideia de uma vida sempre ativa, permite-se dar um tempo diariamente a você. Descansar o corpo e a mente, não apenas nas horas de sono, é um grande remédio para a alma.

Anúncios

Os erros de julgamento

Parece ser da natureza humana a disposição para julgar, avaliar, criticar. Algumas pessoas mais, outras menos, mas praticamente todo mundo tem sempre uma observação a respeito de algo que foi feito ou deixado de fazer.

Aquelas pessoas mais maduras geralmente questionam o próprio julgamento e, por vezes, nem chegam a verbalizar o que inicialmente pensaram. Mas a maioria não tem esse tipo de filtro. Rapidamente, fala o que tem em mente. E, infelizmente, comete injustiças.

No mundo do trabalho, frequentemente vejo gente reclamando de decisões, questionando a decisão de um chefe ou mesmo mudanças no organograma da empresa. O julgamento é feito do lugar onde a pessoa está, partindo da visão dela e dos interesses dela. Ou seja, para avaliar a decisão da chefia, ela enxerga tendo como referência a maneira como foi afetada e o que vislumbrava que poderia ser feito.

Por mais que eu entenda as razões dessas coisas acontecerem, confesso que ainda me surpreendo com a falta de capacidade de algumas pessoas problematizarem o próprio julgamento. Parece haver alguma falha cognitiva.

Uma decisão no meio corporativo geralmente é tomada diante de uma visão do todo. Muitos problemas conhecidos pela alta gestão nunca chegam a todo o grupo de colaboradores. Às vezes, por falhas na comunicação interna; outras, por se tratar de situações estratégicas ou da necessidade de evitar fofocas.

Cito o ambiente corporativo como exemplo, mas isso acontece na igreja que a gente frequenta, no clube, na escola, na faculdade, na gestão pública… E até na nossa casa. Não raras vezes, os pais tomam decisões incompreendidas pelos filhos, pelos sogros ou parentes próximos. E fazem isso por terem ciência de quadros que nem sempre são conhecidos de todo mundo.

Portanto, ainda que seja clichê, vale repetir: antes de julgarmos, é sempre oportuno questionarmos se temos conhecimento de todos os processos envolvidos. Com frequência, nossas avaliações são parciais, porque geralmente desconhecemos todas as versões de um fato.

É fácil fazer o que se gosta

A gente se empolga em fazer coisas que gosta. Você adora jogar futebol e aí alguém te convida pra uma partida com uma galera bacana… É fácil dizer “tô dentro!!”.

Você curte festas e sua melhor amiga te chama para a festa do ano… Impossível dizer “não”. O coração acelera diante do convite e você já pensa até na roupa que vai usar.

Mas nossas emoções são bem diferentes diante de obrigações, de tarefas que precisamos desenvolver em nossas rotinas.

E eu tenho a impressão que aquilo que precisamos fazer, geralmente, está bem longe da lista das coisas que nos agradam.

Por que o trabalho se torna uma batalha diária? Por que os estudos são sempre desgastantes? Por que atender um pedido de favor de amigo ou mesmo do marido, da esposa, pode ser tão custoso?

Simples, porque provavelmente é algo que não nos agrada.

E como a gente lida com essas coisas chatas?

Frequentemente, leio ou vejo pessoas dizendo: “Se você não gosta do que faz, caia fora; encontre outra coisa pra fazer”.

Num mundo movido por uma ideia distorcida de felicidade, esse tipo de argumento parece fazer todo sentido.

Porém, as coisas não funcionam assim. Nem sempre fazemos todas as coisas que gostamos e, com muita frequência, não podemos simplesmente abrir mão delas.

Alguns trabalhos são muito chatos – ou se tornam irritantes. Mas não dá pra virar as costas e procurar outra coisa quando você tem contas pra pagar ou o mercado está difícil, sem ofertas disponíveis.

E essa é só uma das barreiras que a gente enfrenta.

Na vida privada, você não abandona o parceiro por que ele começou a perder cabelos ou ela ganhou uma barriguinha depois que teve filho.

Na prática, o que a gente precisa compreender é que nunca faremos apenas coisas que gostamos e nem teremos o mundo sorrindo pra nós o tempo todo.

Seremos responsáveis por tarefas desagradáveis. Outras tantas vezes vamos encarar gente que não merece nossa atenção e ainda assim teremos que sorrir para elas. Também faremos favores que não nos alegram e estaremos ao lado de pessoas em situações que aborrecem.

Faça o que precisa fazer

Você já se pegou travado, sem inspiração, sem vontade de se mexer? Confesso a você que me sinto assim muitas vezes. Bem mais do que poderia. Simplesmente, não dá vontade de sair do sofá.

No meu caso, que faço um trabalho que depende muito mais da capacidade de pensar do que das ações físicas – é um trabalho criativo, digamos assim -, sentir-se desanimado é um enorme problema. Afinal, dependo das ideias para escrever, para organizar uma aula, para elaborar um projeto.

Outras tantas vezes, o trabalho tem uma demanda específica – alguém pediu que eu fizesse uma determinada coisa. E aquilo que aceitei fazer é chato demais.

O que acontece com a gente todas as vezes que temos algo desagradável para fazer? Ficamos achando formas de fugir… Maneiras de procrastinar.

Pois é… Mas a ausência de ação nos torna improdutivos e motiva nossos fracassos.

Consciente disso, há muitos anos, venho tentando colocar em prática uma espécie de lema: “simplesmente, comece; faça alguma coisa”. Também tenho repetido essa ideia para pessoas próximas. “Comece e não pare!”

Pode parecer bobagem, mas não é. Quando estamos desanimados, sem vontade de fazer qualquer coisa, não adianta sentarmos ou ficarmos na cama, esperando a vontade chegar. Ou um problema passar.

É preciso se mexer e começar.

“Ah… Mas eu não sei nem começar”, talvez você alegue.

Comece assim mesmo. Fale com alguém, pergunte… Faça uma pesquisa na internet… Mas tente começar. Quando a gente se mexe, parece que o universo conspira a nosso favor e as coisas começam a dar certo.

Quando começamos, de certo modo, mandamos um recado para o cérebro: “se mexa; vamos trabalhar!”. As coisas começam a dar certo… E o que é mais impressionante: quando começamos a produzir, nosso corpo reage e nos sentimos mais animados.

Isso é garantia de que amanhã você estará bem disposto? Claro que não. É bem provável que esteja sem vontade como todos os outros dias. Mas você vai fazer de novo o que precisa ser feito. E talvez, em algum momento, você perceba que o início de um projeto pode ser bastante dolorido, mas a satisfação de vê-lo realizado se torna a maior recompensa.

Viver sem receitas…

No mundo do trabalho, na escola, na vida… A gente gosta de receita. Receita. Como fazer?!

E, de fato, quando temos receitas, elas facilitam demais. Afinal, já foram testadas. É só pegar o que outra pessoa fez e aplicar. É fácil.

Na cozinha, tem gente que não tira uma panela do lugar sem a indicação do tipo de panela que deverá ser usada. Acho legal esse rigor.

Mas eu não dou conta disso.

Em tudo que faço, tento dar a minha cara. Pode ser num bolo de cenoura ou na apresentação de um conteúdo em sala de aula para meus alunos.

É fato que consulto as “receitas”. Procuro ver como outras pessoas fazem ou fizeram, mas me atrevo a dar meu toque pessoal.

Dá certo sempre? Não.

Na cozinha, às vezes, o bolo não cresce… No trabalho, às vezes não se é compreendido ou há confrontos por gostos, preferências, rotinas.

Entretanto, viver sem ser refém das receitas permite certa autonomia no pensar. Ajuda no desenvolvimento da criatividade.

E sabe o que é melhor? A gente consegue dar conta de resolver problemas naquelas horas em que algo diferente acontece e ninguém tem uma explicação pronta sobre como resolver.

E como a vida sempre nos traz situações inesperadas, vale a pena ousar viver sem seguir receitas.

Quando a “casa cai”, é possível manter-se calmo e ver alternativas onde ninguém parece ver.

Tudo tem um custo…

Quando queremos muito alguma coisa, precisamos nos dedicar para conquistá-la. Isso vale para todas as áreas da nossa vida. Uma carreira, por exemplo, não é construída por acaso.

A frase é clichê, mas é um fato: nada cai do céu. Nada é de graça. É necessário empenho para que nos tornemos excelentes naquilo que desejamos ser ou fazer.

Claro, desenvolvemos certas habilidades e algumas atividades podem parecer mais simples de realizar. Mas ainda assim, a excelência se conquista no investimento diário, na busca de conhecimento, no treinamento…

O que somos, temos ou fazemos bem é resultado de muito trabalho – por vezes, até suor e lágrimas.

O desafio de aprender durante toda a vida

O sociólogo polonês Zygmunt Bauman, após analisar o momento em que vivemos, concluiu que uma das características mais significativas da chamada sociedade líquido-moderna é a fluidez. E esta fluidez afeta diretamente a educação e o trabalho.

É fundamental compreendermos que tudo que aprendemos e tudo que fazemos têm prazo de validade. Um prazo de validade desconhecido. Afinal, viver sob constante incerteza é também uma das marcas da sociedade atual.

Justamente por isso, o mundo do trabalho, hoje, é o mundo do aprendizado ao longo de toda a vida. Devemos desenvolver a disposição para o aprendizado constante. Por isso, carecemos ser flexíveis e resilientes.

O futuro não pode ser previsto. Os movimentos da sociedade podem até dar algumas pistas sobre o que vai acontecer, mas ninguém projetará o futuro de maneira assertiva. Podemos detectar sinais, mas se alguém diz que sabe o que vai acontecer, esse alguém mente.

O que sabemos é que o futuro será daqueles que estão/estarão abertos a mudarem constantemente. As pessoas mudarão de empresa muitas vezes, muitos negócios bem-sucedidos deixarão de existir e, se você ainda estiver na mesma empresa, certamente estará fazendo coisas completamente diferentes no futuro.

Isso significa flexibilidade.

A característica provavelmente mais importante de um trabalhador é sua capacidade de ser flexível e resiliente. E é a capacidade não só para aprender; porque quando falamos de aprendizagem parece que estamos nos referindo ao conhecimento de português, matemática, história, física, filosofia…

Embora esses saberes sejam muito importantes, a capacidade de aprender a qual me refiro diz respeito ao conhecimento que temos para nos reinventarmos como profissionais, como pessoas… Capacidade para assumir novos papeis e até mudar de carreira mais de uma vez ao longo da vida.

Hoje, a aprendizagem constante já faz parte da vida. Mas se tornará ainda mais presente no mundo do trabalho. Por isso também é necessário desenvolver a resiliência – essa habilidade de lidar com momentos de dor, de dificuldade, de mudanças de forma serena, tranquila, sem esbravejar, sem reclamar.

Isso não é tarefa fácil. Ao longo do tempo, aprendemos que chegaria um momento da vida que faríamos um determinado curso – uma faculdade, uma pós-graduação ou mesmo um curso técnico – e teríamos uma profissão para a vida toda.

Essa segurança – a segurança da previsibilidade – está deixando de existir.

A educação contínua, para a vida toda, não diz respeito a treinamentos frequentes, cursos rápidos para situações específicas. Muito menos treinamentos motivacionais.

O novo papel que se cobra que as pessoas assumam é de preparar-se constantemente para o desconhecido. O mundo hoje se assemelha a uma montanha-russa. Não há tempo apreciar a paisagem. É necessário estar pronto para o desconhecido: uma grande queda, uma longa subida, uma curva acentuada… E, quem sabe, alguns breves períodos de calmaria.

Desconectar-se após as 18h…

O chefe da Amazon na Índia não quer e-mails de trabalho depois das 18 horas. Ami Agarwal defende que a equipe dele se desconecte… Segundo ele, que as pessoas vivam a vida.

Hoje, é cada vez mais difícil deixar o trabalho no fim da tarde e se desconectar. Com frequência, a gente leva trabalho pra casa. Outras pessoas fazem mais que isso: efetivamente, trabalham no período da noite. Gente como eu… que trabalha por três turnos, diariamente.

É fato que cada pessoa faz o que precisa fazer para sobreviver. Temos contas a pagar. E o modo de vida contemporâneo não se resume apenas à comida na mesa. É bem mais que isso e tudo tem um custo alto.

Porém, a gente não paga contas com dinheiro. A gente paga com minutos, horas, dias, meses da nossa vida. Cada produto que compramos são horas da nossa existência gastas na aquisição daquele bem.

Enquanto isso, a vida passa.

E se é verdade que muita gente precisa trabalhar além das 18 horas para sobreviver, também é verdade que algumas coisas poderiam ser melhor administradas para que pudéssemos ter mais tempo para nós, para fazer coisas que gostamos, para ter lazer… para viver.

Os e-mails de trabalho, as dezenas de recados no whatsapp, os diálogos nas redes sociais… Muito disso, relacionado ao dia a dia da empresa, deveria ficar na empresa.

A ideia do chefe da Amazon deveria servir de parâmetro para todos nós. Deveríamos fazer o nosso melhor, com todo nosso empenho, no tempo em que estamos trabalhando. Porém, fora da empresa, deveríamos nos desconectar.

Isso asseguraria mais qualidade de vida. E certamente muito mais produtividade.

Parece uma ideia revolucionária nos tempos em que vivemos. Entretanto, se a gente quiser ter saúde, e principalmente saúde emocional, desconectar do trabalho deve se tornar uma de nossas prioridades.