O mundo exige que sejamos flexíveis

Flexibilidade não é apenas uma palavra da moda; trata-se de uma tática de sobrevivência no mundo contemporâneo. O sociólogo polonês Zygmunt Bauman, crítico do que ele mesmo denominou de mundo líquido, ressaltou em diferentes ocasiões que, embora a flexibilidade possa de alguma maneira agredir a natureza humana, quem permanece rígido e não aceita as mudanças é excluído.

A exclusão pode acontecer de várias maneiras, mas uma das mais dolorosas é a perda de um emprego ou de oportunidades de trabalho. Afinal, é por meio do trabalho que asseguramos a sobrevivência.

Neste período de pandemia, a flexibilidade se tornou sinônimo de adaptabilidade. É fundamental adaptar-se às circunstâncias para sobreviver.

Recordo que no início da pandemia, um jovem professor da faculdade em que leciono e sou coordenador, resistiu demais às mudanças que foram implementadas para manter as aulas. Ele queria a suspensão das aulas até o fim da pandemia. Isso foi em março do ano passado.

As aulas foram para a internet, ao vivo. O professor não se adaptou. No final de abril, pediu demissão. Hoje, um ano depois, as aulas continuam sendo no sistema remoto. A pandemia não acabou. E, sem adaptar-se, parece-me que o meu colega continua sem dar aulas, sem emprego.

Dias atrás, li a história de um casal. No início da pandemia, foram demitidos. Batalharam por oportunidades por algumas semanas, mas as contas foram chegando… Quando o dinheiro estava acabando, assimilaram o princípio básico da flexibilidade: adaptar-se às circunstâncias. Perderam a vergonha e resolveram fazer bolos em casa para vender. Pesquisarem muitas receitas, fizeram testes, experiências e, há quase um ano, o jovem casal, com curso universitário e carreira em ascensão, agora faz bolos para ganhar a vida. Será este o futuro profissional deles? Nem eles sabem.

A vida neste mundo contemporâneo exige de todos nós a disposição de ser flexível. Adaptar-se hoje para, amanhã, talvez, largar tudo e começar algo completamente novo. E assim a cada nova situação que se colocar diante de nós.

Costumo repetir que, por vezes, a realidade se impõe. E quem não compreende isso e se flexibiliza para responder às circunstâncias, sofre muito mais e pode enfrentar sérias dificuldades até mesmo para sobreviver.