Minha persistência em publicar nas redes sociais

Talvez seja utopia… Quem sabe, ilusão. Mas carrego comigo a crença (vou chamar assim) de que meus textos, meus vídeos e podcasts ajudam as pessoas. É isso que me motiva!

Confesso que, às vezes, faltam forças.

Eu mantenho um blog na rede há 16 anos. Sim, no comecinho deste mês de setembro, “comemorei” 16 anos do meu primeiro post. Na época, escrevia no “Blogspot” (ou blogger) – plataforma de blogs do Google. Entre idas e vindas, várias tentativas de experimentar coisas novas, parei no WordPress.

No começo, eram vários posts por dia. Ainda não tínhamos o Twitter. Então, cada recadinho se tornava uma publicação, uma postagem. Foi assim que os textos – inclusive, vários microtextos – foram se acumulando e, hoje, somados, certamente passam de 7 mil.

Neste período, vi muita gente começar a escrever. Vi muita gente desistir também. Acho que a persistência é uma virtude. Ou, no meu caso, uma teimosia. Afinal, onde já se viu alguém fazer, rotineiramente, uma coisa, dedicando tempo e atenção, sem ganhar nada?

E quer saber? Mesmo sem pensar em dinheiro, abri conta no Youtube, fui um dos primeiros no Twitter aqui em Maringá, no Facebook, no LinkedIn… Só demorei um pouco mais pra começar no Instagram. Mas também é verdade que demorei pra publicar no LinkedIn (ainda não sou fã da rede) e mais ainda para levar a sério os vídeos no Youtube. Esperava a oportunidade certa e, quando notei que o momento ideal não chegaria, resolvi apostar nos vídeos.

E qual a motivação? Compartilhar ideias, ajudar as pessoas a refletirem sobre os mais diferentes assuntos.

Pra algumas pessoas, o que eu faço aqui é um bocado estranho. Semanas atrás um amigo insistiu: – Entendi que quer levar bons conteúdos para as pessoas. Mas você precisa trabalhar nas redes para se tornar uma referência/autoridade num determinado segmento.

A fala deste amigo faz todo sentido. Desconheço quem está nas redes, produzindo conteúdos, e que não faz isso para, de alguma maneira, construir ou fortalecer uma determinada imagem. Essa é a lógica das redes. Porém, embora entenda essa lógica e inclusive trate do assunto com meus alunos e alunas, ensinando e recomendando que falem para um determinado nicho, particularmente, ainda não consigo me ajustar a isso. Eu escrevo como nos “velhos tempos”, quando escritores falavam do que estava no coração.

Pra complicar, sempre fui inquieto. Gosto de aprender sobre quase tudo. Isso me fez ser jornalista, com especialização em Psicopedagogia, mestrado em Letras/Linguística e doutorado em Educação. As áreas dialogam? Sim, mas existem conhecimentos distintos, autores e visões diferentes, tratando de questões específicas de cada área. Para completar – ou diversificar ainda mais -, também estudo assuntos ligados à religião, espiritualidade e filosofia.

O reflexo de todos esses saberes aparece aqui e nas minhas redes sociais: diversidade temática e publicações que, para muitas pessoas, fazem pouquíssimo sentido.

Ainda assim, sigo insistindo. E persistindo. Na esperança que algumas pessoas generosas e dispostas a aprender acompanhem meu trabalho nas redes.

Se você é uma dessas pessoas, sinta-se abraçado(a). Obrigado!!

Feliz a nação cujo Deus é o Senhor?

Quero compartilhar com você um trecho do Salmos 144. Na última parte do verso 15, que é o verso final, lemos:

“Como é feliz o povo cujo Deus é o Senhor!”

No Salmos 33, temos uma afirmação bastante parecida. A primeira parte do verso diz:

“Feliz a nação cujo Deus é o Senhor”.

Esses versos são lindos, não é verdade?

Mas, embora lindos, eles nos enganam. Sim, a leitura destes versos nos enganam.

Por certa precipitação, ausência de contexto ou leitura displicente, a gente pode entender tudo errado é achar que toda uma nação pode ser feliz. Para isso, bastaria declarar Deus como Senhor da nação. Com isso, Deus seria o Senhor do povo e a nação seria próspera, feliz, livre de problemas.

Também é um grande erro entender que um governante pode escolher que Deus será o Senhor da nação.

Na verdade, por mais que esse governante realmente tenha boas intenções, o governo, o Estado, não torna Deus o Senhor do povo. Não existe lei, não existe decreto que seja capaz de tornar Deus o Senhor do povo.

É um engano achar que um povo será feliz, próspero, livre de violência, da fome etc., porque alguém disse: este povo adora o Senhor!

E sabe por quê? Porque a adoração ao Senhor é individual.

Eu não posso escolher Deus como Senhor do Brasil; eu posso escolher Deus como Senhor da minha vida. E não posso impor isso à minha esposa, filhos, vizinhos etc.

Mas o equívoco na leitura desses versos vai além. No texto mais citado, o do Salmos 33, geralmente se ignora a continuidade do texto. O restante do verso 12 traz: “e o povo que Ele escolheu para lhe pertencer!

Ou seja, a citação refere-se a uma escolha feita por Deus, um povo a quem Deus teria escolhido pertencer. Considerando toda a narrativa bíblica, podemos entender que se refere ao fato de Deus ter escolhido Israel.

Entretanto, no livro de primeiro Samuel, capítulo 2, versículo 30, temos uma declaração do próprio Deus que ajuda a esclarecer que, embora Deus tenha escolhido Israel, Israel não escolheu a Deus. Por isso, mesmo com a nação de Israel, a relação deixa de ser com a nação e passa a ser com o indivíduo.

Vale lembrar que, desde a aliança com o patriarca Abraão, Deus havia escolhido um povo, o povo de Israel, para ser luz para as demais nações. E Deus era o governante real do povo. Israel não precisava de rei. Contudo, o povo vivia se desviando de Deus a ponto de querer um rei. Com isso, rejeitou o Senhor.

Então Deus declara:
‘Prometi à sua família e à linhagem de seu pai que ministrariam diante de mim para sempre’.

Havia uma promessa, mas ela é retificada por Deus, que declara: ‘Longe de mim tal coisa! Honrarei aqueles que me honram, mas aqueles que me desprezam serão tratados com desprezo’.

E aí: quem é honrado por Deus? Deus honra aqueles que o honram.

Ou seja, deixa de haver uma bênção específica para o povo de Israel. A bênção é individual; é para quem honra o Senhor.

Portanto, voltando aos textos “Como é feliz o povo cujo Deus é o Senhor!” e “Feliz a nação cujo Deus é o Senhor”, se você os usa para pensar em sua pátria, lamento informar que está bastante equivocado.

Não basta um homem, não basta uma lei, não basta um slogan para colocar Deus em primeiro lugar. Isso seria impor uma crença às pessoas.

Tampouco essas medidas iriam assegurar uma bênção especial para toda a nação.

Deus só se torna o Senhor do povo quando TODO o povo escolhe, livremente, e por amor, honrar o Senhor.

Infelizmente, isso não acontece e não acontecerá.

Enquanto vivermos neste mundo de pecado, cada um de nós pode escolher o seu caminho. E viver do seu jeito. Essa é a liberdade que Deus concedeu a todos nós.

Mas como então podemos entender a declaração de Davi de que é feliz o povo cujo Deus é o Senhor?

Porque se um povo, um povo que pode ser a minha família, que podem ser as pessoas da minha empresa, que podem ser as pessoas da minha igreja… Se um povo escolhe Deus como Senhor, este povo é realmente feliz.

É feliz porque não existe contenda, não existe confusão, não existe violência e nem ameaças, não existe gente querendo puxar o tapete do outro, não existe inveja, não existe ninguém falando mal um do outro… Existe amor neste povo.

Um povo que escolhe Deus como Senhor é um povo que ama. É um povo que acolhe, perdoa, abençoa… Um povo que vive assim é um povo feliz.

Meu amigo, minha amiga, seja você a pessoa que escolhe Deus como Senhor. Viva como alguém que tem Deus como Senhor de sua vida.

Contagie o ambiente com o amor do Senhor e você verá outras pessoas escolhendo Deus, elegendo Deus como Senhor.

Quem sabe aí no seu grupo, na sua comunidade, você tenha um povo feliz, porque escolheu Deus como Senhor.

Toque o coração de alguém com um gesto gentil

Eu quero te fazer um desafio: toque o coração de alguém com um gesto gentil.

Estamos vivendo tempos difíceis. Para a nossa geração, talvez nunca houve um período tão sombrio.

As perdas se acumulam. Perdemos a rotina, perdemos renda, trabalho… Perdemos muitos de nossos planos. Se houve um tempo em que não é possível ter nenhum vislumbre sobre como será o amanhã, o tempo é este.

Também perdemos pessoas. Pessoas que amamos, pessoas que deixaram um grande vazio.

Perdemos sorrisos, perdemos a saúde emocional.

Entretanto, há três coisas que não podemos perder: a gentileza, a compaixão e a esperança.

Por isso, num gesto de gentileza, independente de como está seu coração hoje, você tem a chance de demonstrar compaixão e regar a sementinha da esperança no coração de alguém.

Escolha uma pessoa próxima e faça um carinho nesta pessoa. Como você pode fazer isso? Eu te dou uma sugestão: faça um bolo gostoso e dê para esta pessoa. Pode ser outra coisa, Ronaldo? Pode. Mas faça algo que dê um pouco de sabor e permita que a pessoa experimente um momento diferente, agradável – sozinha ou com a família dela – neste fim de semana.

Neste tempo de pandemia, estamos machucados, feridos e gestos gentis têm um efeito imenso sobre nossos corações. São como bálsamo para alma. tenho certeza que você colocará um sorriso no rosto de alguém e poderá renovar os ânimos de uma alma aflita.

Não esqueça, amor bom é amor prático.

Você já se sentiu um verme?

Dê o play para ouvir o podcast!

Já se sentiu um verme? Um lixo? Um nada?

Eu já me senti. E quando a gente se sente um nada é horrível. Parece que nenhuma palavra conforta.

E sabe o que é pior?

Quando a gente está se sentindo um verme, sempre aparece alguém pra dizer:

“ei… Deus está triste com você! Ele faz você e você nem é agradecido!”.
“é pecado se sentir assim”.

Vamos falar sobre isso? Dê o play e ouça o podcast.

Minha dor é maior do que a sua

Conhece gente que parece sempre ter vivido uma experiência mais dramática do que você?

Você está lá contando a sua história… Nela, talvez você tenha vivido ou esteja vivendo um momento muito doloroso. Foi difícil demais (está sendo difícil demais) pra você.

Quando você termina de abrir seu coração, a pessoa diz:

Ah… Isso não é nada. Você precisa saber o que eu passei.

E aí ela desfila uma série de situações que, embora façam muito sentido e, provavelmente, tenham sido experiências de dor, não ajudam nenhum pouco a amenizar o seu sofrimento. Na prática, só fazem você se sentir pior.

Pois é… Esse tipo de coisa acontece. E com muita frequência. E, às vezes, somos nós os protagonistas desses enredos.

Todos nós temos nossas dores. E a dor que mais dói é a dor que a gente sente; nunca é a dor do vizinho. A gente só consegue entender a nossa dor. A dor do vizinho é do vizinho e, por isso, temos a impressão que é menor do que a nossa.

Por isso, existe uma palavrinha chave que devemos não apenas conhecê-la, mas aprender a praticá-la: empatia.

Sim, a palavra chave é empatia.

Empatia é a capacidade de tentar compreender o que significa o drama do outro. E respeitar a experiência dolorosa do outro.

É muito natural olharmos para a outra pessoa e acharmos que o sofrimento dela é coisa pequena perto do que já passamos ou perto daquilo que algum personagem que conhecemos já experimentou.

Essa é uma reação natural, pois estamos fora da vida daquela pessoa.

Entretanto, se desenvolvemos a empatia e a colocamos em prática, nós ouvimos o relato do outro e acolhemos. Acolher é respeitar e, se não sabemos como ajudar, oferecemos nosso abraço, nossos ombros.

Lembre-se que não há nada pior quando estamos sofrendo do que não encontrar alguém que nos entenda, que nos acolha. Portanto, procure não cair na armadilha de sempre ter uma história mais dramática para contar a alguém que sofre. Pode apostar: isso não ajuda.

As vitórias e também os fracassos começam em nossa mente

O que isso significa?

Simples, os nossos pensamentos condicionam nossas atitudes diante da vida. Se damos um passo achando que vamos cair, é bem provável que terminemos com a cara no chão.

Se damos um passo crendo na vitória, o fracasso até pode acontecer, mas nossa atitude será de vencedores e, certamente, a queda será momentânea, porque logo estaremos novamente de pé.

Eu tenho dito que ninguém está bem o tempo todo. Nossas emoções nos traem e, por vezes, nos sentimos péssimos.

Porém, tenho aprendido que necessitamos ser objetivos: quando começamos a afundar, devemos agir para não afundarmos emocionalmente.

Se deixarmos as emoções tomarem conta, nossa crença será de que não somos bons o suficiente e que a vida nunca dá certo para nós.

Por isso, é preciso dizer para dentro de si e fazer como o salmista: conversar com sua alma – ou, conversar consigo mesmo, dizendo: ei, você é um vencedor pela graça de Deus. Expulse seus pensamentos derrotistas, peça ajuda do Senhor e confie.

Manter uma atitude positiva não é garantia de vitória, mas pode ter certeza que atitudes pessimistas são garantia de derrota.

Portanto, cuide dos seus pensamentos. Podemos não vencer todas as batalhas, mas as vitórias começam com uma atitude confiante, de fé!

Finalmente, estou vacinado!

Estou vacinado, graças a Deus! Sou grato, porque meu dia chegou e cheguei até aqui sem ter passado pelas dores e pelo sofrimento da covid-19.

Fui vacinado hoje por ser professor no ensino superior. Por idade, seria amanhã. Para quem esperou até agora, não faria diferença se esperasse mais um dia. Entretanto, ser educador é parte da minha identidade. É parte do que sou. Enfim, é simbólico pra mim: fui imunizado no dia 17 de junho por ser professor. E na UEM, a universidade que tanto amo e que me deu a chance de passar pelo mestrado e doutorado.

Desde o início da pandemia, respeitei todas as recomendações da ciência: evitei aglomerações, me ausentei de reuniões, das atividades religiosas, recusei convites, acho que acabei sendo “o chato” pra algumas pessoas… Usei máscara, muito álcool em gel, mantive uma atitude corporal 100% consciente. Fiz o que podia. E seguirei fazendo. Afinal, a pandemia não acabou.

O coração agradece aos céus, porque sei que outras tantas tiveram os mesmos cuidados, mas não escaparam da covid. Algumas adoeceram, algumas seguem com sequelas e inúmeras pessoas perderam a vida.

Hoje, enquanto aguardava ser chamado, tentei não pensar demais em tudo que já vivemos nesses últimos 16 meses. A espera durou cerca de uma hora e meia e dediquei esse tempo à leitura. Mas, vez ou outra, minha mente viajava. Pensei nas pessoas que amo, nos meus alunos e alunas – alguns deles com covid. Senti um misto de gratidão por ter chegado o meu dia, mas também tristeza por tudo que estamos vivendo. Tristeza por tanta gente ainda não estar imunizada.

Minha filha me monitorava pelo whatsapp. Queria saber como a fila estava, se já tinha chegado minha vez… Em casa, agora, ela é a única que segue sem ter tomado a vacina. Vai demorar mais alguns meses. No meu coração, preferia que ela estivesse em meu lugar. Os pais têm dessas coisas: preferem assumir o risco e proteger os filhos. E eu também preferia que a Duda tivesse tomado a vacina em meu lugar.

Quando fui chamado, não pedi foto, nada. Quis me manter conectado com aquele momento. Faltavam alguns minutos para as 11h da manhã… A responsável por me vacinar tinha um sorriso no rosto. Estava cansada, comentou que estava com dores nas pernas… O tempo todo em pé e já tinham passado por ali quase 600 pessoas – umas 150 só com ela. Ainda assim, sorria. Trocamos mais algumas palavras… Ela fez questão de comentar sobre a vacina, mostrar a quantidade de líquido na seringa e lembrar que devo ficar atento para não perder a segunda dose daqui a 84 dias.

Enquanto deixava o local, reparei nos rostos. Cada pessoa ali tem histórias pra contar dessa pandemia. Tem perdas pra enumerar. Mas em todas elas vi esperança. Vi gente rindo, contando histórias e até quem saiu gritando um “u-hul”.

Em tempos de negacionismo e rejeição ao saber científico, meu coração também sorriu.

E, assim, agradecido pelo conhecimento científico e pelo cuidado do Pai, peço a Deus que proteja minha moça. Peço a Deus que proteja quem vive a ansiedade da espera pela vacina. E peço ao Senhor que cuide de nossos corações.

Você se sente cansado de lutar e não ver resultados?

Você se sente cansado de lutar e não ver resultados? Tem dado o seu melhor e não consegue se sentir satisfeito?

Talvez uma das grandes frustrações da vida adulta seja a falta dos resultados desejados no trabalho, nos estudos e até nos relacionamentos.

Não entramos em nenhum projeto de vida sem levar conosco algumas expectativas.

Se começamos num trabalho, temos expectativas em relação ao salário, colegas de serviço, chefes, promoções… Imaginamos possibilidades de ascensão profissional ou até de que aquele emprego sirva de trampolim ou projeção para uma nova oportunidade profissional.

Se entramos num relacionamento, temos expectativas em relação ao cuidado do outro conosco, com a nossa família… Esperamos que a pessoa faça certas coisas por nós, pelas pessoas que amamos… E também tenha disposição para ser nossa companhia em diferentes ocasiões.

Essa é a nossa reação natural. Quem dá um passo espera que aquele passo leve a algum lugar.

Por isso, quando você caminha, luta, trabalha, se relaciona e nada daquilo que você esperava acontece, o sentimento é de frustração.

Há um vazio. Somos tomados por cansaço, desânimo.

Como lidar com isso?

Vou te responder como procuro responder pra mim mesmo:

Primeiro, Não podemos esperar que os outros façam por nós aquilo que desejamos. Não temos controle dos outros. Ainda que nossa vida esteja entrelaçada à vida das outras pessoas, não dá para esperar que elas realizem nossos sonhos.

Segundo, faça tudo que fizer como se fosse para o Senhor. Sim, este é um conselho bíblico. Tudo que fizer, todo o seu empenho, todo o seu esforço, dedique ao Senhor. Faça para louvor do Senhor.

Os resultados sonhados vão começar a aparecer? Algo mágico vai acontecer? Provavelmente não! Mas suas expectativas serão redirecionadas. Seu olhar deixará de ser para si mesmo e para os outros; seu olhar estará voltado ao louvor e a glória do Pai. E você cobrará menos das pessoas e até de si mesmo!

Prefere ouvir? Dê o play e ouça o podcast!