Pais com medo de educar

​Poucas coisas são tão prejudiciais na educação dos filhos que o medo. Sim, muitos pais têm medo de educar os filhos. Porque educar requer limites. E para estabelecer limites, é preciso ter disposição para enfrentar os desejos dos filhos.

A tirania de muitos meninos e meninas não nasce com as crianças. Embora a genética seja parcialmente responsável pela personalidade, são as práticas diárias, as relações estabelecidas que norteiam a forma com que os filhos vão agir em casa e na sociedade.

Não é difícil concluir que pode coexistir na mesma pessoa uma personalidade forte, mas que respeita as hierarquias, é solidária e amável. O respeito, a solidariedade e o amor não são genéticos; são aprendidos.

Um adolescente tirano só é tirano porque não foi contido durante a infância.

E por que isso acontece? Porque muitos pais têm medo. Medo de educar.

Esse medo geralmente nasce, primeiro, pela memória da relação que a pessoa teve com seus pais. Na tentativa de não repetir os erros deles, acaba por cometer erros piores. A pessoa tem medo de causar as mesmas mágoas que seus pais causaram. Com isso, acaba indo para outro extremo.

O medo também ocorre pela falta de convicção. Como não se preparou para ser pai ou mãe, e o mundo de hoje é cheio de incertezas, fluído, a pessoa olha para os lados e faltam referências para que sirvam de base para aplicar na educação das crianças.

Um terceiro motivo é a culpa. Os pais estão ocupados demais e querem tornar prazerosas as poucas experiências que vivenciam com os filhos. Relaxam na disciplina e acabam por tolerar as manhas, birras, evitam que as crianças se frustrem… Enfim, não conseguem dizer não.

Por fim, o medo de educar também está relacionado à carência. Os pais querem ser amados pelos filhos. Dizer não, disciplinar, estabelecer limites são práticas que desagradam os filhos. Quando a gente diz não para uma criança, ela vai reclamar. Dependendo da personalidade, pode ficar “de bico” por horas e até um dia inteiro. Isso faz com que muitos pais evitem o confronto. Tornam-se pais permissivos. Aos poucos, o filho se torna uma pessoa difícil de lidar e que manda na casa. Pior, poderá se tornar um adulto com poucas habilidades sociais e sem as noções éticas necessárias para uma convivência solidária e o exercício da empatia em suas relações pessoais.

Anúncios

Na segunda, uma música

The Gaither Vocal Band é um grupo norte-americano que surgiu no início dos anos 1980. Liderado por Bill Gaither, o que era um quarteto de vozes, ganhou novos contornos ao longo dos anos, mas nunca perdeu de vista a excelência na qualidade musical.

O Gaither já teve várias formações e revelou cantores geniais como Steve Green, Larnelle Harris, Michael English e David Phelps. As músicas foram gravadas e regravadas em versões variadas, inclusive por artistas brasileiros.

O que mais me encanta no Gaither é a capacidade do grupo renovar-se. Afinal, são cerca de 40 anos de carreira e o grupo está sempre emplacando canções novas e encantando não apenas os fãs do passado, mas também conquistando novos públicos.

E quem fez isso? Um senhor que já passou dos 83 anos. Bill Gaither é incrível. Um homem à frente de seu tempo. Tem espírito jovem. O The Gaither já está na 17a formação e os cantores são bem mais jovens que o líder do grupo. E tudo funciona maravilhosamente bem.

A música nova, lançada na última semana, mostra um pouco dessa combinação: modernidade sem esquecer as raízes.

Convido você a ouvir Good Things Take Time. Vale a pena!!

Os efeitos nocivos da desigualdade social

​A desigualdade é uma das características das sociedades capitalistas. Ela funciona, inclusive, como uma espécie de mecanismo motivador da busca por condições de vida melhores. Justamente por alguns conquistarem condições privilegiadas, toda uma sociedade se move na tentativa de chegar a esse lugar privilegiado.

Em diferentes momentos históricos, houve tentativas de pôr fim às desigualdades. Porém, todas fracassaram. As políticas de igualdade produziram uma igualdade artificial, mentirosa e que, na prática, empobreceu a população. Também parece ser da natureza humana o desejo da conquista, a competitividade, a insatisfação que faz com que queiramos sempre mais e mais. As experiências têm provado que isso não é ruim. Afinal, na busca por ganhar mais, acumular mais e viver melhor, as nações se desenvolvem, tecnologias são criadas e até mesmo as condições de saúde e bem-estar das pessoas têm melhorado ao longo da história.

Entretanto, o conceito de desigualdade social transcende a ideia de uma sociedade em que as condições de riqueza são desiguais. O conceito retrata o abismo que pode existir entre quem tem mais e quem tem menos. E essa distância, quanto maior é, mais problemas traz.

Estudos têm provado que sociedades desiguais são mais violentas, têm mais gente nas prisões, maiores níveis de obesidade e de doenças mentais, mais pessoas infelizes, menores expectativas de vida e baixos níveis de confiança. Além disso, pesquisadores descobriram que a desigualdade social aumenta a segregação e os resultados educacionais de crianças, jovens e adultos são piores.

Por outro lado, a existência de políticas de promoção humana com a finalidade de reduzir a desigualdade social, além de garantirem rendimentos maiores para os trabalhadores, ainda asseguram bem-estar para as crianças, diminuição da mortalidade infantil, menores níveis de estresse, menos consumo de drogas, mais qualidade de vida para a população.

Ou seja, ainda que seja desejável assegurar que as pessoas tenham a liberdade de lutar por condições de vida e riqueza distintas, algumas tenham mais e outras menos, está provado que nenhuma sociedade pode permitir que se crie um abismo entre os mais ricos e os mais pobres. A crescente desigualdade social não é apenas injusta; ela é nociva para a população, pois piora as condições de vida de todo o conjunto da sociedade. Até mesmo os privilegiados se tornam reféns em suas próprias casas, tendo que viver trancados para evitar os efeitos de uma sociedade profundamente desigual.

Ps. Para quem quer entender mais os efeitos nocivos da desigualdade, sugiro a leitura de “The Spirit Level: Why Greater Equality Makes Societies Stronger”, dos britânicos Richard Wilkinson e Kate Pickett.

Um smartphone na mão e muitas fotos na tela

​Quem aí vai a um evento sem manter o smartphone pronto para registrar algumas cenas? Pode ser um show, um aniversário, um casamento, uma apresentação dos filhos na escola… Não importa a ocasião, queremos registrar tudo, ter nossas próprias fotos.

Fazer fotos em toda e qualquer circunstância revela o desejo humano de eternizar alguns momentos, guardar suas memórias. Quando olhamos uma imagem depois de meses ou até anos, viajamos no tempo e revivemos o acontecimento.

Muitas lembranças da minha infância, também do desenvolvimento dos meus filhos são trazidas por fotos que guardamos ao longo desses anos todos. É sempre prazeroso olhar as fotografias…

Com as tecnologias digitais, cada um de nós tem uma máquina fotográfica nas mãos. O smartphone tornou esse processo do registro fotográfico muito mais simples. E por isso, de cada ocasião, não fazemos apenas duas ou três fotos. Na verdade, algumas pessoas fazem duas ou três centenas num único aniversário.

São tantas imagens registradas que, por vezes, não achamos tempo depois para selecionar as melhores, deletar as repetidas e tampouco para organizar aquelas que queremos manter conosco para sempre.

A facilidade do registro criou outro inconveniente: não importa a hora e o local, fazemos as fotos. Clicamos até em situações que não mereceriam nosso registro. Isso provoca dois problemas: não nos envolvemos com a apreciação profunda do que está acontecendo, afinal estamos mais focados nas fotos que faremos do que nas coisas que estão acontecendo; e o segundo problema é que passamos a nos movimentar nos locais como se fossemos fotógrafos profissionais, atrapalhando quem está ali a trabalho.

Recentemente, uma fotógrafa americana famosa viralizou na rede com um post reclamando de uma mulher que impediu que ela fizesse a foto da entrada da noiva na igreja com o pai dela. No momento do clique, o enquadramento perfeito foi perdido porque a mulher colocou o iPhone na frente. O álbum da noiva ficou sem a imagem perfeita. E a mulher? Qual a importância daquela foto para ela?

Situações como essas fazem a gente pensar em nossos novos hábitos. É fundamental não perdermos o bom senso. É maravilhoso registrar cenas do cotidiano, lugares que visitamos e encontros com pessoas que amamos. Mas podemos apreciar um pouco mais cada momento, sem a ansiedade de tentar guardar tudo no celular.

Quem você segue?

Me apropriei deste título; estava numa meditação que li dias atrás. Embora o autor tenha apresentado uma reflexão distinta da que pretendo trazer pra você, o título me fez pensar nas pessoas tidas como importantes, pensadores ou mesmo nos canais de comunicação que seguimos.

Quem seguimos diz muito sobre o que pensamos. Embora nossas escolhas informativas sejam referenciadas em diversos elementos que nos levaram a ser quem somos hoje, aqueles a quem seguimos nos asseguram os argumentos ou as bases para vermos e analisarmos o mundo.

Eu diria que aqueles a quem seguimos nos fornecem as lentes pelas quais vamos ler os fatos e acontecimentos da vida (não dá para pensar bem, ter um bom repertório, referenciando-se no whatsapp e nas redes sociais).

Eu tenho algumas referências. A principal delas é Jesus Cristo. E aqui não falo de fé; falo do olhar dele para o mundo. A filosofia de Cristo, a maneira como tratou as pessoas, como lidou com os poderes da época são a minha principal referência. A partir dela, tenho outras que também aparecem na Bíblia, um livro surpreendente.

Fora do texto sagrado, há nomes que não podem ser negligenciados. Além de alguns filósofos gregos da antiguidade, me apoio em ideias de Sócrates, Aristóteles, Kant, Michel Foucault, Zygmunt Bauman entre outros.

As pessoas ou pensadores que sigo formam a base do meu próprio pensamento. Isso me ajuda a compreender o mundo, as relações sociais, as pessoas, o trabalho, a educação… E até mesmo fenômenos como a violência, o consumo, os relacionamentos humanos…

Se temos boas referências, aumentam as possibilidades de avaliarmos com mais clareza os movimentos da própria sociedade.

Essa é uma das principais razões de eu ter escolhido ser educador. Quando insisto com meus alunos para que busquem conhecer e tenham boas referências de pesquisa, faço isso não para me tomem como guia deles; faço isso, porque entendo que a sociedade que temos é reflexo do que somos. E se somos medíocres em conhecimento, logo construiremos uma sociedade com a nossa cara.

Portanto, também para você, meu caro leitor, fica aqui minha pergunta: quem você segue? Escolha bem a quem vai seguir. Saiba que suas referências vão assegurar a qualidade do seu pensamento e de suas análises do próprio mundo, auxiliando inclusive na tomada de decisões.

Na segunda, uma música

Peter Hollens é um músico norte-americano genial. Além de cantar muito bem, é criativo como poucos. E faz uso da arte musical a capella pra encantar.

O canal de Peter no Youtube tem mais de 2,3 milhões de inscritos. A cada semana, ele surpreende o público como uma interpretação inovadora de alguma música já conhecida do público – principalmente, trilhas de filmes e animações.

Portanto, hoje, mais que apresentar uma canção, convido você a conhecer o trabalho de Peter Hollens. Escolhi como destaque a música que estreou no canal neste início de semana. Mas certamente você encontrará muito mais no Youtube desse super artista.

A educação só é prazerosa quando promove a descoberta

​Me perguntaram: professor, a escola tem que dar prazer ao aluno? Não, não é este o propósito da escola. A escola precisa ensinar. E ensinar com o objetivo de promover o conhecimento.​ O prazer é efeito do ato de descobrir. ​E isso a escola pode promover: a descoberta.

​Se partimos da premissa de que a busca pelo prazer norteia a relação das pessoas com as coisas que elas fazem, sabemos que a escola já sai perdendo. O processo de aprendizagem é desgastante e uma espécie de agressão ao conforto do nosso cérebro.

Então ​o que fazer pela escola? ​Vejamos… Embora o processo de ensino-aprendizagem provoque desprazer, é possível dar sentido ao que se ensina e ao que se aprende. E, na descoberta, há prazer.

Quando algo se revela diante de nós, algo que desconhecíamos, a sensação é maravilhosa. Quando há o efetivo aprendizado, aprendizado de algo que tem valor, há o encantamento.

Isso ocorre entre os adultos, mas principalmente entre as crianças. Crianças são curiosas. Querem descobrir, aprender. Elas se alegram quando descobrem o funcionamento das coisas. Os olhos delas brilham!!

Então por que a escola aborrece? Porque muitos das informações fornecidas não fazem sentido. Não há descoberta. Se houvesse descoberta, enquanto se ​dá o processo do ensino, haveria cansaço, sofrimento​, mas tão logo as informações fizessem sentido, a criança ou adolescente se encantaria com o saber adquirido.

É esse encantamento que a educação deve buscar. Não dá para tornar o processo de ensino prazeroso, mas é sim possível assegurar prazer com o efeito da descoberta, da novidade, do conhecimento.

A escola e o (não) prazer de estudar

​Dias atrás, falei aqui que um número expressivo de jovens entende que sucesso profissional é “fazer o que gosta”. Também mencionei que a busca por fazer coisas que proporcionam prazer é uma das características do momento em que vivemos. Frequentemente, as escolhas de nossos adolescentes e jovens têm como referência a expectativa de que aquela atividade poderá ser alegradora.

Esse não é um princípio de vida ruim. Passa a ser, quando há baixa tolerância à frustração, ao desconforto, à dor.

E aqui está um dos problemas enfrentados na escola. O ato de aprender é, por vezes, desgastante, cansativo e provoca muito sofrimento.

O movimento de aprendizagem é uma espécie de agressão subjetiva. É necessário todo um esforço para se adquirir um determinado tipo de conhecimento, principalmente em áreas que não parecem fazer sentido para nós. Há necessidade de criar novos “caminhos” no sistema neuronal, novas conexões.

Entretanto, no que diz respeito à escola, a situação é ainda mais complexa. Algumas regras gramaticais, cálculos matemáticos, princípios físicos, químicos ou estudos biológicos são totalmente estranhos e desconexos com a realidade imediata do aluno. E aí sem prazer e sem fazer sentido, não há nada de recompensador nesse aprendizado.

A rejeição por aquele saber é quase imediata. Com raras exceções, absorve-se o necessário para obter o resultado desejado: a aprovação na matéria. Nada mais que isso!

E nenhum discurso professoral, ou até mesmo da família, em defesa desse tipo de conhecimento têm lógica para os estudantes. Eles se sentem desconfortáveis com as horas dedicadas ao estudo, não encontram nenhum prazer naquilo e, pior, ainda notam que provavelmente boa parte daquele conhecimento só terá valor para passar num vestibular. Nada mais.

Na prática, a escola produz efeito contrário do desejado. Ao obrigar os alunos a fazerem coisas que não gostam e que não possuem conexão com a realidade deles, a escola acaba por sugerir que o estudo é chato, impositivo, e não passa de uma mera formalidade para aprovação em concursos ou em atividades que estabelecem, aleatoriamente, suas próprias regras, ignorando as habilidades que, de fato, são requeridas numa profissão e até mesmo para a vida.