Que horas você vai para cama com sua esposa?

casal

Esse assunto é bastante sério. Tem relação direta com o sexo no casamento, mas tem muito mais a ver com a intimidade do casal. 

Uma das coisas ruins que acontecem com o passar dos anos é que, aos poucos, os casais vão deixando para ir para a cama apenas quando já estão com sono, quando estão cansados.

Às vezes, um fica no computador, navega na internet… O outro assiste televisão, trabalha, estuda… E vão para cama quando o corpo reclama.

A situação se torna ainda pior para o relacionando se os horários são diferentes. Casal que não deita junto cria, dia após dia, um barreira entre eles.

Por isso, o ideal é que os dois deitem no mesmo horário e pelo menos uma hora antes do horário que dormiriam. E por quê? Porque ao fecharem a porta do quarto, poderão ter um tempo só pra eles. Um tempo pra conversar, um tempo pra trocar carinhos…

Esse tipo de atitude aperfeiçoa o relacionamento, aumenta a intimidade… E leva o casal a ter uma rotina sexual muito melhor. 

Tem gente que reclama da falta de sexo no casamento. Mas o sexo, num relacionamento que já tem alguns anos, é consequência do nível de intimidade, da capacidade do casal trocar carinhos, ter sintonia, diálogo… Por isso, se o casal não investe tempo na relação, a vida na cama certamente vai esfriar.

A importância do toque no relacionamento

relacionamento_tocar

Algumas coisas têm efeito indescritível no relacionamento. E uma delas é o toque. Não, não estou falando do toque na hora do sexo. Estou falando do toque ao longo do dia. O toque se traduz por um abraço demorado, um carinho nas mãos, uma massagem leve nos ombros…

É impressionante como, com o tempo, os casais vão abandonando determinados hábitos… Nos primeiros meses de paixão, parece haver uma necessidade absurda em grudar no outro. Passa a mão aqui, ali… Beija, abraça… Acontece que, nesse período, isso tem tudo a ver com tesão. Cada toque quer dizer uma coisa apenas: “quero ir pra cama com você!”.

Mas o tempo passa, a rotina nos afasta e os toques vão se tornando cada vez mais raros. E quando isso acontece, o romance também esfria. 

O toque é um afago ao coração. Quando a gente toca, a gente se aproxima, a gente demonstra se importar, querer bem. O toque acalma, faz sorrir… Não há romance que se sustente sem proximidade física. É preciso sentir a pele, o cheiro… Quando os toques são raros, a alma reclama. A carência se instala e o relacionamento, fragiliza. 

Por isso, em todo tempo e lugar, não esqueça de tocar o parceiro. Tocar com carinho, com gentileza… E não apenas quando quer sexo. Quando a gente se dispõe a manter-se próximo do corpo do outro, a intimidade na cama se torna consequência de uma relação que é alimentada diariamente. 

Na segunda, uma música

Elton John é dono de uma das voz mais belas da música americana. E seu repertório é bastante vasto. Não lhe faltam sucessos.

Para esta segunda-feira, reservei uma canção singela, “Blue Eyes”. A letra é simples… Fala da despedida e do retorno para junto do seu amor, esse alguém de olhos azuis.

Quando eu estou do lado dela
Onde eu desejo estar
Eu verei
Olhos azuis rindo no sol
Rindo na chuva

Lançada em 1982, a música faz parte do álbum “Jump Up”. E então… vamos ouvir e recordar?

Quatro mudanças antes de decidir se divorciar

divorcio

Não são raras as pessoas casadas que cogitam se divorciar. Muitas delas estão insatisfeitas, porém pouco têm feito para mudar a dinâmica do relacionamento. Por isso, se você tem pensado em se separar, sugiro quatro mudanças de comportamento e atitudes que devem fazer parte de sua vida, antes de romper seu casamento.

Enfrente a situação ao lado do seu parceiro – Algumas pessoas estão infelizes, mas não verbalizam para o outro o que as incomodam. Por vezes, agridem o outro, reclamam, mas são incapazes de ter uma conversa franca. Acham que o outro tem que saber o que deve fazer pelo relacionamento. Desculpa, mas o seu parceiro não tem como descobrir o que vai em sua mente. Por isso, converse. Sem acusações… Diga o que você sente e por que se sente assim. Não tenha vergonha de dizer o que você gostaria que mudasse… Muito menos de pedir que o outro se envolva. Mas deixe claro que quer o envolvimento do outro, porque o ama e deseja salvar o relacionamento.

Assuma a responsabilidade de seus sentimentos e suas atitudes – Tem gente que sonha ter uma vida melhor, um guarda-roupas repleto de peças da estação… E, por não ter o que deseja, culpa o parceiro. Acha que o outro é acomodado, não se esforça etc etc. Mas será que o outro é mesmo culpado de você não ter o que gostaria? Ou será que você não tem idealizado uma condição de vida incompatível com os rendimentos familiares? Separar-se resolveria seus problemas? Eu sei que tem muito marido acomodado por aí. Mas sei também que existem pessoas que conheciam qual seria a realidade financeira do casal e ainda assim apostou no casamento. Não adianta casar com professor e querer ter status de executivo de companhia multinacional.

Construa sua própria vida – Esse é um erro que muita gente comete. A pessoa casa e se acomoda profissionalmente e intelectualmente. Não se preocupa em crescer na carreira, fazer cursos, estudar… A pessoa deixa de ler, se atualizar… Enfim, para no tempo. Isso torna sua vida vazia, desinteressante e faz com que o parceiro, muitas vezes, deixe de admirá-la, respeitá-la. Por isso, embora tenha um casamento, nunca esqueça que você segue tendo uma vida, que é sua, só sua.

Aprender a amar sem dependência – Certas pessoas se casam iludidas. Pensam que tudo será perfeito, que o parceiro, os filhos serão semelhantes aqueles que aparecem em comercial de margarina ou em alguns filmes românticos de Hollywood. E aí, quando aparecem os problemas, desgostam do outro. Bem, esse tipo de relacionamento não existe. A vida a dois é difícil. E nem sempre o outro fará tudo conforme você sonhou ou sonha. Por isso, penso que é fundamentar amar sem criar expectativas, sem condicionar o amor às condições do dia a dia do casal. Tem gente que só ama quando tudo está bem. E, infelizmente, os dias ruins também são uma realidade. O amor não pode depender das circunstâncias.

Use as tecnologias a favor de seu relacionamento

tecnologia

É inegável que as tecnologias têm prejudicado os relacionamentos, inclusive muitos casais. E por várias razões. A tela tira a inibição de muita gente. Fica fácil conhecer pessoas pelas redes e trocar informações usando o computador, tablet, celular… E, meio sem pensar, as pessoas contam suas carências, verbalizam fantasias sexuais… Tudo aquilo que não falam para seus parceiros.

A falta de tempo para o relacionamento também motiva algumas pessoas a procurarem suprir, na rede, a falta de ter alguém com quem dialogar. Assim, aos poucos, envolvem-se com colegas de trabalho, amigos ou até desconhecidos. Em pouco tempo, o relacionamento é colocado em risco por conta de bobagens que começam na internet.

Entretanto, isso não significa que as tecnologias devem ser banidas. Na verdade, quando bem usadas, podem potencializar o romance. Para hoje, tenho três dicas básicas.

Celular, computador etc não são espaços privados. Quando você fala com alguém, faz um brincadeira ou manda uma fotografia, aquilo que você escreveu, falou, enviou deixa de ser seu. O outro pode copiar, encaminhar para outras pessoas, divulgar e até manipular. Não dá para confiar. Você nunca sabe exatamente quem é a pessoa que está do outro lado e o que ela pode fazer com suas coisas.

O que você busca, você encontra. Se você ficar mexendo demais no celular do seu parceiro (de sua parceira), nas mensagens que estão na rede ou mesmo comentários, talvez encontre coisas que te incomodam. Significa que o outro está te traindo? Nem sempre. Uma mensagem sem contexto pode produzir outros sentidos. Então, se acha importante espiar o que a pessoa amada anda fazendo na rede, desarme-se e procure fazer isso ao lado dela e num momento de calma (nunca quando já estão em crises ou num tom acusatório).

Use as tecnologias a seu favor. Não se torne refém delas. E nem use-as para se manter 24 horas conectado com seu parceiro. Embora a gente sinta saudade, há necessidade de espaço. Até para que o outro possa dar conta de estudar, de trabalhar, de participar de uma reunião familiar… Tem parceiro que tem mais tempo que o outro e quer atenção o tempo todo. Aí usa as redes pra cobrar atenção e mais atenção. Isso causa estresse, gera brigas e ainda prejudica o desempenho do outro todo (sem contar aqueles que resolvem cobrar alguma coisa, querem tirar satisfação, têm crises de ciúmes… tudo enquanto o outro está ocupado…). Use as tecnologias para mandar uma mensagem de incentivo no meio do expediente, enviar um recadinho carinhoso e até sugerir alguma surpresinha para depois do trabalho. É gostoso saber que a pessoa amada está ali, perto de você, por meio da rede. Isso, porém, não quer dizer ocupá-la o tempo todo com demandas do relacionamento.

Apaixone-se por alguém que te inspire

relaciona

Envolver-se com alguém deve ser também resultado de uma escolha. Por mais que a paixão nos surpreenda e nos faça perder a cabeça, deveríamos ter um pouco mais de cautela antes de nos envolvermos com alguém. E um dos critérios fundamentais na escolha do parceiro é que seja capaz de nos inspirar.

Mas inspirar o quê? Talvez você queira me fazer essa pergunta. E a resposta é simples: inspirar você a ser melhor do que você é. A gente deve dividir a vida da gente com quem não apenas nos cause calafrios… O parceiro certo é aquele que faz você querer ser uma pessoa ainda melhor. Alguém te impulsione a lutar pelos seus sonhos, que te faça desejar crescer profissionalmente, relacionar-se melhor com a família e com os amigos, que te ajude a superar seus próprios limites…

Gente que inspira é gente que motiva, que te tira do conforto da mesmice. Quando a pessoa amada é esse tipo de pessoa, você sabe que tem apoio, que vai ter ombro amigo. Gente que critica, reclama, coloca defeito é incapaz de comemorar contigo os seus êxitos. Na vida, precisamos de pessoas que fiquem felizes com nossa felicidade. 

Gente que inspira não significa ser aquele tipo de pessoa que parece estar um degrau acima de você e que, por isso mesmo, te olha como alguém inferior. Tem que inspirar por manter atitudes de amor, de acolhimento, de gentileza, de respeito, de altruísmo, de generosidade… Generosidade que se revela também num olhar de cumplicidade e admiração por você. Você se inspira no outro… E o outro se inspira em você. Existe troca.

Parece difícil encontrar alguém assim? Talvez. Porém, quando nos contentamos com pouco, agredimos a nós mesmos e perdemos a chance de nos tornarmos fontes de inspiração para outros. Ter medos, ter dúvidas não rouba nossa beleza interior. O que nos faz pequenos é deixarmos o coração se envolver pela primeira carinha bonita que aparece.

Na segunda, uma música

Muita gente diz que ter fé num ser superior, acreditar em algo que nossos olhos não podem ver é só uma forma de se iludir, um jeito de não encarar a realidade. Talvez isso possa até ser verdade… Ainda assim, observo, a partir de minha própria vida, que ter Alguém em quem confiar, acalma o coração e torna a vida muito mais fácil.

A música desta segunda-feira fala desse Alguém. Na voz belíssima de Laura Morena, há uma declaração de confiança de que, quando tudo dá errado, é possível contar com Deus.

Quando tudo desabar
E o medo encontrar
Há alguém
Quando as portas se fecharem
Quando todos o deixarem
Há alguém

Eu sei que em meio ao sofrimento nem sempre é fácil notar que tem alguém que se importa com a gente. Mas, ao exercitar a fé, podemos encontrar esperança…

Mesmo que seus olhos
Não enxerguem nada além
Há um Deus bem perto
Você não está só

E então… vamos ouvir?

Na segunda, uma música

Os amigos são fundamentais em nossa vida. Embora a frase seja clichê, ela aponta para uma das grandes verdades da existência humana: ninguém vive sozinho. Eu costumo dizer que não é necessário ter alguém para dividir a cama, mas não dá para ser feliz sem ter um ombro sobre o qual repousar a cabeça em dias de tristeza. Ou mesmo naqueles dias em que queremos comemorar uma conquista.

Talvez por isso admire bastante a amizade dois artistas americanos. Michael W. Smith e Amy Grant são amigos há quase 30 anos. E uma amizade produtiva, pois não são poucas as canções que já produziram juntos. Uma delas compartilho nesta segunda-feira, “Somewhere, somehow“.

A música fala de um amor que está distante… E de alguém que deseja reencontrar a pessoa amada.

Em algum lugar distante do hoje
Eu irei encontrar um modo de encontrar você
E de algum modo através das noites solitárias
Eu deixarei uma luz no escuro
Deixe ela guiar você para o meu coração

A canção termina com um pedido:

Você é minha, isto pode levar algum tempo
Mesmo que isto leve uma vida inteira
Diga-me que você irá esperar

E então, vamos ver o clipe e ouvir a belíssima interpretação de Michael e Amy?

Amores difíceis comprometem a carreira

Happy couple in the park

Tenho defendido que, se alguém quer viver um relacionamento feliz, deve priorizá-lo. Não é a carreira, não são os estudos, não são os amigos, os pais e nem os filhos… Nada disso pode ocupar o topo da lista. Porém, isso também não quer dizer viver uma vida medíocre do ponto de vista profissional, acadêmico e nem deixar de dedicar tempo e atenção às pessoas queridas.

É justamente partindo dessa ideia que desejo refletir sobre um desses pontos: a carreira profissional.

Eu acredito que nenhum sucesso compensa o fracasso na vida afetiva. Entretanto, também acredito que muita gente tem tido problemas sérios na carreira por viver uma montanha russa no relacionamento. Gente que divide a vida com gente mal resolvida corre risco de se tornar um profissional medíocre.

E o motivo para isso é simples: quem vive sob pressão no relacionamento, estaciona. Não dá para trabalhar bem se a pessoa que você ama te desequilibra emocionalmente. Acaba a concentração, mina a criatividade, tira o foco do trabalho no horário de expediente… Torna-se impossível ser de fato profissional.

Embora eu defenda que o relacionamento deve ser prioridade, é fundamental contar com alguém que some, que ajude, que apoie… Que compreenda que vez ou outra pode ser necessário fazer hora-extra, ir a um jantar da empresa, deixar de responder o whatsapp… A pessoa que está ao nosso lado também deve ser quem estimula, quem ajuda a identificar falhas profissionais, que auxilie no comprometimento. Deve ser alguém que sabe ouvir angústias, dar um conselho… Alguém que ajuda a acalmar no momento de tensão, que impede que se faça uma bobagem e até ajude nas estratégias para conseguir uma promoção ou mudar para um emprego melhor.

Afinal, ter alguém pra amar é ter alguém com dividir uma vida, construir sonhos juntos e nunca silenciá-los.

Quatro segredos da intimidade da mulher

intimidade

Homens e mulheres pensam o sexo de maneira diferente. É verdade que muita coisa mudou – principalmente na atitude das mulheres em relação ao sexo. Porém, elas ainda preservam alguns segredos íntimos que nem sempre revelam aos homens. E maridos que querem desfrutar o melhor do sexo com a parceira devem prestar atenção a esses detalhes.

Para a mulher, sexo começa fora do quarto. A disposição para o sexo geralmente não surge do nada, não surge apenas na cama. Para motivar a mulher, o parceiro deve saber que pequenas atitudes podem fazer diferença. Às vezes, lavando a louça, dando banho ou trocando as fraldas do bebê… Preparando o jantar… Surpreendendo com um presentinho ou algo que ela gosta…

O sexo, para a mulher, tem muito a ver com romantismo. Para o homem, não raras vezes, o sexo é apenas isso: sexo. Tem a ver com corpo, com cheiro, gosto… Tem a ver com gozo. Para a mulher, sexo é uma experiência emocional, afetiva.

A mulher deseja se sentir bonita, charmosa. Ela quer ser admirada. Principalmente por seu homem. O cuidado que a mulher tem ao se vestir, ao se perfumar, ao arrumar o cabelo está diretamente relacionamento ao desejo de sentir-se bem, de sentir-se bela. O homem que deseja tocar o coração da parceira, para viver o melhor da intimidade sexual, deve ser capaz de reparar sua beleza e, principalmente, os pequenos cuidados que ela tem com o corpo.

A mulher deseja ser conquistada. E diariamente. Para o homem, sexo pode ser uma forma de tirar o estresse. Para a mulher, não existe sexo com estresse. Sexo é quando ela está de bem com a vida. Por isso, ser compreensivo, tolerante, cobrar menos a parceira são estratégias que funcionam para chegar ao coração dela. Cobrar sexo, por exemplo, faz um mal enorme na dinâmica do relacionamento (não significa deixar de dialogar, se algo não está funcionando). Geralmente, afasta, magoa, causa rupturas no romance. Por isso, controlar as próprias emoções é uma boa alternativa para viver o melhor da intimidade.